A seleção natural do crowdfunding no Brasil: hoje há mais arrecadação e menos plataformas

- 21 de agosto de 2015
Tela de abertura do O cidade para pessoas, projeto de Natalia Garcia, mantido por crowdfunding, que investiga novas possibilidades para as cidades.
Tela de abertura do O cidade para pessoas, projeto de Natalia Garcia, mantido por crowdfunding, que investiga novas possibilidades para as cidades.

Após quase cinco anos do lançamento das primeiras plataformas no país, o cenário do crowdfunding brasileiro está alcançando alguma estabilidade. Das cerca de 80 plataformas que já testaram o modelo por aqui, hoje sobraram pelo menos 24 com campanhas ativas. Apesar da diminuição do número total de iniciativas, boa parte das que ficaram de pé relatam crescimento em projetos inscritos e arrecadação, apontando para a seleção natural e consolidação do setor.

O termo crowdfunding vem do inglês e significa financiamento pela multidão. A prática, que é uma evolução da boa e velha vaquinha, agora mediada pelas ferramentas digitais, começou a tomar forma em 2005 e ganhou escala a partir de 2009, com o lançamento do Kickstarter nos EUA. No Brasil, fincou raízes em 2011, ano em que tivemos uma safra de plataformas pioneiras: Catarse, Queremos!, Benfeitoria e Sibite, sem falar do Vakinha.com.br, que já existia mas ainda não se entendia como crowdfunding.

Por aqui, o crowdfunding apareceu como uma possibilidade fresca para financiamento independente: de repente, grupos de ativistas e outros diletantes da cultura digital conseguiriam levantar dinheiro não vinculado a empresas ou ao Estado, sem rabo preso com interesses alheios, e assim parecia que seus sonhos se tornariam realidade. O Catarse, a primeira plataforma do país, apareceu propondo este tipo de financiamento cultural e como consequência as primeiras levas de projetos bem sucedidos na plataforma envolvem maluquices como a compra do Ônibus Hacker, que até hoje leva nerds maravilhosos para viajar e interveir pelo interior do América do Sul, e o lançamento do Cidades para Pessoas, projeto que tomou corpo ali e segue de pé, utilizando o jornalismo para redesenhar nossas cidades.

O ônibus hacker, viabilizado por crowdfunding, deu mobilidade às ações de hackerismo cívico que seus membros já praticavam.

O ônibus hacker, viabilizado por crowdfunding, deu mobilidade às ações de hackerismo cívico que seus membros já praticavam.

Um segundo movimento envolve o financimento de obras culturais autorais, principalmente música e quadrinhos. Viktor Chagas, pesquisador do Departamento de Estudos Culturais e Mídias da Universidade Federal Fluminense, avalia que o crowdfunding brasileiro tem se especializado em um gênero de microfinanciamentos, ocupando uma lacuna importante no mercado cultural nacional: “A Lei Roaunet (mecanismo federal de arrecadação para projetos culturais) foi um avanço importante, mas seu resultado se mostrou desanimador para os produtores culturais independentes, que atuam em uma faixa de orçamento média ou baixa, em setores produtivos que rendem pouca contrapartida às empresas patrocinadoras”.

Ele entende que é desta demanda que parte uma quantidade expressiva de curtas-metragens, projetos de histórias em quadrinhos, jogos e outros nichos que não encontram escoamento nos mecanismos tradicionais de apoio à cultura:

“O mercado de quadrinhos é um caso interessante no qual o crowdfunding foi fundamental nos últimos anos. Mudanças na diversidade da produção nacional puderam ser sentidas em pouco tempo”

Outra expressão de crowdfunding que está crescendo no país é a doação direta, ou seja, as campanhas sem expectativa de retorno em produtos ou facilidades ao doador. Diversos sites dedicam-se exclusivamente a este tipo de financiamento, que vai desde a compra de uniformes para a creche Pequeno Rebento, como faz o juntos.com.vc, até o financiamento de cirurgias e outras operações de saúde, praticado pelo CaridadeX. O Bicharia é semelhante, mas especializado em doações para animais.

UM CROWDFUNDING À BRASILEIRA

O cenário brasileiro, porém, é contrário à direção praticada no restante do mundo, onde a boa parte das campanhas são destinadas à pré venda, com empresas buscando financiamento para o desenvolvimento de novos produtos. Os interessados adquirem o tal produto a um preço menor do que será praticado no mercado final, financiando sua criação e o desenvolvimento da própria empresa. Não raro, porém, estas iniciativas falham e os apoiadores se veem sem o produto em mãos. Parte do risco do investidor.

