SPONSORS:

Como dois não-engenheiros fundaram um negócio de energia solar e impacto social: a Insolar

- 23 de fevereiro de 2016
Adriana Maria da Silva, da creche Mundo Infantil que está recebendo as placas solares, e Henrique Drumond, da Insolar.
Adriana Maria da Silva, da creche Mundo Infantil, que está recebendo as placas solares, e Henrique Drumond, da Insolar.

Esta é a história de dois empreendedores que cansaram de olhar para o céu e não fazer nada. Explicando: o Brasil é gigantesco (8 milhões de quilômetros quadrados) e recebe 280 dias de sol por ano, números de dar inveja à Alemanha, um dos líderes mundiais em geração de energia solar (que tem apenas 4% do nosso tamanho e muito menos sol). “Me frustra muito ver o Brasil com um potencial tão grande e quase nenhum incentivo ou investimento na área. Esse foi um dos motivos que levou a gente a criar a Insolar”, conta o economista Michel Baitelli, 37, que fundou o negócio junto com o administrador Henrique Drumond, 32. A iniciativa dos cariocas tem o ousado objetivo de promover e democratizar a energia solar gerando o máximo de impacto socioambiental possível.

Para tanto, eles apostam num modelo de negócio para instalar painéis fotovoltaicos (que transformam luz do sol em energia elétrica) em comunidades carentes baseado em cofunding, ou seja, o financiamento que vem de organizações interessadas na difusão deste modelo de energia, que cobrem os custos e remuneram a Insolar pela gestão do projeto. A empresa é jovem, tem pouco mais de um ano e está colocando em prática o seu primeiro projeto nessa linha, em uma creche (mas não apenas, já que envolve a comunidade) na favela Santa Marta, no Rio de Janeiro.

A Insolar trabalha com placas que geram energia elétrica, diferentes daquelas mais conhecidas, que apenas aquecem água. O investimento depende da região de instalação e dos equipamentos mas, no geral, não é baixo. A primeira fase do projeto na Santa Marta, por exemplo, com instalação de dez placas e ligação à rede da distribuidora de energia ficou em torno de 20 mil reais – valor que corresponde apenas aos equipamentos, sem incluir ações sociais na comunidade.

As placas fotovoltaicas da Insolar transformar a luz do sol em energia elétrica.

Henrique mostra como são as placas fotovoltaicas da Insolar: elas transformam a luz do sol em energia elétrica e podem ser instaladas em qualquer lugar com condições técnicas favoráveis.

Além dos projetos de cunho social, como este no Santa Marta, uma fonte secundária de receita da Insolar são instalações particulares, em residências ou estabelecimentos, em que os proprietários arcam com os custos e remuneram a Insolar – algumas já foram feitas no Rio de Janeiro. Michel conta que investir nas placas da Insolar para transformar a luz do sol em energia elétrica tem um payback (retorno do valor gasto) estimado de seis anos, com vida útil dos aparelhos em torno de 25 anos.

Pouca gente sabe, mas uma resolução da Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica) de 2012 diz que “havendo condições técnicas favoráveis, qualquer consumidor de energia no Brasil pode gerar energia para consumo próprio”. É aí, na microgeração de energia fotovoltaica, que a Insolar atua.

Este ano, a Insolar deverá ter ainda uma terceira fonte de receita: ombrelones capazes de carregar baterias de celulares mesmo em dias nublados. A ideia é vender ou alugar as peças. A tecnologia, aqui, é diferente da usada nas placas fotovoltaicas (que são rígidas), pois se baseia em fios finos, leves e flexíveis. O produto está sendo desenvolvido pela própria Insolar em parceria com o Senai e deverá ser lançado no segundo semestre, mas já desperta interesse do setor hoteleiro e de eventos — por não estar patenteado, eles ainda não podem divulgar as imagens.

A PARCERIA QUE NASCE DE UMA INQUIETAÇÃO COMUM

A parceria que originou a Insolar nasceu por acaso. Michel queria colocar placas fotovoltaicas em seu condomínio, enquanto Henrique pesquisava fontes renováveis de energia. Uma amiga em comum percebeu a coincidência de interesses e, em 2013, fez a ponte entre os dois. Além do entusiasmo em relação à energia limpa, Henrique e Michel compartilhavam uma angústia: sentiam que faltava propósito no que faziam. Henrique fala do sentimento: “Pesava muito perceber que a energia que a gente investia no trabalho não retornava para sociedade nem para nós mesmos”.

