Como aguar as plantas quando você viaja? Resposta: com Internet das Coisas

- 4 de abril de 2017
Robson Akihito, 33 anos: horta e hack caseiro
Robson Akihito, 33 anos: horta e hack caseiro

 

O que fazer quando se tem uma horta em casa, você vai passar uma semana fora, viajando, e ninguém mais na família tem a possibilidade de aguar as plantas? Um sistema automático de micro irrigação conectado à Internet, exemplo prático de um hack caseiro de IoT (Internet of Things), pode ser a saída.

Foi o que fez o programador Robson Akihito, 33 anos. Com experiência em desenvolvimento, ele utilizou componentes de baixo custo para criar um sistema capaz de detectar quando a umidade do solo está baixa, e nesse caso acionar uma bomba que leva água até as plantas, entre elas seis bonsais, mudas de salsinha e cebolinha, mini pés de jabuticaba e amora.

Robson sempre se interessou pelas ciências exatas e pelo hardware. “Quando eu era criança, gostava de desmontar e montar controles remotos”, diz. Na faculdade de análise de sistemas, ele se envolveu mais profundamente com a programação e não parou mais. Atualmente, ele trabalha na área como parte da equipe de desenvolvimento de uma empresa de seguros, e nas horas vagas segue firme com seus dois hobbies, cuidar da horta (com precisão matemática) e explorar o universo dos hacks caseiros.

 

microirrigacao

Antes de criar o sistema de micro irrigação, ele já media a umidade do solo de suas plantas e a incidência de luz por meio de sensores. Depois, organizava em gráficos, manualmente, as informações coletadas. Assim, Robson começou a estabelecer as bases do projeto. Mas esse era apenas o começo.

“Ouvi falar em Arduino pela primeira vez há cerca de sete anos”, diz Robson sobre as famosas placas eletrônicas, comuns nesse tipo de hack caseiro por serem facilmente programáveis. No sistema de micro irrigação, ele usa uma placa modelo WeMos, semelhante ao Arduino, mas de custo ainda mais baixo, importada da China. Esse aparelho funciona como o “cérebro” do sistema, e permite que o projetista conecte outros equipamentos a ele, como sensores de umidade e de luz, por exemplo. Depois, basta escrever um programa simples que vai dar as instruções sobre como cada peça deve se comportar.

Robson finalizou o sistema de micro irrigação quando precisou viajar para os Estados Unidos. Ele sabia que a esposa não teria tempo de regar as plantas durante o dia, então bolou um jeito de automatizar a tarefa. O funcionamento é simples. Ele conectou os sensores de umidade que já possuía à placa WeMos. Quando falta água na terra das plantas, a placa recebe essa informação dos sensores enterrados, e em seguida aciona uma bomba simples de aquário, que puxa água de um balde e a leva por meio de um sistema de mangueiras até as plantas. Quando os valores de umidade voltam a subir, o sensor avisa a placa WeMos, que interrompe o processo.

O funcionamento foi um sucesso, e a horta sobreviveu não apenas à viagem, mas se mantém firme até hoje graças ao sistema. A família toda se beneficiou. “Minha mulher gosta de usar a salsinha e a cebolinha no jantar”, diz Robson, que também conectou o sistema à internet, por meio de um aplicativo que atua como um controle remoto. Assim, ele pode escolher a quantidade de água a ser colocada nas plantas, mesmo se estiver longe. Essa é uma das vantagens da placa WeMos, que vem com uma placa Wi-Fi embutida. Pura IoT. A tecnologia da Internet das Coisas é capaz de conectar diversos aparelhos domésticos, como geladeiras e outros utensílios, à web. Assim, é possível desenvolver aplicativos que sejam capazes de tornar os equipamentos mais eficientes, por exemplo, e ajudar o usuário de forma geral.

Robson continua a dar manutenção ao sistema de micro irrigação, e pretende sofisticá-lo com mais sensores, além de expandir a horta, que recentemente recebeu a plantação de tomates e pimentas. E seus projetos com hacks caseiros não terminaram aí. Pouco antes de ser entrevistado para esta reportagem, ele havia recebido mais uma leva de equipamentos importados da China. O próximo projeto que ele planeja desenvolver é o de um relógio baseado em luzes de LED.

 

A Internet das Coisas (IoT) é um dos direcionadores tecnológicos para o futuro da energia, na visão da AES. Saiba mais sobre essa tecnologia e sobre as iniciativas da empresa na área na seção sobre IoT da plataforma Inovação AES!

 

990x220-v2_02

 

 

Veja também:

O Lilo.zone é um maker space focado em arte tecnológica e, também, um manifesto da economia compartilhada

- 6 de setembro de 2017
1456 5 0
Lina Lopes conta como é estar à frente de um espaço criativo e de experimentação tecnológica, não necessariamente lucrativo, e que se sustenta pela colaboração e venda (esporádica) de projetos.