Como, em menos de dois anos, a Arredondar aumentou quatro vezes o impacto de sua iniciativa social

- 18 de maio de 2017
Ari e Nina, do Arredondar, contam como conseguiram aumentar o alcance do projeto.
Ari e Nina, do Arredondar, contam como conseguiram aumentar o alcance do projeto.

Sabe aquelas moedinhas esquecidas no cantinho do seu sofá, no seu carro ou até debaixo do tapete? Juntas, elas podem fazer uma enorme diferença social via microdoação. É isso que move o Arredondar, um empreendimento social que incentiva as pessoas a literalmente “arredondarem” sua conta na hora do pagamento, destinando esses centavos a instituições sociais. Nos últimos dois anos, a ideia tomou corpo e o valor arrecadado aumentou mais de quatro vezes no período. Em nova conversa com o Draft, o economista e investidor social Ari Weinfeld, 58, conta que até hoje seis milhões (ante 1 milhão há dois anos) de pessoas já “arredondaram” suas contas, destinando quase 850 mil reais (há dois anos, 197 mil) a projetos sociais. A outra diretora e sócia, a administradora Nina Valentini, 29, não participou da entrevista dessa vez porque está de licença maternidade.

Em 2015 a história do Arredondar apareceu no Draft pela primeira vez (clique na imagem para ler a reportagem).

Em 2015 a história do Arredondar apareceu no Draft pela primeira vez (clique na imagem para ler a reportagem).

Como funciona o Arredondar? Ao comprar, por exemplo, um par de meias de 15,80 reais, pode-se arredondar, no caixa, o valor para 16 reais – e esses 20 centavos são destinados a uma das organizações sociais selecionadas pelo Arredondar (todas alinhadas com os Oito Objetivos do Milênio). Esta doação não é tributada, e o doador recebe um comprovante já na boca do caixa, com informações sobre o Arredondar — que não tem fins lucrativos e pode, no futuro, usar 10% do que doa para pagar seus custos administrativos (hoje isso ainda não é necessário, pois o investimento inicial ainda sustenta a operação).

A ideia do Arredondar é simples, democrática e de impacto social direto – e o reconhecimento disso veio em 2016, quando o projeto conquistou dois prêmios que são o supra-sumo do Terceiro Setor: o primeiro, de Desafio de Impacto Social promovido pelo Google, e o Prêmio Folha de Empreendedor Social (este, para Nina Valentini). Ari fala sobre o “segredo” do Arredondar:

“Passamos seis anos elaborando um modelo em que o varejista praticamente não pudesse dizer não”

Ele prossegue: “Para recusar, ele tem que falar que não quer doar. Todos os outros empecilho nós resolvemos. Na prática, é importante que ele lembre a seus clientes que esta é uma oportunidade de fazer algo bacana para a sociedade.” O Arredondar já está presente em 530 lojas entre Rio e São Paulo, contabilizando em média 12 mil pessoas arredondando o valor de suas compras todos os dias. “Mas precisamos de muito mais”, afirma Ari.

O PLANO É CRESCER AINDA MAIS

Este ano, eles estão expandindo e levando o sistema para além de Rio de Janeiro e São Paulo, alcançando lojas em Minas Gerais, Espírito Santo e Pernambuco. Em paralelo, até o final do ano eles também vão aumentar de 40 para 70 o número de ONGs beneficiadas pelas doações. No site há uma relação de todas.

Também em comparação à primeira vez que apareceu aqui no Draft, o Arredondar aumentou de forma significativa sua entrada em lojas parceiras, operando no pequeno, médio e grande varejo, com a entrada de marcas conhecidas, como Havaianas e a rede de supermercados Pão de Açúcar. Ari conta como isso gera uma espiral positiva:

“A parceria com o Pão de Açúcar é um certificado de credibilidade: para estarmos lá, não podemos afetar a área tributária, fiscal nem de TI da empresa”

No dia-a-dia das operações, o Arredondar tem, pelo menos, três grandes desafios. O primeiro é fazer com que os varejistas entendam que mesmo mexendo na área tecnologia de seu negócio, nada será afetado. “Demora muito até que eles percebam que trata-se de um processo fácil. Além disso, somos o último assunto deles, pois os diretores financeiros têm outras preocupações como prioridade e ajudar o  Terceiro Setor não é uma delas”, diz.

ESTÁ BOM, MAS NÃO ESTÁ FÁCIL

O segundo desafio é fazer com que o funcionário que trabalha no caixa pergunte ao consumidor – e explique – se ele quer arredondar. A pergunta, porém, só vem depois de questionar se o cliente quer informar o CPF para a nota fiscal, se o cartão é de débito ou crédito, se ele quer parcelar, se quer saquinho plástico, se quer recarregar o celular. Por último, pergunta-se se ele quer arredondar. “Um caixa mexe com dinheiro, com fila, com pessoas sem paciência, então é um grande desafio fazer este treinamento”, conta Ari. Mas, com um trabalho de formiguinha, eles têm conseguido fomentar a cultura da doação.

A prestação de contas, além de estar no site, também aparece nas redes sociais do Arredondar.

A prestação de contas, além de estar no site, também aparece nas redes sociais do Arredondar.

