SPONSORS:

A AHLMA quer vender roupas produzidas com materiais orgânicos e reciclados

- 10 de julho de 2017
ahlma_logo

Nome:
AHLMA

O que faz:
É uma marca de roupas que utiliza um modelo de criação coletivo (colaboradores e plataforma crowdsourcing) e materiais orgânicos, biodegradáveis e reciclados para fazer as peças.

Que problema resolve:
Segundo os sócios, a ideia é produzir roupas com o menor impacto ambiental possível e o maior benefício social possível.

O que a torna especial:
A marca usa apenas materiais orgânicos, biodegradáveis e reciclados.

Modelo de negócio:
A empresa vende suas peças em uma loja física e no e-commerce.

Fundação:
Junho de 2017.

Sócios:
Grupo Reserva
André Carvalhal — Diretor cocriativo e CEO

Perfil do fundador:

André Carvalhal — Rio de Janeiro (RJ) — é formado em Publicidade e Jornalismo, com pós-graduação em Marketing Digital. Atua como professor de cursos de extensão e pós-graduação em Marketing e Branding de Moda em diversas instituições de ensino e co-fundou a MALHA, espaço de moda colaborativa, no Rio de Janeiro. Trabalhou na Farm e presta consultoria para as empresas Grendene, Do Bem, Papel Craft e The School of Life.

Como surgiu:
A ideia partiu do Grupo Reserva, conhecido pela marca de roupa de mesmo nome. Após o encontro de empresários do grupo com André, foi realizada uma série de workshops que deram origem à AHLMA.

Estágio atual:
A empresa conta com um escritório criativo, localizado dentro da MALHA, e uma equipe de criação de aproximadamente 20 pessoas.

Aceleração:
Não teve.

Investimento recebido:
A AHLMA recebeu um aporte de 1 milhão de reais, do Grupo Reserva.

Necessidade de investimento:
Não há.

Mercado e concorrentes:
Ela se posiciona dentro do segmento fashion como uma empresa sustentável. “Não existe um concorrente direto que combine todos os features da nossa marca. Existem outros agentes, com produtos e serviços similares e complementares, mas que nesse caso não são vistos como concorrentes, e sim colaboradores”, diz André.

Maiores desafios:
“Muitas marcas têm excesso de produção, de tecidos, de estoque, mas não estão abertas a compartilhar. Há também uma dificuldade muito grande de trabalhar com materiais mais sustentáveis e regenerativos. E existe ainda no consumidor uma falta de informação e consciência em relação a tudo isso”, afirma o fundador.

Faturamento:
Não informado.

Previsão de break-even:
Um ano.

Visão de futuro:
“Ter uma marca completamente aberta a pessoas de todos os lugares do mundo, sem a dependência de uma equipe fixa”, diz André.

Onde encontrar:
Site
Contato

 

Você tem uma startup que já é mais do que um sonho mas ainda não é uma empresa totalmente estabelecida? Escreva para a gente. Queremos conhecê-lo. E, quem sabe, publicar um perfil da sua iniciativa aqui na seção Acelerados. Esse espaço é feito para que empreendedores como você encontrem investidores. E para que gente disposta a investir em novos negócios encontrem grandes projetos como o seu.

Mas, se você tem uma ideia e ainda não sabe como estruturá-la em uma estratégia de negócios, escreva para mentoria@projetodraft.com e conheça nosso novo serviço de Mentoria.

Veja também:

Como a Re-Roupa usa a moda criada a partir de resíduos para provocar a própria indústria

- 4 de setembro de 2017
Gabriela Mazepa, da Re-Roupa, é estilista e ativista: sua marca fatura mais com consultorias do que produtos.

O case Tucum Brasil: renda para as etnias e a arte indígena valorizada e vendida mundo afora

- 10 de julho de 2017
A modelo Ngrejkampyre Kayapó com colar da Tucum, a marca que tem loja fixa no Rio e parceiros ao redor do mundo para vender arte indígena e reverter a renda para as comunidades produtoras (foto: Paulo Velozo/Associação Floresta Protegida).

A T-Mutts vende mensagens de amor aos cachorros – e quem ganha são os vira-latas

- 12 de junho de 2017
"É legal porque quanto mais eu tiver lucro, mais vou ajudar", diz Ana Luísa Schmitt, da marca de camisetas comprometida com cães abandonados.

“É ridículo como as ‘modas’ digitais se tornam um paraíso para oportunistas no Brasil. Eis a verdade sobre elas”

- 9 de junho de 2017
Luciano Palma trabalha com tecnologia há mais de 20 anos e desvenda alguns "truques" usados por gente mais interessada em vender do que em entender sobre o que vende.