SPONSORS:

Bia Granja: “O business da internet é o business da felicidade”

- 28 de julho de 2015
Foto de Bia Granja para a Campus Party, em 2011
Foto de Bia Granja para a Campus Party, em 2011

Bia Granja se diz uma mulher de “mais ou menos 30 anos”. É que a questão que todo jornalista lhe tasca logo nos primeiros minutos de conversa (assim como esta que escreve) e deve ser respondida de acordo com a cartilha do meio já rendeu um bocado de reflexão. “As pessoas gostam de se espelhar e se inspirar por causa da idade, ‘putz, ela já tem 30, já fez tudo isso, eu estou atrasado’. Ou ‘Ela tem 30 e está fazendo isso?’ Tem todas as piras”, diz.

No fundo, ela sabe: é referência. De empreendedorismo e de luta pela visibilidade dos seres tão comuns (nós, não é mesmo?) que habitam a internet desde os seus primórdios. Ela é uma entusiasta – perdoe Bia, que em nossa conversa disse odiar a palavra, mas também não encontrara melhor definição para a sua persona cyberfrenética. Nos anos 2000 descobriu o Google, os blogs, navegou, navegou, navegou. E fez alguma coisa sobre isso.

Bia menina, ainda offline, montava banquinha aos seis anos de idade para vender as coisas que não queria mais para as amigas. Depois, vendeu calça, sanduíche no Guarujá. Como diz, literalmente se virava para comprar as coisas que queria – figurinhas quando pequena, calça jeans mais adiante.

Já a Bia online cursou Turismo na Anhembi-Morumbi, enquanto suas irmãs foram para os bancos da USP. Nas palavras dela, a família não tinha lá muitas expectativas. Nessa fase, trabalhou na Ideia.com, incubadora do empreendedor Bob Wollheim. Um punhadinho de anos depois, Bia já super online, reencontra Bob, então em uma fase mais voltada à fotografia.

Tempos de início das câmeras de celular, que facilidade maravilhosa. Juntos (afetivamente e profissionalmente), em 2006 encamparam o projeto da revistinha PIX, que falava das coisas legais da internet, mas sem afetação. Sem achar que aqueles seres eram ETs.

Página de boas vindas de Bia (e do youPIX) no Medium, com uma foto usada na revistinha PIX.

Página de boas vindas de Bia (e do youPIX) no Medium, com uma foto usada na revistinha PIX.

Em 2009, o youPIX vira eventinho para 1 500 pessoas. Em 2014, o “eventinho” eclodiu em “eventaço” – quase 20.000 pessoas, 9 palcos, 15 co-curadores. Em resumo brevíssimo, nesses nove anos o youPIX se transformou no maior palco para a geração de youtubers, bloggers e afins da websfera. Hoje Bob é o cara que cuida do business, da grana – e também coleta uma listinha de outras missões, como atuar como Head of Digital do Grupo ABC (ele concedeu uma entrevista ao Draft). Bia é responsável pelo conteúdo, pela criação e pelo trabalho de consultoria do youPIX.

Em números: mais de 10 mil post, mais de 30 milhões de unique users no site, 95 troféus para os Melhores da Websfera (e um Hors Concours), mais de 2 milhões de votos, 1 680 palestrante nos festivais, 84 mil pessoas e mais e mais e mais.

Bia escreveu a história toda aqui, no post que inaugura nova fase, iniciada em abril e chamada de youPIX FWD!. Agora o site está baseado no Medium, uma plataforma de conteúdo lançada para quebrar o modelo de informações rasas e rápidas com textos profundos e densos. Gente que pensa, é a proposta do site. Bia fala da mudança:

“É uma mudança de quantidade para qualidade. Não vou mais vender pageview, não vou mais vender CPM. O Medium tem métricas importantes: o tempo que o cara passa lendo, quem realmente leu. Porque no final é isso. Você pode ter audiência, mas não quer dizer que tenha uma comunidade ao redor. Agora a gente quer ter comunidade. Quero ser relevante para o leitor”

Para o youPIX, isso representa não um novo olhar, mas uma perspectiva específica para a sua lente objetiva. O foco agora é no mercado de creators, que são os youtubers, blogueiros etc, e em todas as discussões pertinentes a esse universo. Temas como criação, produção, linguagem de conteúdo, distribuição, redes sociais e modelo de negócio.

Eles estarão distribuídos no primeiro evento dessa nova fase, marcado para acontecer dia 23 de setembro no MIS, em São Paulo. Será um dia intenso de discussões reunindo creators, representantes das novas mídias digitais e marcas e sem direito a público – é fechado, e para 500 convidados. Como resultado, o objetivo é a produção de um paper e de um mini documentário derivado em pílulas de vídeos.