Ele acumulava dez anos trabalhando em empresas, enquanto Michel era executivo de uma grande corporação. Michel já tinha fundado uma startup (a Voice Call, no setor de tecnologia e telecomunicações) e ter experiência em empreendedorismo ajudou a Insolar a estabelecer processos eficientes desde o princípio, bem como a buscar fontes diversificadas de receita para garantir a saúde econômica do negócio.

O interesse em ações de impacto social e a experiência corporativa da dupla pareciam a combinação perfeita para gerar um negócio social. Mercadologicamente, eles sabiam do potencial da energia solar no Brasil. Ao pesquisar mais sobre o tema, descobriram impactos sociais significativos, como conta Henrique:

“A energia solar combina elementos interessantes de sustentabilidade. Tem o aspecto econômico, já que reduz a conta de luz. Tem impacto ambiental, pois é uma energia limpa. E tem o impacto tecnológico, pois promove uma tecnologia nova”

Em 2013, logo após se conhecerem, os companheiros participaram da Maratona de Negócios Sociais do Sebrae, em que aprenderam mais sobre o modelo de negócio que fundariam. No ano seguinte, Henrique participou da incubadora Shell Iniciativa Jovem, em que transformou a ideia em um plano de negócios completo e tangível – e, de quebra, ganhou o prêmio de empreendimento de maior destaque daquele ano.

Michel Baitelli e Henrique Drumond, os fundadores da Insolar não são engenheiros e se aventuraram na área por vocação.

Michel Baitelli e Henrique Drumond, os fundadores da Insolar, não são engenheiros e se aventuraram na área por vocação.

Com o plano de negócios em mãos, os parceiros formalizaram a iniciativa e conseguiram uma vaga na primeira turma carioca da Yunus Negócios Sociais do Brasil, em 2014, em que refinaram ainda mais a proposta socioambiental da Insolar.

A Insolar também participou do Grand Prix SENAI de Inovação 2014, de onde saiu com o projeto do ombrelone pré-aprovado para o edital de inovação que venceria mais adiante. Em 2015, fecharam todos os incentivos necessários para as instalações no Santa Marta, primeiro grande projeto da Insolar.

Michel acabou deixando a Voice Call por limitações de tempo: não era fácil ser executivo de uma empresa, atuar em duas startups e ter dois filhos pequenos (as crianças têm hoje 3 e 7 anos). Mas ele continua como diretor de uma companhia do ramo de higiene pessoal enquanto toca a Insolar. Para Michel, estar também nas empresas ajuda a entender o que elas buscam ao incentivar projetos de sustentabilidade. Henrique trabalha com projetos de consultoria, mas dedica a maior parte do seu tempo à Insolar.

UMA NOVA TECNOLOGIA TRAZ DESAFIOS DESCONHECIDOS

A Insolar não faz a instalação propriamente dita dos painéis, mas presta uma consultoria global de todo o projeto: busca parceiros para financiamento, assessora a execução, faz o relacionamento com a comunidade, cuida da parte burocrática com as distribuidoras de energia e – o mais importante – costura relações sólidas entre todos esses atores. A articulação entre as partes interessadas é fundamental para a consolidação de um mercado novo. Adriana Maria da Silva, diretora da creche Mundo Infantil, abraçou o projeto e isso é fundamental para que se crie um ambiente propício para o avanço de uma tecnologia nova, num lugar que nunca teve isso.

Henrique lista os desafios do mercado de energia solar: de demanda, oferta, mão de obra, financiamento, tecnologia. “É muita coisa”, diz. “O projeto no Santa Marta, por exemplo, promove energia solar, oferece capacitação e gera visibilidade para a tecnologia, para que surja demanda. Com demanda, as empresas começam a se interessar em trazer a tecnologia ou produzi-la. A gente tenta sempre trazer essa postura holística, não só da geração de energia limpa ou redução de conta de luz, mas uma visão da tecnologia integrada à sociedade.”

