A T-Mutts vende mensagens de amor aos cachorros – e quem ganha são os vira-latas

- 12 de junho de 2017
"É legal porque quanto mais eu tiver lucro, mais vou ajudar", diz Ana Luísa Schmitt, da marca de camisetas comprometida com cães abandonados.
"É legal porque quanto mais eu tiver lucro, mais vou ajudar", diz Ana Luísa Schmitt, da marca de camisetas comprometida com cães abandonados.

A primeira vez que a gaúcha Ana Luísa Schmitt, 30, se sentiu envolvida e se aproximou da causa animal foi quando tinha mais ou menos 12 anos. Moradora de Porto Alegre, habituada a frequentar a fazenda do avô, sempre teve contato e apego por bichos. Mas foi só quando um vira-lata amarelo apareceu no estacionamento do prédio em que ela morava que sentiu um ímpeto de ajudá-lo. Seus pais não queriam cachorro em casa (anos depois, conseguiu convencê-los a adotar dois labradores). Com a ajuda da mãe, Ana Luísa convocou uma reunião no prédio para permitir que o cachorro ficasse por ali até que fosse encontrado um lar definitivo para ele. O Amigo, como foi chamado mais tarde, seria enfim adotado pelo tio de Ana Luísa.

Quase duas décadas depois, já formada em Relações Públicas e radicada em Florianópolis, Ana Luísa transformou aquele “ímpeto” em negócio ao se tornar proprietária da T-Mutts, uma marca de camisetas “para cachorreiros” que tem parte da renda revertida para ajudar animais abandonados. Ela conta como se aproximou profissionalmente do tema:

“Sempre quis trabalhar com animais. Comecei me envolvendo com um site para ser babá temporária de cães. Só anos depois é que fui empreender”

Ana trabalhava na área de Recursos Humanos de um restaurante quando começou a cuidar dos pets. Em março deste ano, portanto há poucos meses, é que ela entrou na T-Mutts — que já existia. A T-Mutts foi criada pela turismóloga Luísa Rossi, amiga de Ana Luísa. As duas se conheceram por intermédio de amigos e perceberam os interesses comuns. Luísa coordenava o grupo informal Guaipecando (que, em gauchês, significa algo como “vira-latando”), com o qual organizava eventos para arrecadar doações de ração para os cachorros. “Eu vivia mendigando ajuda para os bichos”, conta ela, rindo.

COMO CONSEGUIR GRANA? VENDENDO ALGO BONITO

O estalo para perceber que poderia haver um caminho mais eficiente para conseguir recursos aconteceu meio sem querer: ao fazer um curso de Criação na Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM) e contar sua história de engajamento com a causa, teve a ideia de criar uma empresa que a possibilitasse ganhar dinheiro e, ao mesmo tempo, apoiar os animais. “Em minhas pesquisas, não encontrei nada dedicado aos cachorros, as camisetas das ONGs eram muito feias, dessas que viravam pijama”, diz.

O moletinho (moletom mais leve) da T-Mutts sai por 94,90 reais.

O moletinho (moletom mais leve) da T-Mutts sai por 94,90 reais.

Surgiu o plano: criar uma marca com temática canina, mas que tivesse cortes diferentes e estampas bem desenhadas, no melhor estilo T-shirt descolada. Vem daí, aliás, o nome. Mutt significa vira-lata em inglês. Nesta fase, ela investiu 15 mil reais na empresa, de recursos próprios.

Nas camisetas, frases divertidas, como “crazy dog lady” ou “oh my dog” (“a louca dos cachorros” e “oh meu cachorro”, esta um trocadilho com God, Deus em inglês) ou imagens de cachorros estilizadas. Os preços variam de 54,90 a 69,90 reais.

Luísa considera o nome e os preços importantes para mostrar como o conceito da marca foi pensado: “Eu queria ‘elitizar’ um pouco as camisetas, não queria ser óbvia. Identidade é importante e a gente precisava da imagem de algo forte”.

A ideia, diz, era se distanciar da imagem “de camiseta de ONG”. A partir daí, foram dois anos construindo o público e aprendendo a gerenciar um negócio. Luísa, que nunca havia sido empresária, viu-se planejando a venda de peças sem sequer saber exatamente para quem. É quando se cometem erros. No começo, por exemplo, ela fez mais de 500 camisetas de uma só vez. Com o passar do tempo, porém, percebeu que as pessoas davam mais valor às novidades e que o ideal era lançar menos peças com maior frequência, fazer micro coleções. “Não sobram camisetas para contar história, mas ter variedade com certeza atrai mais os clientes”, afirma ela.

Depois de dois anos à frente da operação, porém, uma oferta de emprego irrecusável, em plena recessão econômica, fez Luísa mudar os planos. Sem ter mais tempo para se dedicar à marca como deveria para fazer o negócio prosperar, ela decidiu vendê-la. Para quem? Para a amiga Ana Luísa. “Fico feliz porque ela é apoiadora da causa, não sei se teria conseguido vender para outra pessoa”, diz a fundadora da T-Mutts.

No comando da marca há poucos meses, Ana Luísa agora precisa se adaptar à nova rotina como empresária. “Controlar a produção é um grande desafio, além de prever o quanto vou vender e colocar muito dinheiro sem saber exatamente o retorno que vou ter”, conta a nova CEO, digamos. A marca tem apenas um funcionário, uma designer, e terceiriza a produção com parceiros que atuam de forma socialmente responsável.