Bia no antigo escritório do youPiX, na Faria Lima.

Bia no antigo escritório do youPiX, na Faria Lima.

E o lado fanfest ou funfest, que sempre foi a cara do youPIX, com suas guerra por selfies e clima de show dos Stones? Esse está em suspenso no momento e pode se transformar, por exemplo, em projeto patrocinado de uma marca. Há um motivo para essa segurada: “Qualquer Youtuber, qualquer Viner, que fale ‘galera, amanhã, Ibira às três da tarde’, aparecem três mil pessoas fácil. Eles não precisam de nós para promover encontros. Só que é muito bom quando você está em um evento só e estão todos ao mesmo tempo porque agiliza a selfie. Não deixamos isso de lado, mas estamos estudando como fazer”.

Nessa onda de transformação tem ainda o Nico, o filhote do Bob e da Bia de pouco mais e um ano e meio que, digamos, teve um bom pezinho nessa pequena revolução. E já está impulsionando outra – Bob e Bia pensam em mudar para São Francisco. Algo mais do que atual para esse formato de empresa online. Hoje, o youPIX é Bia, Bob e um faz-tudo que atua como RH, administrativo e financeiro. Os dois trabalham em um coworking em Pinheiros. E ela, que antes tinha que se dar por vencida pelo porteiro para largar o trabalho, hoje fecha tudo às 19h, horário de saída da babá de Nico. Bia, mais ou menos 30, mãe de Nico, empreendedora, agora pode.

Confira as ideias de Bia Granja sobre os principais temas do bate-papo com o Draft.

Quando a maternidade amolece a executiva
Nunca fui muito do mundo dos babies. Depois que ele nasceu, (Nico, de pouco mais de 1 ano e meio) abriram várias caixas. A gente vive tão racional, dia a dia, correria, e de repente tem que desarmar e deixar a vida te levar no lugar de organizar tudo. Com uma criança é totalmente o contrário. Quando você acha que está entendendo o ritmo, ela vai lá e muda tudo. Você perde muito isso e pode ser surtante. Além de todas essas coisas de relação de poder e controle, muda o lado mais humano. Eu antes era daquelas pessoas que via qualquer coisa como ‘Pedrinho precisa de uma doação’, dava hide post, nem aí. Hoje em dia estou doando para todos os pais. Você se conecta com tudo isso, fica mais humano, pensando nas relações humanas. Eu saía do trabalho quando o prédio fechava e o cara falava: ‘olha, se você não sair agora, vai dormir aí tá? ‘E eu não achava tão ruim essa ideia. Hoje em dia não. Tenho que estar em casa. (Ela também falou disso neste vídeo)

Amor e trabalho, #comofaz?
Essa parceria é bem doida. Trabalhei com ele antes de ter o relacionamento, depois também, então já tínhamos essa dinâmica. Conversamos muito sobre tudo. Tiveram alguns momentos em que falamos que talvez tivéssemos que mudar de área na empresa. Às vezes a gente batia cabeça. Quando definimos bem os papéis, ficou um pouco mais leve, porque cada um tem um estilo. Mas, como conversamos muito e tentamos ficar sempre atentos a isso, nunca foi um ponto de estresse. É óbvio quando você está fazendo a mesma coisa está sempre falando sobre aquilo. Agora tudo é sobre o Nico. E ele vive o dia a dia do ABC, e estou fazendo outras coisas, consultoria, tem outros assuntos. Mas amamos muito o que fazemos, então não é que estou falando de trabalho, mas de uma coisa que eu amo. É uma das coisas que me define. Não parecia que só falávamos de trabalho. Agora, como não estamos no dia a dia junto, chegamos em casa e perguntamos: “oi, como foi seu dia?”, algo que nunca tínhamos tido antes.

Primeiro veio o filho, depois a reflexão sobre o youPIX
A gente não põe mais o dedo nas coisas, elas parecem que não são mais palpáveis. E criança é isso, pega tudo, põe na mão, põe na boca, cheira, lambe, esfrega. Ter um filho me ajuda a pensar que eu tenho que pôr a mão nas coisas um pouco de vez em quando, (pensar na) descoberta. Foi o que nos levou também a repensar o youPix. Como você tem pouco tempo na vida para bullshitagem, deixa isso tudo de lado. Então, se esse modelo não é o que mais me agrada, o que mais tenho tesão em fazer? Vamos mudar? Fazer mais o que eu quero fazer do que o que as pessoas querem que eu faça, ou esperem que faça, entendeu? Esse “no time for bullshit” é bom porque me trouxe mais foco e me levou para um caminho. Faz o que tem que fazer. É uma coisa meio macro.