Ele detalha como o modelo de cofunding funciona: a iniciativa na Santa Marta conta com o financiamento do Consulado da Alemanha, da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) e da Sitawi Negócios do Bem. “O consulado representa a Alemanha, um país líder em energia fotovoltaica e que tem interesse em promover a tecnologia no Brasil. A Sitawi já apoia projetos relacionados com energias renováveis, então para ela também foi interessante participar do projeto. E o apoio da ANEEL veio por meio do programa de eficiência energética”, diz. Ou seja, a Insolar reuniu diferentes atores, com interesses distintos, em um mesmo projeto de energia solar.

SANTA MARTA, UMA VITRINE PARA O BRASIL

A ideia na Santa Marta começou relativamente pequena, com a instalação de painéis fotovoltaicos na creche comunitária Mundo Infantil, fundada há 30 anos e até hoje administrada por mulheres da comunidade. O projeto inicial também contempla a substituição de lâmpadas comuns por outras de LED, mais eficientes. Haverá, ainda, oficinas de energia solar e eficiência energética abertas à comunidade. Em vez de simplesmente instalar as placas, a proposta é aproveitar a chegada da tecnologia para levar o tema da ecologia, sustentabilidade e eficiência energética aos moradores.

As placas gerarão uma economia anual entre 1.300 e 1.500 reais, quantia significativa para uma creche de orçamento apertado. Recentemente, foram instalados dois aparelhos de ar condicionado para ajudar as crianças a enfrentar o verão carioca mas, antes disso, a conta de luz da Mundo Infantil era de cerca de 300 reais mensais.

O custo total desta primeira fase do projeto (contando os 20 mil reais dos equipamentos, as oficinas e as novas lâmpadas de LED) gira em torno de 30 mil reais. Ao instalar esta tecnologia sofisticada e de alto custo em uma comunidade como o Santa Marta, a Insolar quer passar uma mensagem. “Quando levamos à base da pirâmide o acesso a essa tecnologia, mostramos que ela é possível para pessoas de todos os patamares de poder aquisitivo”, diz Henrique. E a ideia é replicar o modelo em outras regiões do país: “Já há demanda de outras comunidades interessadas na instalação e de outras empresas que querem conhecer melhor este mercado”.

Durante as etapas iniciais do projeto no Santa Marta, a Insolar recebeu uma boa notícia: foi selecionada como primeiro projeto da aceleradora global #makethefuture, da Shell. O valor total do aporte não foi divulgado, mas possibilitará a expansão do projeto com a instalação de placas em outros pontos da comunidade e o treinamento de mão de obra local para atuar no mercado fotovoltaico. A projeção é de 8 000 pessoas impactadas.

Assim como o projeto inicial na Mundo Infantil, a aceleração vinda da #makethefuture tornará possível levar mais placas da Insolar a locais comunitários (pelo conceito social do negócio, eles não atendem gratuitamente estabelecimentos privados nem residências) para possibilitar o uso coletivo da energia gerada. Para definir com legitimidade quais são os locais da comunidade em que a energia solar poderá trazer mais benefícios, não há outro caminho senão ouvir os próprios moradores, por isso a Insolar promoverá pesquisas na comunidade. “A ideia é não só ouvir a comunidade, mas incorporá-la ao projeto. Os pesquisadores são pessoas da própria Santa Marta, e vamos oferecer oficinas de capacitação e treinamento para quem tiver interesse em trabalhar neste mercado”, conta Henrique. A ideia também é usar esta mesma mão de obra em projetos futuros da Insolar.

UMA DEFESA DA INGENUIDADE, DA INTUIÇÃO E DA REDE

Em tom de brincadeira, Henrique diz que até gostaria de ter feito faculdade de engenharia. Não fez. Passou a lidar com uma área técnica por causa da vocação social e admite que isso foi um dos desafios na fundação da Insolar. Um economista e um administrador em um ambiente altamente técnico podem ficar um pouco perdidos.

“Pensamos: a gente para tudo, faz faculdade de engenharia por 5 anos e faz todos os cursos de energia solar? Ou decola e faz os ajustes durante o voo?”

