Com a 1 nariz, Dênis Pagani transformou a paixão por perfumes em um meio de vida original e desafiador

- 7 de outubro de 2016
Conheça a trajetória de Dênis Pagani, que se apaixonou por perfumes, vive disso e enfrenta o desafio de crescer num mercado de nicho sem perder o encanto original pelo mundo que escolheu viver.
Dênis Pagani se apaixonou por perfumes, vive disso e enfrenta o desafio de atuar num mercado de nicho (foto: João Bertholini).

O destino profissional de Dênis Pagani começou a mudar de rota durante um voo para Paris, em 2012. Para passar as horas do trajeto que o levava de São Paulo à capital francesa, ele se pôs a devorar mais da metade das páginas de Perfumes: The A-Z Guide, livro (sem edição brasileira) do biofísico Luca Turin em que o autor aborda a perfumaria com paixão e uma verve muito convincente. “Na hora, comecei a anotar lugares para visitar, perfumes para cheirar e montei um roteiro novo. A viagem acabou sendo toda em torno disso, eu tinha a cidade inteira à disposição para minhas pesquisas e descobertas”, conta. Ali começava, de súbito, sua caminhada até se tornar um empreendedor e consultor com uma trajetória muito pessoal nessa área, com a 1 nariz.

“Acho que todo mundo tem esse momento: ‘pirei com esse assunto, enlouqueci’. Não tive aquela história romântica de que um cheiro da minha infância me despertou, nada disso. Foi um puro e genuíno interesse que se converteu numa paixão e que, depois,  vislumbrei como uma atuação profissional”, diz.

Quando voltou ao Brasil, ele fez um curso bem elementar de perfumaria, o único que conseguiu achar na época. Comprou todos os livros que encontrou, leu tudo que pôde, procurou bloggers e profissionais que admirava para darem dicas deste novo e encantador mundo: “Sempre fui bem autodidata e fui aprendendo de perfumes pela minha vontade de devorar o que eu visse pela frente”.

O PRIMEIRO PASSO É ASSUMIR A MUDANÇA DE DIREÇÃO

A questão passou a ser como fazer dessa nova e avassaladora paixão um meio de vida. Dênis chegou a estudar Publicidade e Propaganda na ESPM e Administração e Psicologia na PUC, mas não terminou nenhum dos cursos. Antes de pensar em perfumaria como caminho profissional, trabalhava com encadernação e havia se formado em Preservação, Conservação e Restauro de Documentos Gráficos pelo Senai. “Chegou um momento em que ou eu precisava crescer meu ateliê de encadernação o que, para isso, era necessário fazer um investimento alto, ou então era a hora de mudar”, conta.

Mudou. Para dar os primeiros passos e tornar seu nome mais conhecido no mercado – e ainda se obrigar a aprender mais – se ofereceu para colaborar como freelancer em matérias sobre perfumes em algumas revistas femininas. Passou a assinar reportagens sobre o tema em algumas delas e, com o tempo, começou a escrever mais e mais textos em torno do assunto no seu próprio endereço online, o então apenas blog 1 nariz (que lhe custou 500 reais para colocar no ar). “Lancei o site no fim de 2012 com o objetivo de encontrar gente para conversar. Tive medo de falar sozinho muito tempo, mas as pessoas apareceram.”

Dênis e uma das turmas dos cursos que promove e que desenvolveu como uma das bases de seu negócio.

Dênis e uma das turmas dos cursos que promove e que desenvolveu como uma das bases de seu negócio.

Com o conteúdo, vieram também as newsletters, que ele passou a enviar para os leitores que se cadastravam para saber mais sobre o assunto. “Foi algo que funcionou muito para mim que falo para um leitor mais nichado”, diz. Dênis mantém também contas do 1 nariz no Instagram e Facebook, como forma de aproveitar a abrangência e o baixo custo dessas redes em boa divulgação.

“Visibilidade é imprescindível. O bom uso da internet é um ótimo jeito de se fazer conhecer e de atrair pessoas que nunca chegariam até você”

Para isso, ele sempre testa novos formatos e linguagens. No Instagram, por exemplo, passou a postar fotos de perfumes com pequenas resenhas e, mais recentemente, a compartilhar as fotos de seguidores que registram seus frascos preferidos usando a hashtag #1nariz, criando mais engajamento com o perfil. “Por sua vez, as newsletters me permitiram criar uma comunidade de verdade em torno do tema, ter um contato mais ‘um para um’ com os leitores, trocar ideias, receber relatos de experiências.”

COMO TRANSFORMAR UMA PAIXÃO EM NEGÓCIO

Era hora, afinal, de materializar o sonho. De transformar a paixão (que, agora, tinha público) em negócio. Além de seguir com os artigos, Dênis dá consultorias (que ele vê como um curso de auto-conhecimento, já que trata de ajustes sutis para funcionar) além de cursos sobre a história da perfumaria e sobre técnicas para criar perfumes. O valor vai de 530 reais (pelos cursos) a 1 390 reais (consultoria personalizada, com kits específicos pensados de acordo com os gostos do cliente, indicações de perfumes etc).

