SPONSORS:

A Hash Lab cria soluções de pagamento para empresas do varejo

- 6 de dezembro de 2017
logo_hashlab

Nome:
Hash lab.

O que faz:
É uma fintech especializada em soluções para meios de pagamento de empresas do varejo.

Que problema resolve:
Segundo os fundadores, a plataforma permite que as próprias empresas monetizem suas redes e se tornem um provedor de serviços de pagamento, emitindo um cartão pré-pago, por exemplo.

O que a torna especial:
A startup conecta as empresas com os parceiros e fornecedores especializados nessas tecnologias e faz a gestão de todo processo de implantação.

Modelo de negócio:
O negócio lucra com um valor percentual que varia de 0,3 a 1% sobre o volume transacionado na plataforma ou receita gerada por projeto.

Fundação:
Fevereiro de 2017.

Sócios:
João Miranda — Cofundador
Thiago Arnese — Cofundador

Perfil dos fundadores:

João Miranda— 27 anos, São José dos Campos (SP) — iniciou o curso de Ciências da Computação na USP, mas não chegou a concluir. Trabalhou na Pagar.me.

Thiago Arnese — 25 anos, São Paulo (SP) — é formado em Administração de Empresas pela FGV e pela Università Commerciale Luigi Bocconi (Itália). Trabalhou em empresas como Bio Ritmo, Smart Fit, Cnova e Pagar.me.

Como surgiu:
Os sócios se conheceram trabalhando juntos na Pagar.me, onde puderam entender melhor o setor e desenvolver novas soluções.

Estágio atual:
A startup conta com cerca de seis mil usuários e realizou transações de mais de 2 milhões de reais em três meses de operação.

Aceleração:
Não teve.

Investimento recebido:
A Hash Lab recebeu um aporte, de valor não informado, do fundo de investimento Canary.

Necessidade de investimento:
Os sócios estudam buscar investimento.

Mercado e concorrentes:
“Hoje, no Brasil, o mercado físico de pagamento é muito mal atendido e há uma grande briga por taxas. Já nos Estados Unidos, existem mais de 1 000 modelos em que o pagamento faz parte da solução end to end“, diz Thiago. Ele aponta como concorrentes indiretos as empresas PagSeguro, Mercado Pago e Payleven.

Maiores desafios:
“O mercado possui grandes barreiras em termos de tecnologia, regulamentação e cultura. Estamos mexendo com um sistema criado há 30 anos, que opera quase da mesma forma até hoje. Nosso maior desafio é quebrar esse paradigma, empoderando empresas a entregar soluções muito além de processamento de transações”, afirma João.

Faturamento:
150 mil reais (em 2017).

Previsão de break-even:
Fevereiro de 2018.

Visão de futuro:
“Entendemos que existe uma barreira enorme de entrada no mercado de pagamentos no Brasil e no desenvolvimento de soluções. Queremos ser a empresa que fornecerá a infraestrutura para essa mudança”, afirmam os cofundadores.

Onde encontrar:
Site
Contato

 

Você tem uma startup que já é mais do que um sonho mas ainda não é uma empresa totalmente estabelecida? Escreva para a gente. Queremos conhecê-lo. E, quem sabe, publicar um perfil da sua iniciativa aqui na seção Acelerados. Esse espaço é feito para que empreendedores como você encontrem investidores. E para que gente disposta a investir em novos negócios encontrem grandes projetos como o seu.

Mas, se você tem uma ideia e ainda não sabe como estruturá-la em uma estratégia de negócios, escreva para mentoria@projetodraft.com e conheça nosso novo serviço de Mentoria.

Veja também:

Como a Geru usa a tecnologia para oferecer crédito pessoal sem garantia e, ainda, limitar seus riscos

- 26 de setembro de 2017
Os fundadores da Geru: Tomás Corrêa, Karin Thiess e Sandro Reiss.