Apaixonada por turismo, ela transformou seu hobby em um negócio promissor!

- 9 de junho de 2016
Ana Maria Junqueira, da Magari Blu, no Grand Canyon: dicas e roteiros personalizados
Ana Maria Junqueira, da Magari Blu, no Grand Canyon: dicas e roteiros personalizados

 

Quem gosta de viajar costuma economizar bastante para poder conhecer novos lugares. A advogada Ana Maria Junqueira, uma apaixonada por viagens, conseguiu fazer o caminho inverso: ao invés de gastar, ela ganha dinheiro através do turismo. Como? Você confere aqui!

Como você transformou seu hobby por turismo em uma forma de ganhar dinheiro?

​Eu havia me formado em direito há 6 anos, estava há 5 em um dos maiores escritórios de advocacia da América Latina, quando resolvi, em 2011, mudar para Roma para fazer  mestrado em Direito Privado Europeu na Universidade de Roma La Sapienza por um ano. Sempre escrevi bastante, desde criança, e durante este período decidi lançar um blog para compartilhar crônicas da vida na Itália e dicas de viagens e gastronomia. Assim surgiu o blog Magari Blu.

Mas tratava-se de um hobby ou uma empresa?

O blog foi lançado despretensiosamente, eu não tinha a menor ideia que tomaria a proporção que tomou. Era um passatempo. Mas aos poucos foi se tornando relevante e vi aí uma oportunidade de arriscar e fazer algo que me apaixonasse, além de me tornar dona do meu próprio negócio. Depois de cerca de 1 ano de existência, fiz um investimento para criar identidade visual, comprar domínio, contratar programador, etc. Sempre gerei conteúdo para o blog, além de atuar como freelancer ou convidada para outros veículos. Depois de anos respondendo e-mails e mensagens sobre como organizar roteiros de viagem, sugerir destinos, passeios, restaurantes para cada leitor, para cada amigo, decidi arriscar e lançar a agência também. Mas o conteúdo de viagem no blog não deixará de existir jamais, em paralelo à agência.

Como foi este processo de transição e profissionalização?

​Não foi nada fácil tomar a decisão de mudar de carreira e deixar a advocacia, pois estava crescendo no escritório. Para trocar o certo pelo duvidoso precisei tomar muita coragem. Só larguei meu emprego depois que tive certeza de que este era o meu caminho e havia elaborado um bom planejamento. O blog já existia há 2 anos na época e estava crescendo. Depois de mais um ano de trabalho, lancei a agência Magari Blu Viagens, em 2014. Esse caminho foi um passo natural, à medida que sempre atendi leitores e amigos que queriam roteiros e dicas que se encaixassem na programação deles desde o início do blog. A nossa proposta na empresa é de oferecer tudo que um viajante pode precisar: dicas diárias no blog, para quem gosta de pesquisar sozinho; roteiros personalizados day by day, para quem deseja uma programação sob medida para sua viagem; e, claro, as reservas, para clientes que não têm tempo ou paciência de montar todo o roteiro por conta própria ou ainda que querem um suporte antes, durante e depois da viagem. Organizamos hotéis, aéreo e serviços, como guias, motoristas, passagens aéreas e de trem, aluguel de carro, seguro-viagem, e assim por diante, além de darmos atendimento personalizado e emergencial.

Como foi no início? Quais seus maiores medos, preocupações, desafios?

​Enquanto a Magari Blu era apenas um blog, e meu único foco eram os textos e o conteúdo de viagem, enfrentei grande resistência da imprensa em contratar freelancers blogueiros para escrever reportagens. Uma advogada e blogueira, então! Imagina… Foi difícil, não conseguia muitos trabalhos e isso foi frustrante. Mas continuei aceitando todas as oportunidades que surgiam, ainda que não tão atrativas num primeiro momento, e nunca parei de escrever.​ Perdi a conta de quantos textos escrevi de graça para ter meu nome divulgado.

