SPONSORS:

Conheça a Baita, uma aceleradora que escolhe as startups pelo propósito

- 25 de novembro de 2014
A Baita oferece para empresas projetos de inovação corporativa baseados na metodologia lean startup

Rosana Jamal Fernandes, 54, é um nome importante na cidade de Campinas, no mercado de tecnologia brasileiro e, agora, no ecossistema empreendedor de boa parte da região no interior paulista. Talvez porque sua história se confunda com tudo isso.

Co-fundadora da aceleradora Baita, uma das parceiras do programa Startup Brasil, Rosana e seus seis sócios trabalham duro para incentivar não só o empreendedorismo na região, como também para alavancar as inovações dentro do mercado nacional de hardwares.

A articulação com Campinas não é por acaso. Com um terreno extremamente fértil à inovação, a cidade tem diversas instituições trabalhando para alavancar o empreendedorismo na região.

A veia empreendedora da cidade parte de seu coração, a Unicamp. De lá saíram centenas de engenheiros, economistas, administradores e outros profissionais que abriram negócios bem sucedidos. Alguns voltaram à universidade para retroalimentar o sistema, criando iniciativas como a Agência Inova (focada em incentivar a inovação na Unicamp), ou ainda a Unicamp Ventures, a rede de investidores ex-alunos da universidade da qual Rosana é presidente.

EU SÓ QUERIA MUDAR O MUNDO

Rosana formou-se em Ciências da Computação pela Unicamp em 1981 e seu interesse por tecnologia é antigo. “Desde criança eu sabia de duas coisas: que queria trabalhar com exatas e que queria mexer com coisas palpáveis”, diz.

Rosana Jamal e Oswaldo Fernandes (à dir.), da Baita, no CASE 2014.

Rosana Jamal e Oswaldo Fernandes (à dir.), da Baita, no CASE 2014.

Ela estagiou no Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Telecomunicações (CPqD), onde foi efetivada e trabalhou com redes de comunicação de dados (percussor da internet) chegando a ser responsável pela implantação de telefones públicos com cartão em 1992. Rosana ficou no CPqD até 1998, quando saiu como gerente de seção.

De lá, foi para o departamento de pesquisa e desenvolvimento da Motorola e montou o primeiro grupo de desenvolvimento de softwares para celular do Brasil. Em nove anos, tornou-se diretora de software na América Latina e, na sequência, diretora de produto no continente.

“Quando fui trabalhar com pesquisa e desenvolvimento, eu brincava que eu ia fazer bem para o Brasil porque meu objetivo era trazer algo de novo para o país”

Em 2012, a Motorola foi vendida ao Google e, por razões estratégicas, o time de Rosana foi desfeito. Era hora de mudar. “Foi quando apareceu Renato Toi, amigo e empreendedor serial, que me chamou para dar mentoria a alguns empreendedores. Então, percebi que toda aquela minha carga de experiência poderia ser útil para as pessoas”, diz ela.

Disso veio a ideia de montar um curso para trazer pessoas com experiência corporativa ao mundo das startups. “Pensávamos em montar uma aceleradora, porque percebíamos que o ecossistema de Campinas era muito rico, mas havia espaço para uma empresa desse tipo. Todo o processo de validações e testes acabou na consolidação da Baita em junho de 2013”.

FAZENDO A PONTE ENTRE DOIS MUNDOS

É neste cenário com programas, grupos de incentivo à inovação, investidores, empreendedores experientes e alunos que surge a Baita. A aceleradora tem a missão de trazer mentalidade empreendedora para o mundo corporativo e, também, de trazer a experiência do mundo corporativo para empreendedores.

“Temos uma rede de contatos muito forte. Quando conversamos com alguém e vemos brilho no olho, chamamos para conversar e acabamos captando essa pessoa para ser mentor, conselheiro ou até mesmo investidor”

Rosana conta que muitos vão para o Unicamp Ventures. “Vários dos mentores de lá fizeram nosso curso. A gente vê que conseguimos articular isso bem”, diz.

