SPONSORS:

Ele registrou em cartório o primeiro clube de cannabis do país. E tudo começou com um coworking de advogados

- 21 de setembro de 2017
Fernando Santiago, empreendedor do ramo de coworkings, tornou-se um especialista em mercado canábico e não tem vergonha disso: "É preciso sair do armário". (foto: Luís Tajes)
Fernando Santiago, empreendedor do ramo de coworkings, tornou-se um especialista em mercado canábico e não tem vergonha disso: "É preciso sair do armário". (foto: Luís Tajes)

O brasiliense Fernando Santiago, 35, formou-se em direito, mas nunca exerceu a advocacia. Costuma dizer que, em vez de pagar a OAB, é a OAB que lhe paga. Tornou-se professor da Escola Superior da Ordem do Distrito Federal e de São Paulo, para ensinar aos advogados o que eles não sabiam: administrar os próprios escritórios. Em 2013, decidiu unir o conhecimento em gestão aos contatos no meio jurídico para empreender em um modelo de negócios que ganhava corpo no Brasil. Apostou no coworking. E inovou: criou o primeiro espaço exclusivo para advogados no país. De lá para cá, abriu o leque, mudou e cresceu.

Hoje, a 55lab tem três espaços colaborativos em Brasília. Juntos, devem faturar até o fim do ano 1,8 milhão de reais. Fernando planeja expandir para São Paulo e tem representantes em São Francisco e em Londres. Ele também presta consultoria para empresas e para quem deseja empreender em um nicho promissor e pouco explorado: o mercado legal da maconha. É um ativista dessa causa. Voltaremos ao tema. Antes, o coworking de nicho.

O PRIMEIRO COWORKING NÃO DEU CERTO

Existem 810 espaços de coworkings no país, segundo o Censo Coworking Brasil 2017. Só no último ano, houve um aumento de 116% no número de escritórios compartilhados. Como garantir um crescimento exponencial quando a concorrência fica cada vez mais forte? “Governança”, diz Fernando. Ele conta que não apenas criou um espaço onde as pessoas pudessem trabalhar com acesso a internet, sala de reunião, serviços de apoio, estímulo ao networking. Fez mais: aproximou-se dos clientes, quis conhecer seus negócios e, assim, identificou potenciais e deficiências. Passou, portanto, a oferecer consultoria e também a contratá-los. Ele conta:

“Criamos um ecossistema. Hoje, 70% dos clientes do 55lab contratam nossos serviços de consultoria. E eu também contrato os de muitos deles”

As consultorias não vieram por acaso. São produto da formação e da experiência de Fernando. Ao fim do curso de direito e de uma temporada em Londres, ele foi para Belo Horizonte fazer uma pós-graduação em gestão de negócios na Fundação Dom Cabral. Na sequência, foi para Nova Lima (MG) e fez a chamada imersão, o PCR (Plano de Capacitação para Resultados).

Já em Brasília, passou a dar aulas na Escola Superior da OAB. Fez o mesmo em São Paulo, para onde migrou por amor. Juliana Guimarães Santiago, 31, hoje sua mulher e sócia, estava morando lá. Na capital paulista, ensinava aos advogados a gerir seus escritórios, descobrir novas áreas de atuação, avaliar tendências de mercado e as necessidades de inovação tecnológica. Sem escritório fixo, ele usava a estrutura de coworking para trabalhar. Foi aí que teve um insight.

Fundou o 4legal, primeiro coworking exclusivo para advogados no país. Montou o negócio em Brasília, onde tinha muitos contatos, e deixou a administração a cargo de sócios. A estratégia, porém, deu errado e ele se desligou do negócio. O empreendedor fez as malas e voltou para a capital federal com Juliana, que hoje é responsável pela área de marketing e novos negócios da operação, que migrou de volta com eles. Ao retomarem o controle, rebatizaram o espaço como 55lab, abriram para outros profissionais além do meio jurídico e ganharam investidores. A empresa assina a carteira de sete funcionários e tem mais sete contratados como pessoa jurídica. Outros são chamados de acordo com a demanda.

O espaço Work é mais corporativo e oferece serviços na categoria premium (foto: Daniel Galvão).

O espaço Work é mais corporativo e oferece serviços na categoria premium (foto: Daniel Galvão).

Atualmente o 55lab tem três espaços distintos. O primeiro e maior é o Work, mais corporativo, se encaixa na categoria premium, fica no miolo de Brasília, no Setor de Autarquias Sul. Fatura 1 milhão por ano e paga sozinho a conta dos três. O segundo, chamado House, é mais descontraído, com cozinha compartilhada, piscina, área de descompressão, voltado a empreendedores que buscam mais produtividade com liberdade criativa. Fica no Lago Sul, área nobre da capital federal, e surgiu a partir de um cliente que precisava crescer, mas queria continuar compartilhando seu espaço de trabalho.