A internet e a felicidade
Não tenho preconceito, gosto mesmo de inclusão. Acho a internet a coisa mais incrível que aconteceu. É super democrática. Tem um dado da FGV que sempre falo nas minhas palestras para as pessoas entenderem a profundidade que significa isso: a cada 10% no aumento do índice de inclusão digital da pessoa, ela fica 2% mais feliz. Ou seja, se ela está perto de um computador, ela já está feliz. Imagina o quanto ela fica feliz pelo fato de ter expressão, identidade, reconhecimento cultural, social.

A internet insere a pessoa em um universo que antes ela não estava. É imbatível. O business da internet é o business da felicidade, e isso é muito foda. Por que é tão sexy? Por que a gente ama tanto? Porque ela deixa a gente feliz!

Eu tenho voz, eu tenho expressão, eu me conecto. Isso desde o Orkut porque quando ele veio derrubou todas as hierarquias de todas as coisas. Todo mundo tinha fotinho, as comunidades, gelinho, estrelinha, amigo, scrap. Também foi impactante porque mostrou o Brasil para o Brasil real, que a gente antes não estava muito acostumado a ver: gente analfabeta, gente fazendo ensaio sensual na laje, gente de todo tipo, que não é o que habita o nosso círculo, a nossa bolha. Daí surgiu um termo que era a orkutização, que acho uma merda, e na verdade é super preconceituoso. Sempre olhei isso com essa ótica que é do caralho, é legal. Identidade.

O mais legal do youPIX: diversidade e democracia
Desde o primeiro, trouxe co-curadores, pessoas especialistas nas suas áreas. Tinha 15 diferentes comigo. O youPIX nunca cagou regra, ele era assim, era assado. Ele era o palco. As pessoas iam lá e discutiam. Tinha gente que falava x, tinha gente que falava y. Teve um caso muito emblemático. Tínhamos uma grande operadora do celular como oferecedora do evento e que fazia a transmissão na fanpage deles no Facebook. Estávamos falando sobre marco civil, gongando as operadoras, e eles estavam bancando essa conversa. Não estamos falando que o marco civil é bom ou legal, estamos aqui para discutir. A internet é um imenso gerúndio. Você não consegue dar um zoom out para definir nada.

Bia Granja no youPIX na cidade de Porto Alegre, em 2012. No ano passado, o evento ficou gigantesco.

Bia Granja no youPIX na cidade de Porto Alegre, em 2012. No ano passado, o evento recebeu quase 20 mil pessoas em São Paulo: hora de mudar.

Quero ser grande, não quero ser grande, como quero ser grande
Eu banco (o tamanho do festival, que chegou a quase 20 mil pessoas e 9 palcos em 2014), mas é uma responsa. A visão macro editorial sempre foi só minha. Eu que escolhia quais curadores chamar, o que também já é um primeiro crivo. O evento ficou muito grande. No fim do ano passado, tiramos esse momento para tentar entender… Viemos até aqui de um jeito orgânico, embolado, vamos tentar organizar um pouco a casa? Foi um pouco esse processo, que acho super saudável. Estávamos meio caóticos também, tanto quanto a internet. Legal, agora temos um evento que é gigantesco, seis públicos diferentes, qual é a proposta de valor para cada um deles? O que cada um está buscando? Será que estamos entregando? Como fazer para melhorar isso e ter todas as entregas certas? Qual o nosso papel dentro desse ecossistema? Fomos mega agilizadores, demos palco, e agora fazendo pensando o que? A Capricho já dá capa para esses caras (youtubers). Eles são best-sellers, vários estão quase todo dia no programa da Fátima Bernardes. Têm visibilidade, awareness. Virou mainstream. Em termos de visibilidade, talvez eles não precisem mais do youPIX.

Então cai a ficha: ‘bora’ pensar no mercado e na profissionalização
Só que tem um lance acontecendo agora…. Antes era uma coisa meio oba oba, só que agora é muito profissional. Só o mercado de vídeo movimentou 10 bilhões de dólares no ano passado. Tem alguém no Brasil falando sobre isso, tentando dar ferramenta, munição, para essa galera se tornar cada vez mais profissional? Não tem. O youPIX fazia isso, mas meio diluído, dentro da bagunça, selfies com os fãs e youtubers. Pessoalmente eu estava querendo entrar em uma discussão mais profunda. Vamos focar nisso? Fazer esse mercado crescer e parar com aquela ideia de que ser famoso na internet é o mesmo que ser rico no banco imobiliário? Porque não é. É muito real quando você pega um youtuber de 18 anos que virou o segundo livro mais vendido no Brasil, não fica mais real que isso. É palpável. Não é dinheiro virtual. E foi essa decisão que a gente tomou.

Se você não entendeu o novo foco, Bia explica
O foco é falar sobre conteúdo digital e o mercado de creators, que é um nome tosco, mas não tenho outro melhor, porque não é criadores de conteúdo. Nos EUA ficou definido como youtubers, blogueiros etc. Aconteceu uma coisa interessante.

