SPONSORS:

ClickBus, uma plataforma para vender passagens de ônibus online

- 22 de janeiro de 2016

Nome:
ClickBus.

O que faz:
A startup tem uma plataforma web e um aplicativo de vendas online de passagens de ônibus. Por ela, o usuário tem acesso a passagens de mais de 60 empresas de ônibus para mais de 3 mil destinos do Brasil.

Que problema resolve:
Os passageiros podem comparar preços de todas as viações que operam em determinada rota e recebem um suporte pós-venda. A empresa também facilita a forma de pagamento – o usuário pode parcelar a compra de sua passagem em até 12 vezes no cartão de crédito.

O que a torna especial:
O processo de retirada de passagens da ClickBus evita filas na rodoviária. Há quiosques da empresa nas duas principais rodoviárias brasileiras: Novo Rio, no Rio de Janeiro, e Tietê, em São Paulo. Esses locais também servem como pontos de atendimento, para tirar dúvidas dos passageiros.

Modelo de negócio:
A startup cobra uma taxa de conveniência de 14% sobre o valor das passagens vendidas.

Fundação:
Agosto de 2013.

Sócios:
Cesário Martins – Co-fundador e co-CEO
Fernando Almeida Prado – Co-fundador e co-CEO
Ricardo Contrucci – CTO

Perfil dos fundadores:

Cesário Martins – 30 anos, Fortaleza (CE) – formado em Engenharia de Computação pelo Instituto Tecnológico de Aeronáutica – ITA. Iniciou a sua carreira nas empresas da Rocket Internet em dezembro de 2011, onde ocupou cargos como Chief Marketing Officer da Mobly por dois anos, e foi responsável pela implementação da estrutura de serviços compartilhados de marketing para todas as empresas da Rocket no Brasil. Teve passagem por grandes empresas com a A.T.Kearney e DHL Express.

Fernando Almeida Prado – 37 anos, São Paulo (SP) –formado e especializado em Administração de Empresas em Administração de Empresas pela Fundação Getúlio Vargas. Foi chefe da operação LATAM de fundo Private Equity espanhol N + 1 Mercapital. Entre 2003 e 2010, ocupou vários cargos de gestão na área Financeira, Desenvolvimento de Negócios, Vendas, Marketing e Operações da farmacêutica Novo Nordisk. O início de sua carreira foi na Bombardier Transportation, onde trabalhou por quase cinco anos.

Ricardo Contrucci – 40 anos, São Paulo (SP) –formado em Engenharia da Computação pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC-PR). Foi CTO do Groupon na América Latina e liderou projetos de tecnologia e integração de sistemas em empresas de grande relevância no setor, como Microsoft, Accenture e Everis.

Como surgiu:
Em 2013, Cesário e Fernando decidiram preencher uma lacuna em um setor da indústria de viagens: apesar de os brasileiros terem se acostumado a comprar passagens aéreas online, o mesmo não acontecia para o transporte rodoviário. “Os passageiros tinham que ir ao terminal rodoviário, descobrir qual viação fazia a rota desejada, comparar preços e horários, pegar fila, sem garantia de conseguir embarcar na data ou horário desejados”, diz Fernando. A ideia é oferecer uma plataforma que facilite esse processo. Depois de lançada, a empresa passou a sentir, mês a mês, o aquecimento do setor de viagens e identificou oportunidades para atuar em outros três países: México, Colômbia e Turquia.

Estágio atual:
A sua sede da empresa está em São Paulo e possui mais de 100 funcionários. Nestes dois anos e meio de atuação, já vendeu mais de 1 milhão de passagens.

Aceleração:
Não buscam.

Investimento recebido:
A ClickBus já recebeu investimentos que somam 12,5 milhões de dólares de empresas como Rocket Internet, Latin America Internet Group, Tengelmann Ventures e Holtzbrinck Ventures.

Necessidade de investimento:
Ainda não há valor definido.

Mercado e concorrentes:
“Ainda temos um grande espaço para inovar, porque existem cerca de 100 aeroportos no Brasil, enquanto o número de rodoviárias ultrapassa 3 mil. E há destinos que só podem ser acessados por via terrestre. É um mercado que sempre existirá”, diz Cesário. Entre os concorrentes da empresa estão a Brasil By Bus e Guichê Virtual.

Maiores desafios:
Atualmente, a startup se concentra na sua parte tecnológica, com sistemas conectados para evitar overbooking e oferecer a escolha do assento no ônibus no momento da compra. Além disso, a empresa quer mostrar aos usuários as vantagens de comprar passagens sem sair de casa.

Faturamento:
Não informado.

Previsão de break-even:
Não informada.

Visão de futuro:
A empresa quer se manter como líder no mercado – hoje detém 60% das vendas de passagens de ônibus online – e promover a modernização do setor rodoviário. “Esperamos que, no final de 2016, a penetração das compras online passe de 5%”, diz Fernando.

Onde encontrar:
Site
Contato
Facebook

 

Você tem uma startup que já é mais do que um sonho mas ainda não é uma empresa totalmente estabelecida? Escreva para a gente. Queremos conhecê-lo. E, quem sabe, publicar um perfil da sua iniciativa aqui na seção Acelerados. Esse espaço é feito para que empreendedores como você encontrem investidores. E para que gente disposta a investir em novos negócios encontrem grandes projetos como o seu.

Veja também:

Primeiro app de mototáxi do Rio, o Garupa aposta em celebridades e tecnologia para desmistificar o serviço

- 30 de abril de 2018
Suellen de Aguiar e João Zecchin tiraram o mototáxi da favela criando um aplicativo "estilo Uber" para oferecer o serviço também no "asfalto", no Rio de Janeiro. E agora querem expandir.