Por outro lado, gadgets, jogos e outras invenções que acertam em cheio a cultura pop recebem um financiamento muitas vezes superior ao que pediram. O maior sucesso da história é o jogo Star Citzen, que pediu 500 000 dólares e já recebeu 87 milhões, 174 vezes mais do que a proposta inicial. Ele é baseado no popular Wing Commander, um clássico dos anos 90 envolvendo uma guerra alienígena e naves espaciais, que foi descontinuado pela empresa que o criou. Os fãs seguiram fiéis e tornaram o Star Citzen milionário.

Star citzen foi a maior campanha de crowdfunding da história, arrecadando 87 milhões de dólares.

O desenvolvimento do jogo Star Citzen foi a maior campanha de crowdfunding da história, arrecadando 87 milhões de dólares.

No Brasil, porém, ainda são raros os projetos de tecnologia. Além disso, a defasagem em volume financeiro entre o mercado brasileiro e o mundial é enorme. Em 2011, ano em que as primeiras plaformas foram lançadas no país, um total de 434 plataformas já movimentavam 1,5 bilhão de dólares mundialmente. A Massolution, empresa dos EUA que pesquisa e presta consultoria para o setor, publicou recentemente o trabalho 2015CF – Crowdfunding Industry Report, trabalho que coletou dados de 1 250 plataformas ativas por todo mundo para chegar a uma estimativa de 34,4 bilhões de dólares movimentados em 2015 .

A pesquisa desenha um setor baseado em quatro modelos: recompensas, doações, equity e empréstimos. O maior deles, disparado, é o crowddebt, os empréstimos coletivos, onde o proponente anuncia sua necessidade de empréstimo e os financiadores recebem os juros, praticando uma transação com taxas muito mais interessantes do que aquelas propostas pelos bancos. Este modelo deve movimentar 25 bilhões de dólares este ano.

A prática, que cumpre seu potencial disruptivo em outros países, é impossível no Brasil, pois as regras de nosso Banco Central dificultam o empréstimo entre duas pessoas físicas, não permitindo o modelo do crowsddebt. Mas há um gancho que merece ser melhor investigado: em abril de 2010, antes do Catarse, portanto, surgiu no Brasil o Fairplace, plataforma que propunha o crowddebt e por esse impedimento legal foi forçada a fechar as portas no ano seguinte. Perdemos aí a primeira plataforma brasileira de crowdfunding e um precedente valoroso que teria transformado o setor brasileiro.

Mesmo com essa ressalva, as plataformas mundiais devem movimentar 9,4 bilhões de dólares entre equity, doaçãos e recompensas, número ainda distante da realidade brasileira. O Catarse, a maior plataforma nacional, movimentou 32 milhões de reais em seus quatro anos e meio de atividade, ou 0,1% do que será movimentado no mundo todo apenas este ano, segundo a cotação atual de 3,50 reais por dólar. O Sibite está criando agora a primeira experiência de Crowdequity no país, então daqui a um ou dois anos voltamos para escrever a respeito dessa iniciativa.

diego reeberg, fundador do catarse, assina seu cartão como Malabarista Organizacional

Diego Reeberg, fundador do Catarse, assina seu cartão como Malabarista Organizacional.

Quase não há estudos abrangentes sobre o setor brasileiro. Para a realização desta matéria, duas pesquisas foram avaliadas: um levantamento realizado em 2013 por Ariel Tomaspolski, um dos fundadores da juntos.com.vc; e a sistematização realizada pelo microblobg mapadocrowdfunding.tumblr.com, ferramenta digital onde qualquer um pode inscrever uma plataforma. A primeira pesquisa levantou 64 iniciativas, sendo que destas apenas 38 estavam com campanhas ativas em 2013. A segunda contabiliza 72 plataformas, mas apenas 24 estão com campanhas ativas hoje, apontando a concentração que o setor atravessou até chegar ao momento atual.

A economista e consultora Julia Taunay aponta que é a concentração em um setor é parte de seu desenvolvimento natural. Na indústria clássica, esse processo se dá principalmente por meio de fusões e aquisições, mas isso nunca aconteceu no crowdfunding brasileiro: “A internet é caracterizada pela euforia, ondas de inovação que transformam tudo. Mas não basta uma boa ideia para fazer sua empresa virar, é preciso ter a capacidade de gerir um negócio. Talvez a pergunta mais interessante seja o que fizeram as plataformas que sobreviveram e estão lucrando hoje”.