 

O serviço não surgiu à tôa. Foi a partir dessa troca de experiências que ele resolveu criar seu primeiro curso, chamado Famílias Olfativas. “Fiz o curso pra mim, porque era um curso que eu queria fazer e não existia no mercado”, diz. “Mas a verdade é que percebi que tinha um nicho enorme nesse mercado justamente por isso: não há muito conhecimento disponível e as pessoas estavam interessadas. Resolvi abrir uma turma para medir.”

Para desenvolver a metodologia, ele se matriculou em um curso de Consultoria de Estilo (ministrado pelas criadoras da Oficina de Estilo) para entender de que forma elas ensinavam as pessoas a se relacionarem com suas roupas e gostos e adaptou a metodologia para perfumes. “O curso da Cristina [Zanetti] e da Fernanda [Resende] é muito completo e foi uma inspiração fundamental para eu pensar em dar aulas”, afirma. “E descobri que adoro a troca com as pessoas.”

O primeiro curso aconteceu em julho de 2014 e, desde então, Dênis passou a criar novas turmas e novas aulas como forma de monetizar o negócio — o valor gira em torno de 790 reais por aluno e ele fecha turmas de no máximo 20 pessoas por vez. No segundo semestre deste ano, as aulas se tornaram bimestrais.

Para expandir ainda mais seu business, Dênis pensou também num serviço mais acessível. Ele deve lançar, até o final do ano, o Inspira: uma consultoria 100% online e que permite ao próprio usuário construir o processo na busca de encontrar suas preferências. “É como um guia prático e descomplicado. O cliente conduz a experiência e eu entro tirando dúvidas por email ou por webnários, que vão acontecer uma vez por semana”, conta. Num grupo fechado no Facebook, os alunos onde poderão trocar informações e compartilhar referências do mundo da perfumaria. O Inspira custará 147 reais.

O DESAFIO DE EXPANDIR NO NICHO

Dênis atua numa área de nicho. Enfrenta, portanto, dificuldades inerentes a isso. “No mundo ideal eu teria um curso por mês, mas preciso criar mais demanda”, diz. O processo da criação de novas aulas nem sempre funciona. “Já joguei curso fora porque não estava bem montado e as pessoas não se interessaram. Mas você aprende a simular antes de elaborar um curso inteiro, a sentir a temperatura do que querem as pessoas, simulando temas, criando pesquisas”, reflete ele. Quando as coisas não dão certo da forma como foram concebidas, há que ser criativo e flexível. Dênis passou, então, a abrir novas programações, como os workshops que têm perfumistas convidados.

Também passou a oferecer consultorias individuais para ajudar as pessoas a encontrarem seus perfumes. “Eu as ajudo a buscar fragrâncias que amem. Gente que quer ser lembrada, ser transportada para outra realidade com algumas borrifadas”, diz. Através de conversas online agendadas, um questionário completo e um exercício com perfumes, Dênis investiga os desejos, aspirações e a rotina do cliente e depois traduz em recomendações.

“Meu trabalho é ajudar a traduzir gostos em notas, já que o olfato é um sentido que a gente usa muito mas fala pouco. Faltam até palavras para descrever alguns cheiros”

Dênis diz que, sempre que fala de seu trabalho, as pessoas pedem indicações de fragrâncias. “Mas não é simples fazer isso, pois vai muito de gosto, de preferências. É difícil dizer um cheiro sem conhecer mais a fundo a pessoa. Com a consultoria, eu profissionalizei a indicação”, ri.

Nas consultorias, um dos exercícios é experimentar e nomear notas dos aromas.

Nas consultorias, um dos exercícios é experimentar e nomear notas dos aromas (foto: Dani Valente).

O pouco conhecimento do público sobre perfumes é inversamente proporcional ao tamanho do mercado. Só em 2015, por exemplo, foram lançados mais de 2 mil novos frascos de perfumes no mundo de acordo com o relatório Fragrances of the World 2016, que compila todos os perfumes das principais marcas que chegam às prateleiras.

O Brasil está entre os cinco maiores mercados do mundo, segundo estudos da consultoria Euromonitor. Em 2010, o país passou pela primeira vez o mercado americano, líder mundial da categoria, com cerca de US$ 6 bilhões vendidos (o real estava valorizado e o poder aquisitivo da população estava maior). O consumo de perfumes, por exemplo, é o que sustenta muitas das grifes internacionais, como Givenchy, Chanel, Calvin Klein. “O perfume é o cavalo de batalha de muitas marcas. São eles que, inclusive, sustentam algumas delas”, afirma, e segue:

“O perfume é um luxo possível. Há boas fragrâncias em todas as faixas de preço”

A consultoria leva quatro semanas e entrega mais de 10 recomendações de perfumes (que o cliente pode usar e testar) e ainda uma metodologia para testar em lojas para garantir que o cliente não compre mais um perfume de que não goste. “Também ensino a fazer a aplicação, para o cheiro durar mais ou até mesmo para clientes que trabalham em ambientes mais rígidos e não podem exagerar”, conta.