Ao falar de conteúdo digital para o mundo dos creators, a gente acaba puxando o interesse de quem faz conteúdo para veículos e para marcas, porque tudo é conteúdo digital hoje, e esse é o maior paradigma. Não tem mais on e off, é tudo on

Tem várias partes envolvidas nesse mercado, os próprios criadores de conteúdo, as plataformas digitais, as empresas de mídia, as agências, as marcas, enfim, estão interessadas em conversar. Viramos um hub de discussão sobre conteúdo digital. Gosto de falar que somos uma power house para os creators. Vamos discutir modelo de negócio, conteúdo, plataformas, missão, contexto macro das coisas, tendência. Não estou tão focada em falar sobre jornalismo, paywall, porque não é o interesse, mas permeia um pouco isso. Monetização é o termo mais antigo do mundo.

Onde está o dinheiro na internet?
Sabemos que a televisão concentra a maior parte da verba. A maioria que vem para a internet está no Google, depois vai para o Facebook, e o que sobra é um restolho, então tem falta de dinheiro. Conteúdo virou commodity. Todo mundo pode fazer conteúdo. A comunicação e o marketing exigiram que as marcas também se transformassem em produtores de conteúdo. Entre colocar dinheiro no seu conteúdo ou no meu, elas vão pôr no delas. Também tem uma visão ingênua desses creators sobre como funciona o mercado, como fazer negócios, é difícil. E uma migração de portais, veículos etc. O conteúdo tem que gerar identidade nas pessoas. As pessoas vão compartilhar a emoção que aquele conteúdo gerou nelas. O dinheiro está onde sempre esteve, na TV, mas ao mesmo tempo tem um dinheiro saindo da TV, e está mudando um pouco essa equação. E marca gosta de audiência. As marcas vivem ainda nessa lógica do Ibope, tudo é ibopização das coisas, ainda não entende muito bem nicho. É difícil renovar (o público dos sites). É um desafio.

Internet ensina – cada vez mais
A internet ensina que a gente tem que cada vez mais ir atrás do nosso lugar no mundo. E que o mundo é cada vez mais do it yourself, tudo está a um tutorial de distância.

A internet sozinha não é nada, é um repositório de coisas, pessoas, produtos, comércio, relacionamentos, textão. Está esperando a nossa curiosidade, o nosso interesse para ser ativada

Sempre tivemos uma visão muito paternalista sobre tudo. Mas hoje em dia o mundo está mudando muito rápido, principalmente a coisa do conhecimento. Não tem faculdade para o que eu faço, por exemplo, não tem curso. Onde eu vou aprender a ser blogueiro? Youtuber? Fazer um app? Curso livre? Exige mais que você tenha uma mentalidade do it yourself. Como ela desmontou as hierarquias e tirou os poderes das mãos das antigas instituições, você tem que ir atrás.

Brasil, futuro da internet, será?
Tem duas coisas. O Orkut foi… Precisávamos daquele lugar como movimento de expressão. Quanto mais oral é um país, mais afinidade ele tem com rede social, porque rede social é conversa. Por isso que dominamos tudo. Não somos o futuro, mas somos um puta mercado interessante. Ainda falta metade do Brasil para ser incluída digitalmente. E é um mercado que está mudando, com muitas pessoas se inserindo economicamente, comprando mais, poder de consumo grande. Somos muitos, com cada vez mais poder aquisitivo. Não sei se é o futuro, mas somos influentes.

Veja também:

“Não me especializei, não tinha Plano B nem networking. Não me orgulho disso. Mas também não me arrependo”

- 15 de setembro de 2017
Jornalista, Cristine Gentil se despediu de seu primeiro e único emprego sem ter um plano B. Além de garantir uma nova renda, precisava encontrar numa nova identidade (foto: Luís Tajes).

Sobre construir pontes entre marcas e histórias de inovação: como é ser editor de brand content do Draft

- 31 de agosto de 2017
1101 1 0
Bruno Leuzinger, editor de Brand Content do Draft.

Sobreviver ao 11 de setembro foi transformador: ela mudou de vida e criou o primeiro jornal infantil do Brasil

- 16 de agosto de 2017
Stéphanie Habrich estava no World Trade Center quando as torres foram derrubadas. A tragédia foi o início de uma mudança em sua vida — que culminou na criação do Joca, um jornal que educa crianças.

O Razões para Acreditar fala dos prós e contras de ter se aproximado de empresas para conseguir se bancar

- 14 de agosto de 2017
Vicente, fundador do Razões para Acreditar, conseguiu há apenas 2 anos tornar seu projeto financeiramente sustentável.