A Women’s Music Event foi criada para reforçar o papel da mulher na música

- 3 de fevereiro de 2017
wme

Nome:
Women’s Music Event.

O que faz:
A plataforma foi criada para aumentar o protagonismo da mulher na indústria da música, por meio de conteúdo, eventos e projetos em parceria com marcas.

Que problema resolve:
A empresa tem o objetivo de abrir campo para mulheres na indústria da música, segundo as fundadoras.

O que a torna especial:
De acordo com as sócias, que têm experiência em discussões sobre o papel da mulher na música, a iniciativa é inédita no Brasil e fortalece a colaboração entre mulheres que já atuam no mercado, além de encorajar aspirantes a entrarem na indústria.

Modelo de negócio:
As sócias buscam apoio de empresas em forma de patrocínio de ações e conteúdos, para que a receita venha de projetos pontuais. Há uma série de ações planejadas para este ano, como: conferências, duas noites de festas, participações em eventos, curadoria para festivais e lançamento de webséries.

Fundação:
Outubro de 2016.

Sócias:
Monique Dardenne – Sócia-fundadora e diretora geral
Claudia Assef – Sócia-fundadora e diretora geral

Perfil dos fundadores:

Monique Dardenne – 32 anos, São Paulo (SP) – formada em Direito pela Universidade Paulista. É advogada e manager de artistas há 15 anos, foi também Label Manager da Plataforma Skol Music e diretora da webtv inglesa Boiler Room no Brasil, além de fundadora da MD/Agency.

Claudia Assef – 42 anos, São Paulo (SP) – formada em Jornalismo pela FIAM. É jornalista, escritora e DJ, além de publisher do site Music Non Stop e autora do livro “Todo DJ Já Sambou”.

Como surgiu:
As sócias contam que já participaram de vários painéis sobre o papel da mulher na música em eventos. Nestes encontros, elas sempre conversavam com profissionais gabaritadas da música, mas que não eram reconhecidas por seus trabalhos. “Pensamos em criar uma conferência da indústria da música sob a perspectiva feminina, através do olhar das mulheres do mercado”, diz Claudia.

Estágio atual:
A startup opera de escritório em São Paulo. A casa conta com espaço para realização de eventos como mesas de debate, happy hours e pequenos shows.

Aceleração:
Ainda não buscam.

Investimento recebido:
As sócios investiram recursos próprios, mas o valor não foi informado.

Necessidade de investimento:
Ainda não há um valor definido.

Mercado e concorrentes:
“O mercado está repleto de empresas que visam se aproximar do universo feminino, então já entendemos que representamos algo que vai ao encontro do novo discurso da maiorias das marcas voltadas para as mulheres”, diz Monique. As sócias dizem que não há outra empresa atualmente com esse perfil no Brasil.

Maiores desafios:
“Conseguir tempo para administrar tanto trabalho sem descuidar da família”, segundo Claudia.

Faturamento:
Ainda não fatura.

Previsão de break-even:
Não há.

Visão de futuro:
“Queremos mudar a mentalidade da indústria da música, causar um real impacto social e ajudar a romper com preconceitos”, dizem as sócias.

Onde encontrar:
Site
Contato

 

Você tem uma startup que já é mais do que um sonho mas ainda não é uma empresa totalmente estabelecida? Escreva para a gente. Queremos conhecê-lo. E, quem sabe, publicar um perfil da sua iniciativa aqui na seção Acelerados. Esse espaço é feito para que empreendedores como você encontrem investidores. E para que gente disposta a investir em novos negócios encontrem grandes projetos como o seu.

Mas, se você tem uma ideia e ainda não sabe como estruturá-la em uma estratégia de negócios, escreva para mentoria@projetodraft.com e conheça nosso novo serviço de Mentoria.

Veja também:

“A corrupção vai acabar muito mais rápido do que a maioria de brasileiros pensa. É preciso ter fé”

- 3 de agosto de 2017
Para Peter Kronstrøm, as "ovelhas negras" devem assumir a liderança para que as empresas se mantenham relevantes no futuro.

Como é fazer a Wake: uma festa de manhã, sem álcool, beneficente e que quer “acordar” quem participa

- 19 de junho de 2017
Lourenço Bustani, criador da consultoria Mandalah e da festa Wake, conta que ambas têm o propósito de "ampliar a consciência", mas com ferramentas diferentes.

“Nada é mais nocivo que o preconceito que a gente não vê, que está no dia a dia, nas pequenas coisas”

- 15 de junho de 2017
Luciana Sato conta como achava que tudo ia bem na sua vida até perceber como o machismo e o preconceito são inconscientes, cruéis. Começou, então, a se mexer, se reencontrar, se reconectar.

A Conspiração Libertina mostra como é possível ganhar dinheiro com bom humor e ativismo

- 24 de maio de 2017
Luciana e Gabi, no último Carnaval, com adesivos da Conspiração Libertina: bom humor e ativismo em qualquer superfície.