Diego Reeberg, um dos fundadores do Catarse, entende que modelo de negócios aplicado no Brasil pela maioria das plataformas necessita de escala. Ele, que assina seu email com o cargo de Malabarista Organizacional, diz:

“Muita gente tentou criar plataformas de nicho e viu que é inviável operar sem um retorno razoável. Algumas têm fontes de financiamento externo e não exigem da plataforma sua subsistência, mas quem não tem precisa crescer rápido para se segurar”

Diego também entende que ainda há muito espaço para crescimento e por isso está botando sua empresa na estrada para difundir a prática pelo país.

Conseguimos falar com 8 das 24 plataformas em atividade hoje no Brasil. Dentre elas, quatro superaram a casa de um milhão de arrecadação: Benfeitoria, Catarse, Juntos.com.vc e Sibite. Em comum, todas estão no ar desde 2011 ou 2012 e apresentam um foco mais generalista, cobrindo uma ampla gama de projetos, principalmente na área da cultura. De anos mais recentes vêm as plataformas setoriais, mais focadas, como a Socialbeers, que financia cervejas artesanais, ou a Bookstart, que faz toda a campanha ao redor do lançamento de um livro. Existe também a Mobilize, uma plataforma de crowdfunding dentro do Facebook. Além delas, existe e está de pé a plataforma Vasco Dívida Zero, que pretende pagar a dívida de mais de 94 milhões de reais do clube carioca. O número é alto, mas a plataforma já arrecadou 1,088 milhão. Boa sorte aos vascaínos.

Abaixo, seguem as fichas detalhadas das 8 plataformas. Esta pesquisa, porém, não está encerrada. É possível que existam mais plataformas em atividade. Caso você queira complementar esta reportagem com informações sobre alguma plataforma listada ou conheça uma outra plataforma em atividade não mencionada aqui, escreva para contato@projetodraft.com.

Em ordem alfabética, as fichas:

Screen Shot 2015-08-21 at 10.52.56 AM

Lançamento: abril de 2011 (Benfeitoria); setembro de 2014 (Recorrente).
Que tipo de projetos recebe: Os que contribuam para uma cultura mais realizadora, humana, criativa e colaborativa.
Modelo de participação: Crowdfunding tradicional, com um prazo de campanha de 1 a 90 dias, recompensas e a dinâmica do tudo ou nada. Não cobra comissão obrigatória, mas convida os projetos bem sucedidos a direcionar à Benfeitoria a porcentagem que quiserem, se quiserem, como retribuição ao serviço prestado. O Recorrente, que é a primeira plataforma de financiamento contínuo do país, não tem prazo de campanha definido, trabalha com recompensas e cobra comissão de 5%.
Diferencial: Plataforma gratuita, com atendimento personalizado para cada projeto e material de auxílio para planejamento e execução de campanhas por meio da UFC – Universidade do Financiamento Coletivo, que por enquanto possui duas vídeo aulas publicadas. Além disso, utiliza a própria ferramenta de financiamento recorrente para financiar suas atividades. Já estão arrecadando mais de 5 mil reais por mês desta forma.
Projetos publicados: 570 na Benfeitoria; 30 no Recorrente.
Campanhas bem sucedidas: 410 na Benfeitoria; no Recorrente o trabalho é contínuo.
Quanto já movimentou: R$ 5,5 milhões
Número de apoiadores: 40 000
Balanço de caixa até aqui: Todo lucro é reinvestido na própria empresa.
Próximos passos: Vão unir as duas ferramentas de financiamento num mesmo site. Além disso, iniciaram uma rede de caçadores de impacto, pessoas dispostas a encontrar projetos que podem se beneficiar da dinâmica do financiamento coletivo. Já estão na terceira turma e expandindo.

 

Screen Shot 2015-08-21 at 10.54.02 AM

Lançamento: outubro de 2012
Que tipo de projetos recebe:
Apenas os que envolvem a causa animal
Modelo de participação: Recebem 10% do valor dos projetos. Os projetos precisam atingir 50% da meta para serem aprovados.
Diferencial: O foco na causa, tornando a plataforma especialmente atraente para quem deseja publicar ou ajudar um projeto sobre animais.
Projetos publicados na plataforma: 250
Campanhas bem sucedidas: 200
Quanto já movimentou: R$ 650 mil
Número de apoiadores: 15 000
Balanço de caixa até aqui: Nunca teve prejuízo.
Próximos passos: Investem na aproximação de ONGs e outros protetores de peso da causa animal. Buscam formas de aproximar empresas aos projetos e outras fontes de rentabilidade.