Depois que a Magari Blu se tornou uma agência, a dificuldade foi começar do zero, depois de já estar estabilizada na minha carreira. Foi preciso coragem, pois é mais cômodo você ter o salário na conta todo fim de mês, não ter a responsabilidade de administrar o negócio e nem pessoas que dependam de você. Meu maior medo era não dar certo e não conseguir viver da minha empresa.

Você procurou se capacitar para esta empreitada?

​Sim. Depois de deixar meu emprego como advogada, fiz uma pós-graduação em jornalismo e trabalhei em uma redação de site, para entender melhor como funcionava esse universo, até que passei a me dedicar exclusivamente à minha empresa. No turismo, faço cursos, participo de palestras, treinamentos, feiras e tenho ótimos fornecedores com os quais ​aprendo bastante na prática.

Teve algum momento em que você pensou em desistir?

​Não, nunca cheguei a pensar em desistir! Estava preparada para ganhar menos dinheiro e levar uma vida mais feliz se fosse necessário. Viagem tem a ver com sonho e aprendi que realizar os sonhos das pessoas é muito recompensador. Sempre me deu forças pra ir em frente.

Quais estratégias deram melhor resultado nesta trajetória?

​O blog, como surgiu anos antes, serve como cartão de visitas​ e muitos dos meus clientes da agência chegam através dele das redes sociais. Foi um caminho inverso do que as empresas costumam fazer.

De onde vem sua renda?

​A renda vem dos roteiros e das reservas principalmente. Vendemos um pouco de publicidade no blog, mas 95% vêm da agência, mesmo.

Quais seus diferenciais em relação aos outros sites de turismo?

​Nossos diferenciais são a curadoria, que faço pessoalmente no site, os colaboradores espalhados pelo mundo e a possibilidade de reunir conteúdo com roteiros e reservas, de maneira personalizada. ​Sou extremamente exigente e responsável com as dicas publicadas e com a qualidade dos textos. Temos 15 colunistas, que escolho a dedo, e que moram em diferentes lugares, e todos os textos são editados e publicados por mim. E a consultoria de viagens é algo que não era feito por blogs antes da Magari Blu.

Então pode-se dizer que você foi pioneira neste segmento?

Sim, pois somos o primeiro blog a se tornar agência de viagens e passar do virtual para o real no turismo. Temos uma exposição grande nas redes sociais, fazemos um trabalho sério na internet, que dá bastante retorno, e também conseguimos fazer as reservas e organizar detalhes que só uma agência tem a prerrogativa de fazer. Com isso, ganhamos credibilidade com clientes e leitores e fidelizamos nossos passageiros, que passam a viajar só com a Magari Blu.

Quais seus planos para o futuro?

​Apesar de ser um período de incertezas no país, as pessoas não deixaram de viajar, o que me possibilitou ampliar recentemente a nossa estrutura. Em menos de um ano, duplicamos a agência em termos de pessoal. Na minha opinião o futuro do turismo é oferecer o conteúdo aplicado às viagens, e é isso que fazemos já na Magari Blu.

Para saber mais:

Magari Blu: ​www.magariblu.com​
O que faz: ​ Dicas, reservas e roteiros de viagens personalizados​
Sede: São Paulo​
Início das atividades: 2011​
Investimento inicial: ​ R$ 15.000,00​
Contato:  contato@magariblu.com

Esta matéria pode ser encontrada no Itaú Mulher Empreendedora, uma plataforma feita para mulheres que acreditam nos seus sonhos. Não deixe de conferir (e se inspirar)!
 
draft-banner-2

 

Veja também:

Em dois anos, o Mais Asas mudou de foco, de cidade, foi acelerado e pagou dívidas. Agora, está com novo fôlego

- 22 de fevereiro de 2017
Isabella Cunha e Bernard Biton, os sócios da +Asas, trocaram o Rio por São Paulo para acelerar o negócio de roteiros turísticos e focaram em clientes corporativos.