Uma das grandes forças da Baita é o seu time, formado por uma equipe complementar e experiente. Ao lado de Rosana estão: José Antonio Scodiero (há mais de 25 anos na área de tecnologia e startups), Oswaldo Fernandes (trabalhou em empresas como Motorola, Scientific-Atlanta e Flextronics nos setores de alta tecnologia e de serviços), Rodolfo Baccarelli (há 30 anos no mercado de computação, que coleciona entre seus títulos um de “responsável pela implantação da internet no Brasil”), Renato Toi (há 30 anos trabalha com tecnologia, nos últimos 14 tornou-se investidor de startups), Maria Scamilla Aledo (foi Diretora de Pesquisa e Desenvolvimento na Johnson & Johnson onde trabalhou por 23 anos) e Cristina Nogueira (há 25 anos atua como estrategista em empresas como Itautec, SAP e Microsoft).

Acelerar é interagir: Renato Tói (ao centro), orienta um grupo em estande da Baita.

Acelerar é interagir: Renato Tói (ao centro), orienta um grupo em estande da Baita.

Apesar de já terem passado por diversas áreas tecnológicas, os sócios da Baita optaram por focar em hardware, acompanhando um movimento mundial, que está voltando os olhos a esse lado da tecnologia.

O interesse especial pelo hardware não é uma escolha arbitrária ou nem a tentativa de acompanhar os movimentos internacionais, mas vem do histórico e perfil dos fundadores da aceleradora.

FAZENDO ACONTECER

Desde que surgiu, no meio do ano passado, a Baita vem articulando o mundo corporativo com o empreendedor, evangelizando ambos os lados. Nesse meio tempo aceleraram apenas uma empresa, a Opusphere, focada em trazer processos de gamefication parade dentro das corporações. Eles escolheram apenas esta, quase como que para validar seus processos de trabalho.

No início do ano se tornaram uma das parceiras do programa federal Startup Brasil, que concede bolsas de até 200 mil reais aos envolvidos com as startups escolhidas.

Agora, preparam uma turma que deverá ter quatro ou cinco startups, contando com a ajuda também do governo federal. Rosana diz que as empresas ainda não podem ser reveladas porque a aceleração não começou. Elas serão aceleradas no núcleo da Softex, dentro da Unicamp.

Independente dos processos com essa primeira turma, a Baita já pensa na próxima. Até agora, eles funcionam com capital próprio (que, segundo Rosana, é impossível mensurar porque varia o tempo todo). Mas, nas próximas rodadas, pretendem criar uma “Baita Participações”, para trabalhar em um modelo semelhante ao de sociedade anônima, aceitando aporte tanto de pessoas físicas quanto jurídicas.

Há outras parcerias em que eles estão envolvidos. O espaço Ocean, da Samsung, que oferece capacitação tecnológica e empreendedora é uma. Com sedes em São Paulo e Manaus, o projeto conta com aulas de executivos da Baita. “Lá tivemos discussões importantes sobre como usar sobre o potencial de usar o empreendedorismo, pois não queremos só ensinar a pessoa fazer um cursinho, montar um app – e sim a ter um objetivo. Isso é algo que nós acreditamos muito”, diz Rosana. Desde que surgiu, a Baita tem o lema claro de sempre escolher startups com propósito.

“Não vejo por que fazer algo por fazer. Prefiro algo que resolva problemas na vida de alguém. Não adianta ter um projeto lindo e maravilhoso e não se perguntar a razão de estar fazendo aquilo”

Rosana prossegue, com sua visão de mundo sobre quais startups acelerar: “Tem gente que não resolve o problema de ninguém – a não ser o próprio. Não há nada de errado com isso, eles faturam bem… mas faz sentido? Quando aceleramos alguém estamos apostando em pessoas, só vamos abraçar de verdade um projeto se acreditarmos nele”.

Veja também:

Como o parque tecnológico TECNOPUC, em Porto Alegre, trabalha para criar mil startups em dez anos

- 16 de agosto de 2018
9843 7 0

Depois de ajudarem a tornar a Netshoes um fenômeno, eles criaram a Organica para acelerar outros negócios

- 24 de julho de 2018