Há também outros projetos, como ajudar a criar eventos ou demonstrações de novos produtos e perfumes. Dênis já chegou até a criar aromas de whiskey para um evento gastronômico. “Mas não sou perfumista, não misturo as coisas. Sou uma ponte entre os aromas e as pessoas. Me posiciono como um especialista que conhece muito desse segmento e que consegue falar de uma maneira fácil e direta com as pessoas sobre ele”, diz. “Por isso as marcas têm interesse no meu trabalho”.

NÃO DEIXE O TRABALHO MATAR SUA PAIXÃO

Nem tudo são notas florais no trabalho de um perfumista. Mesmo (ou especialmente) um apaixonado. Dênis afirma existir um lado B de se trabalhar com o que você gosta:

“Quando entra dinheiro, a coisa muda de figura. É legal lucrar com algo que você ama, mas há uma frustração porque no início não vem o quanto você gostaria ou precisa”

Dênis afirma que um de seus maiores desafios, ainda, é ter que explicar o que é o seu trabalho, comunicar de uma maneira muito sedutora e assertiva o que ele faz inclusive para criar maior demanda. “Meu trabalho é o meu próprio marketing. As pessoas estão aí, elas se interessam, mas preciso convencê-las de que isso é legal para elas”, diz.

Segundo ele, antes de partir para fazer de uma paixão seu negócio, é preciso desenvolver uma alta resistência à frustração e saber se automotivar: “Não tem ninguém para te falar: ‘vamos lá!’. Para o bem e para o mal, não há parâmetros. Não tenho modelos de negócios para me inspirar. Isso é bom, porque posso me inventar o tempo todo, mas dá uma certa agonia, principalmente para saber se estou indo pelo caminho certo ou não.”. Mas, por se considerar um fazedor, Dênis diz que prefere assim:

“Não sou um grande estrategista. Vou fazendo e medindo se deu certo ou não. Às vezes dá”

Ele também afirma que de vez em quando você precisa se reapaixonar pelo seu trabalho. E dá uma dica: é fundamental encontrar algo que você faça estritamente por prazer, sem dinheiro envolvido, para reafirmar seu encantamento com aquilo. “Tenho meus perfumes favoritos, que eu visito de tempos em tempos, para me lembrar que existe beleza. Às vezes a gente fica preso na batida do dia a dia e esquece por que a gente se apaixonou por aquilo. Essa é a minha forma de me recordar”, conta.

Ao final das contas, Dênis também ressalta que, no seu caso, o seu objeto de trabalho também tem uma relação muito grande com o prazer, o que torna o ofício ainda mais encantador. “Tem muito hedonismo nisso. O olfato é um dos nossos principais sentidos e os perfumes não existem para uma razão prática no mundo, mas para gente ter prazer, pura e simplesmente”, diz. Seja nos cursos, nas consultorias e nos outros projetos que desenvolve, Dênis tem o mesmo objetivo por trás dos trabalhos que desenvolve: arrebatar mais 10, 100 ou, quem sabe, até 1000 narizes em torno do “potencial encantador da perfumaria”. E tudo começou com 1 nariz.

DRAFT CARD

Draft Card Logo
  • Projeto: 1 nariz
  • O que faz: Cursos de perfumaria e consultoria de perfume
  • Sócio(s): Dênis Pagani
  • Funcionários: 1 (o fundador)
  • Sede: São Paulo
  • Início das atividades: 2012
  • Investimento inicial: R$ 500 (domínio e hospedagem do site)
  • Contato: oi@1nariz.com.br
Veja também:

O case Tucum Brasil: renda para as etnias e a arte indígena valorizada e vendida mundo afora

- 10 de julho de 2017
A modelo Ngrejkampyre Kayapó com colar da Tucum, a marca que tem loja fixa no Rio e parceiros ao redor do mundo para vender arte indígena e reverter a renda para as comunidades produtoras (foto: Paulo Velozo/Associação Floresta Protegida).

A T-Mutts vende mensagens de amor aos cachorros – e quem ganha são os vira-latas

- 12 de junho de 2017
"É legal porque quanto mais eu tiver lucro, mais vou ajudar", diz Ana Luísa Schmitt, da marca de camisetas comprometida com cães abandonados.

“É ridículo como as ‘modas’ digitais se tornam um paraíso para oportunistas no Brasil. Eis a verdade sobre elas”

- 9 de junho de 2017
Luciano Palma trabalha com tecnologia há mais de 20 anos e desvenda alguns "truques" usados por gente mais interessada em vender do que em entender sobre o que vende.