 

Screen Shot 2015-08-21 at 10.55.19 AM

Lançamento: agosto/2014.
Que tipo de projetos recebe:
Começaram focados em literatura, agora estão abrindo o leque para cultura, entretenimento e esporte, mas sempre com o livro como centro do projeto.
Modelo de participação: Se for um projeto somente de publicação do livro, a campanha é tudo ou nada. Se for evento, torna-se uma campanha flexível: se não esgotar o crowdfunding, entra com a venda na porta. Pode funcionar como plataforma meio, ficando com 15% da arrecadação, ou pode funcionar como plataforma executiva, prestando serviços de editoração, marketing e vendas e ficando com 35% do valor total arrecadado.
Diferencial: Estão inseridos no mercado editorial e dentro dele ajudam a organizar o projeto, da concepção até a finalização, inclusive a logística de envio dos livros e recompensas para o país.
Projetos publicados na plataforma: 35
Campanhas bem sucedidas: 25
Quanto já movimentou: Não informado.
Número de apoiadores: 10 000
Balanço de caixa até aqui: break even.
Próximos passos: Buscam investimento para ampliar a equipe, com ênfase ao departamento de marketing. Entendem que no Brasil o crowdfunding, como os livros, ainda é focado em pessoas físicas. Querem atrair mais pessoas jurídicas para o meio, atrelando marcas como apoiadores e parceiros diretos. Pretendem incluir a literatura em mercados de massa, como entretenimento e esportes, fazendo uso do B2B.

 

Screen Shot 2015-08-21 at 10.59.18 AM

Lançamento: janeiro de 2011
Que tipo de projetos recebe:
Projetos criativos que tenham começo, meio e fim.
Modelo de participação: Tudo ou nada com recompensas obrigatórias. A taxa cobrada é de 13%.
Diferencial: É a primeira plataforma do país. Isso, somado à ferramenta sólida, garantiu uma grande porcentagem do setor para o Catarse e uma comunidade atuante ao redor da plataforma. Enxerga o financiamento coletivo como parte de um movimento de empoderamento e independência, não como modelo de negócio.
Projetos publicados na plataforma: 3 700
Campanhas bem sucedidas: 1 857
Quanto já movimentou: R$ 32 milhões
Número de apoiadores: 221 550
Balanço de caixa até aqui:
Próximos passos: Estão preparando o Catarse na Estrada, uma série de oficinas itinerantes para levar a cultura do financiamento coletivo para o interior do Brasil.

 

Screen Shot 2015-08-21 at 11.00.51 AM

Lançamento: maio de 2012
Que tipo de projetos recebe:
Exclusivamente projetos sociais.
Modelo de participação:
0% de taxa, cobra apenas os custos das transferências eletrônicas. Exclusivamente campanhas tudo ou nada e com recompensas.
Diferencial:
Especializada em terceiro setor, oferece consultoria gratuita e financia parte da campanha de marketing via Google Adwords.
Projetos publicados na plataforma:
200
Campanhas bem sucedidas:
150
Quanto já movimentou:
R$ 3,3 milhões
Número de apoiadores:
15 000
Balanço de caixa até aqui:
É uma instituição sem fins lucrativos.
Próximos passos:
Ampliar parcerias com empresas e trabalhar diretamente com departamentos de responsabilidade social. Expandir a equipe para mais cidades e estados do Brasil.

 

Screen Shot 2015-08-21 at 11.03.32 AM

Lançamento: setembro de 2011
Que tipo de projetos recebe: Nasceu com projetos de cultura, hoje recebe qualquer um que não tenha sido financiado por vias tradicionais
Modelo de participação: Possui três modelos: Crowdfunding tradicional — no qual fica com 12% da arrecadação; Crossfunding — no qual o projeto recebe apoio de marketing, comunicação e execução para buscar incentivo fiscal e patrocínio direto, deixando entre 17 e 23% com o Sibite; Campanha Pessoal — no qual recebe projetos de filantropia e cobra 0%. Estão pesquisando um quarto modelo, o Crowdequity, no qual investidores terão direito a uma porcentagem dos lucros do negócio, tornando-se sócios.
Diferencial: A flexibilidade do Sibite é enorme, os projetos podem ser tudo ou nada ou não, podem ter recompensas ou não, de acordo com a especificidade de cada um. Além disso, funcionam como uma agência publicitária, oferecendo toda a cadeia de serviços da publicidade para boas ideias atrás de financiamento coletivo.
Projetos publicados na plataforma
: 165
Campanhas bem sucedidas: 130
Quanto já movimentou: R$ 3,8 milhões
Número de apoiadores: 20 000
Balanço de caixa até aqui: Não contabiliza lucro ou prejuízo porque está sendo acelerado.
Próximos passos: Entre em contato direto com o Sibite para saber.