Maria Besser, que trabalha no Arredondar e participa diretamente dos treinamentos das vendedoras e caixas conta que já é possível ver uma postura diferente. “Elas gostam do novo hábito de doar, de escutar sobre o trabalho de ONGs, da colaboração para um Brasil invisível. Estamos plantando uma semente”, diz. Maria conta que os treinamentos variam de acordo com cada loja: alguns são presenciais, outros à distância via uma plataforma desenvolvida pelo próprio Arredondar. Um grande problema do varejo, aponta ela, é a rotatividade de 80% para balconistas, uma taxa altíssima que exige treinamento constante para os muitos novatos que não param de chegar.

O terceiro desafio é lidar com barreira cultural nacional. “Há quem tenha contato com creches ou ONGs no dia a dia, principalmente na periferia, e consegue enxergar sua importância”, diz Ari. Mas ainda é pouco:

“ONG no Brasil é quase um palavrão, sinônimo de algo que não é legal. Mas isso vai mudar, está mudando”

Ele acredita, porém, que o país “está engatinhando” no sentido de uma melhoria dessa imagem e espera que o preconceito com ONGs possa se reverter em doações mais frequentes, especialmente de quem pode mais. Isso porque, diz, são as pessoas das classes C e D as que mais doam no país.

AJUSTANDO O MODELO PARA QUEM JÁ TEM UMA CAUSA

O Arredondar oferece dois modelos de operação para os varejistas. O primeiro é feito para os que ainda não tem “uma causa” ou um departamento que cuida de Terceiro Setor. Para este, o dinheiro é destinado para as ONGs do Arredondar. O segundo modelo foi criado para varejistas maiores, muitas vezes já engajadas em alguma ONG. Desta forma, o Arredondar certifica se a organização segue seus critérios. Se aprovada, metade do dinheiro vai para a ONG escolhida pelo varejista, e metade vai para o portfólio do Arredondar.

Um dos varejista, por exemplo, pediu que os arredondamentos feitos em sua loja impactassem o meio-ambiente. Por meio de uma organização, foram plantadas 734 árvores – é um retorno tangível. Ari conta que o dinheiro recebido pela ONG é usado da forma que a ONG escolher. Sabendo que elas são idôneas, confia-se que será uma verba bem usada. Ele diz, também, que é importante que o Arredondar não seja a única fonte de receita da ONG: “Não queremos esta dependência. Para participar, é preciso ter outros mantenedores”.

A equipe de oito pessoas do Arredondar (há dois anos eram cinco) coleciona casos de pessoas que doaram pela primeira vez por causa da oportunidade oferecida nas lojas. “Sabemos que o brasileiro gosta de doar, mas não sabe como, ou tem medo. No Brasil se começa com o acordo de desconfiança – e não da confiança”, conta Ari. Por ser pioneiro nesta área, eles não têm concorrentes. “Loucos, só nós,” brinca ele. Na verdade, ele considera “concorrentes” os frentistas e os garçons, por trabalharem em pontos-de-venda onde não se pode arredondar para não competir com a gorjeta destes profissionais.

A PRÓXIMA FRONTEIRA É DIGITAL

Por estas e outras, o fundador conta que o Arredondar está de olho no e-commerce, onde não há intermediários entre o cliente e a compra, e pode-se manter contato com os consumidores por email depois que ele arredonda. O desafio, diz, será encontrar a maneira de fazer o cliente topar a doação sem que tenha de apertar mais um botão antes de finalizar a compra (as taxas de desistência aumentam conforme aumentam as etapas antes do fim da compra online).

Na visão de Ari, a internet ajudaria também em outra frente: a crise econômica brasileira fez com que diversas lojas parceiras do Arredondar fechassem. “Por outro lado, como temos 2 milhões de desempregados, as pessoas querem fazer algo positivo para ajudar. Arredondar é uma boa forma. Este modelo tem em poucos lugares do mundo e o mais parecido com o nosso vem da Alemanha, onde as pessoas já chegam na loja e falam que querem arredondar.” Além de focar em mudar esta realidade, Ari almeja algo maior: ver brasileiros chegando no caixa com a mentalidade dos alemães, loucos para colaborar.

Veja também:

Social Docs, uma produtora especializada em contar a história de projetos sociais

- 17 de julho de 2017
Marcelo e Henry têm cada um uma produtora, mas se associaram para criar a Social Docs, especializada em negócios não lucrativos.

A Phomenta faz gestão de fundos filantrópicos e leva profissionalismo à cadeia de organizações sociais

- 17 de abril de 2017
Em busca de unir trabalho e impacto social, Izadora Mattiello e Lorhan Caproni criaram uma organização que oferece serviços híbridos, desde auditoria social até gestão filantrópica (foto: Maria Frazão).

Como o marketing pode ajudar ONGs? A Calhau Social é um caminho – e busca se firmar como negócio

- 27 de março de 2017
Sheila, Thiago e Marcia, da Calhau Social.

Verbete Draft: o que é Negócio Social

- 16 de dezembro de 2015
O indiano Muhammad Yunus criou, na década de 1970 um banco de microcrédito que revolucionou o seu país. Desde então, sua organização acelera e incentiva o surgimento de mais Negócios Sociais pelo mundo, inclusive no Brasil (foto: reprodução internet).