O terceiro e mais recente é o Store. Além de coworking, funciona como um laboratório, onde os usuários podem colocar produtos ou serviços para testar no mercado. Por exemplo, se vende camisetas pela internet, deixa amostras na loja; se planeja montar um café, usa o espaço para criar o cardápio. Também inaugurou o conceito de “anticafé” – onde cada um pode usar a cozinha ou se servir de comidinhas e bebidas, que ficam à disposição sem custo. A cobrança é pelo tempo e não pelo que se consome.

AJUDA CERTEIRA PARA STARTUPS E NEGÓCIOS CRIATIVOS

Fernando calcula ter, hoje, 350 clientes e diz que pelo menos 18% deles ainda são do meio jurídico. Mas, em sua cartela, há desde grandes empresas a startups em início de operação. Quando a Uber, por exemplo, quis se instalar em Brasília, precisava de ajuda para uma série de providências, como traduzir contratos, entender a legislação, conseguir um alvará, entre outras burocracias. O 55lab abriu esses caminhos. Também destravou processos para o Cabify e para muitas empresas estrangeiras.

Se o Banco do Brasil quer inaugurar um espaço colaborativo ou a Universidade Católica de Brasília precisa desenvolver um programa de startups, Fernando cria modelos, monta os espaços e ajuda a torná-los rentáveis. Ou seja, ele desenvolveu um mix de produtos e serviços que extrapola a questão de oferecer um lugar com estrutura para as pessoas trabalharem e promover a interação entre elas. Ele acredita que o modelo de coworking é sem volta. E dá conselhos a quem pretende empreender no setor:

“É preciso estar atento às tendências. Com muitos coworkings, vai ficar mais forte o escritório de nicho. E é preciso focar no atendimento. Só alugar o espaço não dá”

Os clientes que contratam a consultoria do 55lab são empresas que já faturam a partir de 400 mil por ano. A ideia é ajudá-los a crescer com um tripé: financeiro, comunicação e vendas. Mas as demais também podem receber capacitação. Para as startups, especialmente, há um braço do 55lab: o Acelere.me. Espécie de laboratório colaborativo de negócios, conecta empreendedores a mentorias, parceiros estratégicos e fontes de recursos.

O 55lab Store é lugar para trabalhar, experimentar, participar de capacitação (foto: Bruno Aguiar).

O 55lab Store é lugar para trabalhar, experimentar, participar de capacitação (foto: Bruno Aguiar).

Vinculado a ele está o programa de aceleração chamado Maratona Ignition. O evento seleciona 10 equipes que têm 48 horas para desenvolver suas ideias e transformá-las em um modelo de negócio. Uma delas ganha dinheiro e consultoria para colocar a empresa em prática. “É um tapa na cara para falar das dificuldades que existem na hora de empreender e definir metas”, explica Fernando.

A primeira maratona foi direcionada a empreendedorismo social. Saiu vencedora a be.cause, uma marca de camisetas, que propõe uma inversão na lógica da cadeia produtiva de moda: trabalha com tecido 100% orgânico e tingimento natural, usa mão de obra de ex-presidiários e reserva 20% do que ganham para uma causa social.

MACONHA É UM NICHO DE MERCADO COM ENORME POTENCIAL. PONTO

A segunda maratona reuniu projetos de empreendedorismo life style, focado no mercado legal da cannabis. Fernando conta que, mesmo sem fazer muito esforço de mídia e publicidade, 53 projetos foram inscritos. Desses, 18 tinham potencial e 10 foram selecionados. O objetivo era mostrar que as pessoas podem empreender nesse setor.

O vencedor foi o Plantando a Paz Produções, que tem como principal objetivo ser uma fábrica de ideias a favor da legalização da maconha no país. Vai promover eventos e publicações voltadas ao mercado canábico. Durante a maratona, o idealizador, Mauro Leno, recebeu consultoria para estruturar sua ideia em um negócio, torná-lo rentável, sustentável a longo prazo, além de orientações sobre como apresentá-lo à sociedade. Muitos outros projetos tinham potencial, como um centro de terapias com cannabis medicinal, uma miniestufa automatizada, uma produtora de conteúdo.