Ao optar pela segunda alternativa, os sócios mal sabiam o tamanho do desafio de instalar energia solar em comunidades. As construções suportam o peso dos equipamentos? Como garantir que ninguém irá levantar uma nova casa e gerar sombra sobre as instalações? Como saber que as placas de material tão valioso continuarão no lugar em que foram alojadas? Felizmente eles não se paralisaram por estes riscos – que, mais tarde, se provariam infundados, pois quando a comunidade se apropria do projeto, se torna corresponsável por ele.

Michel e Henrique defendem a ingenuidade e citam o economista vencedor do prêmio Nobel da Paz Muhammad Yunus: “Quando fundou o Grameen Bank, o professor Yunus falou que, se fosse banqueiro, certamente não teria montado um banco que empresta recursos sem garantia justamente para quem tem, em tese, maior probabilidade de inadimplência. Às vezes o fato de não saber tanto, ou não ser do setor, traz uma visão mais fresca e livre, sem preconceitos. Então a gente pensou ‘vamos instalar painéis fotovoltaicos em comunidades’ e foi fazer”, conta Henrique.

Henrique refinou seu espírito empreendedor em viagens a países como Moçambique e Estados Unidos. Na África, trabalhou como voluntário na ONG TechnoServe, em que era responsável por projetos de micro-franquias de equipamentos de moer grãos em comunidades locais. “Lá, aprendi que com muito pouco é possível fazer muito em prol das pessoas e do mundo”, diz. Na TechnoServe, também percebeu que as ONGs poderiam se beneficiar de processos eficientes aplicados no setor privado – insight crucial para o sucesso da Insolar. Nos EUA, teve a oportunidade de vivenciar o empreendedorismo enraizado na cultura americana.

Henrique (de costas) é abraçado pelos companheiros da incubadora Shell Iniciativa Jovem. Para ele, estar em contato com outros empreendedores é fundamental.

Henrique (de costas) é abraçado pelos companheiros da incubadora Shell Iniciativa Jovem. Para ele, estar em contato com outros empreendedores é fundamental para manter a motivação.

Henrique e Michel não têm dúvidas ao apontar o poder da colaboração como um dos principais aprendizados que tiveram desde a criação da Insolar. Ele diz que, desde a amiga que o apresentou a Michel, até o valioso aporte da aceleradora #makethefuture, tudo se deve à rede de contatos construída com transparência e confiança. As oficinas oferecidas no projeto da Santa Marta, por exemplo, foram possibilitadas graças ao relacionamento ético e transparente que a Insolar mantém com o Sebrae desde a primeira Maratona de que participaram.

Ele também menciona a rede de empreendedores na qual ingressou depois de participar do programa Shell Iniciativa Jovem. Para ele, estar em contato com outros empreendedores, acompanhar pessoas vivenciando desafios semelhantes é um grande motivador para a Insolar. “O nosso proposito é também compartilhar aprendizado. Então, ao fazer parte da rede do Iniciativa Jovem, do Sebrae, da Yunus, estamos constantemente compartilhando e trocando aprendizado para que todos avancemos, seja como negócio social, ou como negócio, ou como empresa de energia”. Comunidades, empreendedores, produtores de tecnologia – o objetivo da Insolar é mesmo fazer o sol brilhar para todos.

DRAFT CARD

Draft Card Logo
  • Projeto: Insolar
  • O que faz: Consultoria e gestão em projetos de energia solar
  • Sócio(s): Michel Baitelli e Henrique Drumond
  • Funcionários: 2 (apenas os sócios)
  • Sede: Rio de Janeiro
  • Início das atividades: 2014
  • Investimento inicial: R$ 10.000
  • Faturamento: ainda não faturam
  • Contato: hdrumond@insolar.eco.br
Veja também:

Como a TudoNosso, uma agência de publicidade digital encravada na periferia, muda negócios e vidas

- 15 de janeiro de 2018
Cristiane e Petter moram em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense, e mudaram a própria vida (e a de muitos ao redor) quando conseguiram trazer o trabalho para perto de casa com a TudoNosso: agora é tudo deles.

A padaria The Slow Bakery, no Rio, é também a história de como colocar a mão na massa para mudar a própria vida

- 16 de novembro de 2017
Rafael Brito Pereira e Ludmila Espíndola aprenderam sozinhos a fazer pão e a gerir um negócio. Hoje, acreditam que a vida não precisa ser tão corrida — e que pode ser reinventada aos 40.