 

Screen Shot 2015-08-21 at 11.06.08 AM

Lançamento: fevereiro de 2014
Que tipo de projetos recebe:
Fabricação de cerveja, normalmente projetos de 2 000 litros.
Modelo de participação: Tudo ou nada. A margem varia de 13% a 26%, dependendo de quanta assessoria executiva a Socialbeer vai colocar.
Diferencial: Estão formando um público de nicho ao redor da cerveja. Além disso, os dois sócios são mestres cervejeiros com conhecimento de mercado e técnico, além do encaminhamento burocrático necessário para registro e comercialização do produto. Produzem cervejas especiais para clientes fora do crowdfunding também.
Projetos publicados na plataforma: 13
Campanhas bem sucedidas: 12
Quanto já movimentou: R$ 850 mil
Número de apoiadores: 6 000
Balanço de caixa até aqui: Não divulgado.
Próximos passos: Extensão física do socialbeer, uma loja onde se possa beber e apoiar as cervejas fabricadas via site, além de contar com rótulos exclusivos. Também pretendem investir em melhoria nos processos logísticos.

 

Screen Shot 2015-08-21 at 11.07.58 AM

Lançamento: setembro de 2012.
Que tipo de projetos recebe:
Projetos culturais.
Modelo de participação: Campanhas de 25 a 40 dias, tudo ou nada com recompensa. A plataforma fica com 11% da campanha.
Diferencial: É uma plataforma de realização cultural que, além do financiamento, também presta serviços de produção e comunicação. Oferece os três serviços de forma separada, de acordo com a demanda de cada projeto.
Projetos publicados na plataforma: 49
Campanhas bem sucedidas: 38
Quanto já movimentou: R$ 374.981
Número de apoiadores: 4 575
Balanço de caixa até aqui: Ligeiramente positivo.
Próximos passos: Planeja encontros com realizadores culturais de Minas Gerais e outros estados para discutir as possibilidades do financiamento coletivo em setores culturais ainda pouco presentes em sua plataforma. Pretende também começar a explorar o financiamento via isenção fiscal de projetos que estejam aprovados em leis de incentivo.

 

eco

Lançamento: abril/2014
Que tipo de projetos recebe: Projetos empreendedores, criativos, inovadores, sustentáveis, artísticos e/ou do bem, priorizando a transformação social, ambiental e o bem viver.
Modelo de participação: Crowdfunding tradicional, campanha de até 60 dias. Permite campanhas tudo ou nada ou meta flexível. Cobra taxa de 13% se a campanha atingir ou superar a meta.
Diferencial: Oferece consultoria para auxiliar os idealizadores dos projetos e conta com o apoio do portal de conteúdo Eco Rede Social para divulgar os projetos, que podem utilizar recompensas produzidas pelos parceiros do Eco do Bem, que são instituições e ONGs que fazem a diferença no mundo.
Projetos publicados: 64
Campanhas bem sucedidas: 40
Quanto já movimentou: R$ 340.000
Número de apoiadores: 2500
Balanço de caixa até aqui: em busca de break even.
Próximos passos: parcerias com aceleradoras e aproximação do ecossistema empreendedor, oferecendo o crowdfunding como uma forma de engajar e levantar recursos iniciais para startups.

 

As demais plataformas em atividade no país hoje são:

CaridadeX
Doare
Eco do Bem
Embolacha
Eu patrocino
Idea.me
Kickante
Make a champ
Mootiro
O Pote
Padrim
Partio
Queremos
Startando
Traga seu show
Unlock
Vakinha
Vasco Dívida Zero

(post atualizado em 27/setembro/16 para inclusão da Mobilize, plataforma de crowdfunding dentro do Facebook. Atualizado novamente em 6/maio/16 para a inclusão da Eco do Bem. Atualizado novamente em 18/outubro/16 para a inclusão da Padrim.)

 

Veja também:

“Por que criei a Revista Azmina. E por que quero que ela não precise mais existir”

- 5 de maio de 2017
Na foto, a equipe de jornalistas e colunistas da Revista Azmina (Nana é a segunda da fileira da frente).

Lembra da Fruta Imperfeita? Eles sofreram depois de estourar na internet

- 12 de abril de 2017
Nathalia e Roberto contam o que aprenderam com os erros e a crise por "excesso de sucesso" do negócio que criaram.

Com uma cafeteira portátil, a Aram encara o desafio de escalar um produto artesanal

- 14 de dezembro de 2016
Maycon Aram e Juca Esmanhoto, sócios na cafeteira Aram desde o início do projeto.qMaycon Aram e Juca Esmanhoto, sócios na cafeteira Aram desde o início do projeto