Fernando não criou um evento para tratar sobre o mercado legal da maconha por acaso. Desde 2014, usa o seu conhecimento jurídico para facilitar o acesso a novos negócios nesse setor. Estudou a experiência de outros países, tornou-se um dos principais membros de uma comunidade virtual que reúne 60 mil pessoas, o Growroom, uma plataforma de apoio a cultivadores domésticos. Nesta seara, estão desde as pessoas que precisam de medicamentos à base de cannabis quanto os que fazem uso social – ele rechaça o termo recreativo. “Ninguém diz que consome álcool de forma recreativa, diz que faz uso social, é a mesma coisa.”

Hoje, é um porta-voz do tema no Brasil. Dá palestras até para policiais. Chamado pela escola Perestroika para ajudar a fazer um evento sobre o tema, reuniu 200 pessoas. Depois disso, passou sete meses dando consultoria àquele público. Ele fala da procura em interessado em empreender neste nicho:

“Aparece muito mais gente séria me procurando do que doidão. As pessoas querem falar de mercado canábico, fazer negócios. Não tem apologia, só coisa lícita”

E prossegue: “Me procura, por exemplo, um professor da UnB que quer produzir fibra a partir do cânhamo ou os veganos, porque há estudos sobre a proteína da semente, sobre azeites. Não estou nisso por oba oba”.

Outro exemplo: um grupo de estudantes da UnB, que têm uma pesquisa sobre cosméticos feitos com cannabis. Hoje, por ter a privação legal, eles não conseguem nem matéria-prima para fazer um protótipo de forma regular. “A Body Shop vende produtos de cannabis no mundo inteiro. Como competir? É a mesma coisa com os remédios. Aqui sai caro”, diz Fernando.

O empresário sabe, no entanto, que o tema é sensível. Sabe que a droga é um meio de vida em muitas comunidades carentes e que o tráfico se aproveita de todo movimento, inclusive o legítimo. Mas acredita que explorar esse potencial é um caminho sem volta. Em dois anos, o mercado legal da cannabis será importantíssimo para a geração de riqueza no país. Até que a Justiça decida sobre a legalização da maconha, ele atua num limbo jurídico.

Como garantir um salvo-conduto para pessoas que cultivam a planta para consumo próprio, seja para fins medicinais, seja para fins sociais? “Hoje, não se consegue autorização legal para cultivar. Brinco que você tem de ser um desobediente civil. Fazer e depois explicar, comprovar que tem renda, paga suas contas, não tem antecedentes e planta para consumo próprio. É uma quebra cultural”, diz.

Ele congrega um time jurídico para garantir a defesa de quem enfrenta problemas com a Justiça. Este ano, registrou em cartório o Clube Social da Cannabis do DF, o primeiro da capital da República e, provavelmente, do Brasil – ele mesmo não tem conhecimento de outro. É uma associação sem fins lucrativos, feita de acordo com os moldes da Encod (European Coalition for Just and Effective Drug Policies), organização governamental europeia concebida em 2005 como forma de permitir a produção e distribuição legal de cannabis para adultos.

Os cinco membros do clube de Brasília se assumem usuários, começam a cultivar e fazem prestação de contas. O objetivo é criar argumentos para que os usuários jamais sejam confundidos com traficantes. Outros registros estão em andamento no Distrito Federal e no Brasil. Fernando conta que muitos cultivadores temem a formalização. O motivo, além da proibição legal, é a interpretação equivocada e o preconceito que ronda os usuários.

“Há advogados, procuradores, empresários que cultivam cannabis, mas temem uma repercussão negativa e o impacto nos seus negócios. Eles têm medo. Eu digo que precisam sair do armário”

Fernando saiu faz tempo. Aparece em fotos com boné que faz alusão à maconha, angaria fundos em sistema de crowdfunding para manter o Growroom, dá palestras e faz lobby com políticos e juristas para defender a causa. Acredita que o momento para empreender neste mercado é agora, ainda que haja limitações legais. “Percebi que o dinheiro em si não está na cannabis, mas no que se tem em volta, nesse lifestyle. É como a tatuagem, que há 20 anos era marginalizada. Hoje tem um tatuador em cada esquina, tem até reality show. A cannabis estará nesse mainstream”, afirma. E está no direito.

Veja também:

O Lilo.zone é um maker space focado em arte tecnológica e, também, um manifesto da economia compartilhada

- 6 de setembro de 2017
1852 5 0
Lina Lopes conta como é estar à frente de um espaço criativo e de experimentação tecnológica, não necessariamente lucrativo, e que se sustenta pela colaboração e venda (esporádica) de projetos.

“Visto a minha dor como uma roupa para levar felicidade às pessoas. Transformo dor em amor”

- 12 de maio de 2017
O advogado Marcelo Turra transformou suas cicatrizes em força para atuar de forma inovadora defendendo direitos humanos - e de animais. Na foto, com Zeca e Fubá.