SPONSORS:

Easy Carros, marketplace para serviços automotivos

- 22 de abril de 2015
Detalhe do site.
Detalhe do site.

Nome:
Easy Carros

O que faz:
Conecta donos de carros a prestadores de serviços para automóveis. No momento, focam em serviços de higienização e estética automotiva, como lavagem ecológica, polimento, enceramento, limpeza de motor etc. Os serviços podem ser contratados e agendados tanto pelo site da empresa quanto pelo aplicativo para Android ou iOS. E o prestador de serviço vem até o cliente.

Que problema resolve:
Por um lado, pessoas que procuram serviços automotivos, ganham tempo com praticidade e comodidade. Por outro, permite que qualquer empreendedor do setor divulgue seu negócio, fazendo com que suas vendas aumentem.

O que a torna especial:
Simplifica a relação do dono com seu carro. Com poucos cliques, o usuário pode ter um prestador lavando seu carro na sua garagem.

Fundação:
Janeiro de 2015.

Modelo de negócios:
Recebe uma comissão sobre os serviços vendidos pela plataforma.

Sócios:
Fernando Saddi (CEO).
Murillo Freitas.
Flávio Almeida.

Perfil dos fundadores:
Fernando Saddi – iniciou sua primeira empresa em Boston, EUA, quando tinha 17 anos estudava na Babson College. Foi CEO e co-fundador do Airu, marketplace do grupo Rocket Internet.

Como surgiu:
O Easy Carros surgiu de um impasse de seu próprio fundador, Fernando Saddi, que não dispunha de tempo para mandar o carro ao lava-rápido. Um dia, seu amigo Tallis Gomes, ao ver a situação do carro do Fernando no estacionamento do escritório em que trabalhavam, e juntos eles tiveram a ideia de criar “um Easy Taxi para serviços automotivos”.

Estágio atual:
Está operando desde janeiro e, segundo os fundadores, realiza centenas de transações por mês. Funciona em São Paulo, Campinas, Belo Horizonte e Rio de Janeiro. Já possui uma equipe de mais de 20 pessoas em seu escritório, em São Paulo.

Aceleração:
O Easy Carros é a primeira empresa criada pela venture builder eGenius, recém-lançada por Tallis Gomes. A venture builder não funciona como uma aceleradora, mas é uma empresa que monta empresas. A ideia é que a companhia realmente entre na operação colocando a mão na massa junto com os empreendedores. Fazem isso para escalar os negócios mais rapidamente e tentar diluir os riscos.

Necessidade de investimento:
Está levantando a sua rodada de Series A.

Investimento recebido:
Conseguiram investimento anjo, de valor não revelado.

Mercado e concorrentes:
Atuam como marketplace de serviços. Não consideram que tenham concorrentes diretos.

Maiores desafios:
“Nosso maior desafio tem sido crescer na velocidade que nossos clientes demandam. Temos recebido pedidos de várias cidades pelo Brasil e estamos expandindo rápido, mas precisamos crescer ainda mais para permitir. Nosso gargalo hoje é a falta de crescimento da operação”, diz Saddi.

Faturamento:
Não informado.

Previsão de break-even:
Não informado.

Visão de futuro:
A grande visão do Easy Carros é mudar a maneira como as pessoas se relacionam com os carros. Hoje, fazemos isso através de um marketplace de serviços, mas estamos criando a base para que o relacionamento com seu automóvel seja como um toque de mágica: clique um botão e qualquer problema será resolvido. Temos muito planos para alcançar isso, alguns já estão começando a ser executados. Acredito que estamos no caminho para mudar a maneira como todos se relacionam com os carros”, diz Saddi.

Onde encontrar:
Site
Email

Você tem uma startup que já é mais do que um sonho mas ainda não é uma empresa totalmente estabelecida? Escreva para a gente. Queremos conhecê-lo. E, quem sabe, publicar um perfil da sua  iniciativa aqui na seção Acelerados. Esse espaço é feito para que empreendedores como você encontrem investidores. E para que gente disposta a investir em novos negócios encontrem grandes projetos como o seu.

 

Veja também:

“Meu mercado estava em crise. Não fiquei parado esperando ele morrer”

- 9 de agosto de 2016
Guilber tem 32 anos. Antes de ser fotógrafo, foi faxineiro, pedreiro, garçom. Hoje ele empreende na Bufalos TV.

Juliano Barata e o case FlatOut. Ou como se tornar um empreendedor de comunicação porque é ou isso ou nada

- 17 de maio de 2016
Juliano Barata, do site FlatOut, tornou-se empreendedor não porque quisesse, mas porque não havia outra alternativa (foto: Fábio Aro).