A Cientista que Virou Mãe – e disse não à violência obstétrica

- 28 de janeiro de 2015
Ligia Moreiras Sena, a Cientista que Virou Mãe, com Clara: pelo fim da violência obstétrica
Ligia Moreiras Sena, a Cientista que Virou Mãe, com Clara: pelo fim da violência obstétrica

“Eu estava totalmente focada na carreira e tinha acabado de concluir um doutorado em farmacologia quando descobri que estava grávida. Até então, não tinha muitas informações sobre gestação, parto e de como cuidar de bebês. Comprei um livro, grande e caro, sobre o assunto, que pouco me esclareceu. Queria saber, na verdade, como criar meu filho de maneira não-violenta e não-consumista. Quando fui à médica, ela quis agendar o parto, oito meses antes. Logo procurei outro profissional e fui atrás de mais informações.

“Descobri dados alarmantes sobre a violência obstétrica no Brasil. O número de cesarianas é maior do que o recomendado. E muitas mulheres são expostas a situações terríveis na hora do parto. Algumas amigas, inclusive, já haviam passado por momentos assim.

“Logo depois que a Clara nasceu, há quatro anos, fui aprovada em um pós-doutorado, também em farmacologia. Decidi começar o curso, mas continuei amamentando e passando o maior tempo possível com ela, pois sabia da importância do nosso vínculo naquele momento. Em meio às pesquisas, me deparei com um conflito: estava ajudando a desenvolver mais e mais remédios, sendo que sou contra o uso excessivo de medicamentos. Decidi abandonar o curso.

“Em 2011, li uma pesquisa que me chocou: uma a cada quatro parturientes no Brasil sofre algum tipo de violência obstétrica. A esta altura já tinha um blog em que compartilhava minhas experiências, com mais ou menos 400 visualizações por dia. Aproveitei para fazer uma pesquisa informal com as leitoras sobre isso, e vi que ela poderia dar origem à minha segunda tese de doutorado. Já estou no último ano e 1 400 mulheres devem participar das entrevistas (hoje, o site Cientista que Virou Mãe tem cerca de 4 mil acessos diários).

“Também produzi o documentário Violência Obstétrica – A Voz das Brasileiras e escrevi o livro Educar sem Violência. Meu pagamento por esse trabalho é ouvir que ajudei mulheres a superar traumas e, em muitos casos, criar coragem de ter o segundo filho. O objetivo, ao concluir o doutorado, é que os dados coletados sirvam para gerar resultados efetivos, formulando leis de combate à violência obstétrica.”

 

Ligia Moreiras Sena, 36, bióloga, vive em Florianópolis (SC).

 

Esta matéria, e muitas outras conversas de marca da Natura, podem ser encontradas na Sala de Bem-Estar, no Rede Natura. Seja bem-vindo!

Envie a sua história para a gente. A Natura quer conhecê-la. A Natura quer publicá-la.

Veja também:

Verbete Draft: o que é Hackathon

- 5 de julho de 2017
Na foto, um Hackathon promovido pela Natura. Como uma "maratona", o Hackathon é uma corrida longa, que pode durar dias. Mas não há um vencedor e o objetivo é os desenvolvedores criarem juntos a solução para um problema. Entenda.

“Não dá para fazer coisas audaciosas sem ter coragem e capacidade de colocar em risco sua reputação”

- 22 de dezembro de 2016
Andrea Alvares, VP de Marketing da Natura e membro do Comitê Executivo da empresa.

Verbete Draft: o que é Cocriação

- 2 de dezembro de 2015
A Co-criação acontece quando pessoas de fora de uma empresa são chamadas a participar de um processo criativo para, na maior parte das vezes, o desenvolvimento de um novo produto (imagem: reprodução Human Talents Academy).

“Há muita coisa sobre a gravidez – e sobre a maternidade – que ninguém diz. Eu resolvi falar”

- 31 de agosto de 2015
Thais Cimino, com Vida. criadora do Projeto Precisamos Falar Sobre Isso, uma plataformam para "reunir desabafos de mulheres que se depararam com coisas sobre as quais a maioria das pessoas prefere silenciar – e que não encontram ajuda ou apoio para falar sobre isso".