Direto e reto: feito com sobras de tecido, o Nozinho do bem custa 12,90 reais e 100% disso é repassado a instituições que cuidam de cachorros abandonados.

Direto e reto: feito com sobras de tecido das camisetas T-Mutts, o “Nózinho do bem” custa 12,90 reais e 100% disso é repassado a instituições que cuidam de cachorros abandonados.

Por enquanto, as peças continuam sendo produzidas no Rio Grande do Sul, e um dos objetivos de Ana Luísa é encontrar um fornecedor em Florianópolis. Ela afirma que o objetivo é lançar cerca de 130 camisetas — com cinco estampas diferentes — a cada seis meses. Além do carro chefe da marca, a T-Mutts também comercializa outras peças com a mesma temática: alpargatas (89,90 reais) e canecas (26,90 reais). Junto com as T-shirts, compõem um estoque de cerca de 250 produtos. Atualmente, a marca fatura em média 3.500 reais em vendas.

COMO AJUDAR SUA CAUSA MESMO NA CRISE

Desde que foi criada, em 2013, a T-Mutts doou mais de 1000 kg de ração para protetores independentes e ONGs que cuidam de animais abandonados, custeou cinco castrações e distribuiu 500 reais para essas instituições.

A caneca T-Mutts sai 26,90 reais.

A caneca T-Mutts sai 26,90 reais.

No início, a ideia da marca era reverter 10% do lucro para a causa, mas Luísa conta que a crise econômica exigiu uma adaptação neste compromisso e, não sem alguma frustração pessoal, no ano passado a T-Mutts deixou de doar os 10%.

Em vez disso, a empreendedora usou as sobras de tecidos das camisetas para criar um novo produto, o “nózinho do bem” (um brinquedo para cachorros e gatos, vendido a 12,90 e 20 reais) e que tem 100% do valor revertido para ajudar os bichos.

Poucos meses após a criação, ela já havia conseguido mais de 200 reais só com os nózinhos. E, para não enfraquecer o compromisso de dedicar parte do lucro para a causa animal, o e-commerce de T-Mutts disponibiliza códigos específicos que, ao serem ativados, disponibilizam 5% do valor da compra para seis ONGs, a maioria delas no Rio Grande do Sul. Luísa fala que as doações são, claro, super importantes. Mas ela vê também outro papel sendo exercido pelo negócio que criou:

“Percebi que a gente cumpre também um papel social de conscientizar, por exemplo, que adotar cães é lindo e não faz sentido comprá-los”

Por sua vez, nos poucos meses à frente da T-Mutts, a atual CEO aprendeu um bocado sobre o modo de fazer negócios no mundo da internet. “Não posso deixar de publicar todos os dias no Facebook e no Instagram, e é deste último que vem o maior retorno”, diz Ana Luísa. Além do e-commerce, ela também organiza bazares e eventos para divulgar a marca e, sempre, arrecadar fundos para os cães com o valor cobrado de ingresso.

Mas ainda falta aprender a se desligar um pouco do trabalho. Na definição da própria, ela “trabalha com parte do lazer dos outros” e às vezes falta tempo para relaxar e aproveitar seus próprios cachorros: Lorenzo, um vira-lata com um quê de salsicha herdado da sogra; Willy, adotado para fazer companhia a Lorenzo; e Flora, uma vira-lata de porte médio que apareceu no portão e foi ficando. Por enquanto, porém, Ana Luísa tem objetivos claros. “Espero fazer a marca crescer, porque quanto mais tiver lucros, mais vou conseguir ajudar”, diz. E viva o viralatismo.

DRAFT CARD

Draft Card Logo
  • Projeto: T-Mutts
  • O que faz: E-commerce de camisetas e objetos com temática pró-vira-latas
  • Sócio(s): Ana Luísa Schmitt
  • Funcionários: 2 (incluindo Ana Luísa)
  • Sede: Florianópolis
  • Início das atividades: 2013
  • Investimento inicial: R$ 15.000,00
  • Faturamento: R$ 3.500,00 mensais
  • Contato: falecom@t-mutts.com.br
Veja também:

Contra fraudes online, a Konduto olha para o comportamento humano

- 18 de julho de 2017
Parte da equipe da Konduto, que se especializou em análise de fraudes em e-commerce.

O case Tucum Brasil: renda para as etnias e a arte indígena valorizada e vendida mundo afora

- 10 de julho de 2017
A modelo Ngrejkampyre Kayapó com colar da Tucum, a marca que tem loja fixa no Rio e parceiros ao redor do mundo para vender arte indígena e reverter a renda para as comunidades produtoras (foto: Paulo Velozo/Associação Floresta Protegida).

Teçume, ou como criar um negócio em que ribeirinhas na Amazônia vendem artigos para o mundo fashion

- 3 de julho de 2017
Quem faz a Teçume (da esq. p/ a dir.): Maria Rita dos Santos, Maria da Paz, Valda Días, Adriele Prado, Marilene Guimarães, Nilvaneide Regis, Adite Paixão, Cleia Costa, Marcineide Ferreira e Monica Guimarães.

Verbete Draft: o que é Cashback

- 21 de junho de 2017
751 10 0
Não se trata de milhas: Cashback é um sistema usado nas compras online que devolve parte do valor gasto para o cliente. Parece que não, mas ele faz as vendas aumentarem. Entenda o potencial.