SPONSORS:

Em Belo Horizonte, a Be Green inaugura a primeira fazenda urbana da América Latina

- 3 de maio de 2017
Os sócios Pedro e Giuliano posam na fazenda, que já produz mini alfaces.
Os sócios Pedro e Giuliano na fazenda, que já produz mini alfaces.

Está em contagem regressiva a inauguração no Brasil, mais precisamente em Belo Horizonte, Minas Gerais, da primeira fazenda urbana da América Latina, e a nona do mundo, sai do papel ainda este mês de maio, com inauguração prevista para dia 11. A Be Green, que tem à frente os sócios Giuliano Bitencourt, 26, e Pedro Graziano, 29, busca tornar a cadeia de alimentos mais sustentável, eliminando um de seus maiores entraves: a distância entre o produtor e o comprador. A ideia da fazenda urbana é justamente cultivar produtos orgânicos o mais perto possível do consumidor. Por exemplo, ao lado de um shopping center.

As hortaliças da Be Green não têm agrotóxicos e serão vendidas a 5 reais a unidade.

As hortaliças da Be Green não têm agrotóxicos e serão vendidas a 5 reais a unidade.

É isso mesmo que eles estão fazendo, ao ocupar uma área externa do Boulevard Shopping com uma estufa de 1 500 m² com capacidade para produzir 40 mil pés de alface baby, e algumas ervas, por mês. Tudo orgânico, sem agrotóxicos.

A vizinhança com o shopping também faz parte do sistema: Giuliano conta que o resíduo orgânico gerado na praça de alimentação será usado para compostagem e que haverá um sistema de captação de água da chuva.

Além da estufa, o complexo da Be Green vai contar também com uma loja, a Casa Horta, para vender os produtos cultivados na fazenda urbana e dar espaço para produtores locais da região. Nos planos há, também, um restaurante “farm to table”, a Casa Amora, com pratos que usem o que é produzido no local. Ele fala do setor em que está inovando:

“Hoje, a cadeia de é ilógica. O alimento viaja 150 quilômetros até chegar ao seu prato. Isso aumenta o custo, o desperdício e não remunera bem o produtor”

E prossegue nessa linha de raciocínio: “Há tanta gente passando fome e nós, aqui, gastando energia, combustível, sol, horas de trabalho para fazer algo que vai para o lixo. Não faz sentido”. Preocupações como esta levaram o empreendedor a estudar administração pública. Movido pelo propósito de “fazer a diferença na sociedade”, cursou a graduação na Fundação João Pinheiro, e, atuando no governo de Minas Gerais, foi um dos fundadores do Seed (Startups and Entrepreneurship Ecosystem Development), em 2013, o primeiro programa de aceleração de startups do país com dinheiro público.

A SEMENTE VEM DE LONGE

Um parênteses para falarmos do Seed. O programa visa tornar o estado um grande pólo de inovação na América Latina. Seu programa acolhe 40 startups por rodada, com capital semente de até 80 mil reais e aceleração. Atualmente, está na quarta edição, e já acelerou mais de 120 startups em três anos. Por causa do Seed, Giuliano teve a oportunidade de conhecer o Media Lab, um projeto do MIT que reúne laboratórios interdisciplinares. Lá, conheceu a proposta inovadora das fazendas urbanas. Com mudança de governo, o Seed parou durante seis meses e quase acabou – o fim do programa só foi impedido por pressão do ecossistema empreendedor que, afinal, ajudou a criar e fortalecer. Fecha parênteses.

O Seed continua ativo, mas a instabilidade fez Giuliano perceber que era hora de empreender no setor privado. A ideia da fazenda urbana não saía da cabeça do jovem criado em Divinópolis, interior do estado. Aquilo remetia à infância, quando frequentava o sítio da família, e ele se sentia revigorado com a possibilidade de fazer esse resgate:

“Quando as pessoas vêm para a cidade, perdem a conexão com a comida. O leite vem da caixinha. É bom mostrar para a criança que alface não vem da geladeira”

Até então, sua forma de manter-se conectado com o campo era alimentando o blog e Instagram Menu do Zé, onde repete as receitas que o pai cozinhava no sítio. Mas era hora de empreender. E Giuliano, então, apresentou a proposta da fazenda urbana para Pedro, um amigo de quando trabalhava no Seed. O sócio também tem uma conexão forte com a terra. Formado em administração pela USP, é natural de Araras, interior de São Paulo, e sua família é de agrônomos e possui um “pesque e pague”, além de criar rãs e coelhos.

COOPERAÇÃO PARA DESENVOLVER O PRODUTO

Em 2014, a dupla arrendou uma fazenda de um amigo em Betim (MG) e deu início à produção de alface crespa orgânica hidropônica. Animados, compraram um caminhão com câmara fria que custou 100 mil reais — e foi roubado quando ainda estava sendo pago. A solução foi conseguir um outro, emprestado, até conseguir ter dinheiro o suficiente para adquirir um usado. Com a pressão maior causada pelo prejuízo, eles decidiram mudar o produto, que era pouco competitivo.

Giuliano conta que ele e Pedro foram à São Paulo fazer uma pesquisa em hortifrutis em busca de outras opções. “Vimos que existia uma linha de alface baby que era mais saborosa e resistia mais tempo na geladeira. Em seguida achamos uma empresa na Holanda, a Rijk Zwaan, que começou a plantar essa semente”, conta. Os holandeses os ajudaram com o desenvolvimento e cultivo do produto, transmitindo conhecimento e trocando P&D. Em contrapartida, os brasileiros abrem para eles os números de produção (variáveis medidas nas plantas) e fazem um evento por mês para difundir o Love My Salads, que é a plataforma de conteúdo da marca. A estratégia agradou.

Com a resposta na mão, foram de supermercado em supermercado, restaurante em restaurante, oferecendo o produto, até conseguirem a garantia de compra dos fornecedores em 60 dias, tempo necessário para a mudança do cultivo. O passo seguinte foi desenvolver uma embalagem que mantém o pé com a raiz e água, permitindo que fique até sete dias fora da geladeira. Isso fez com que o desperdício caísse em até 80%.

QUERO UMA LAJE, ACEITO UM ESTACIONAMENTO

Com uma produção de até 100 mil pés de alface, rúcula, agrião e temperos, em 2016, eles perceberam que o negócio tinha fôlego para deslanchar. Começaram, então, a buscar lajes em São Paulo. A ideia era colocar em prática a ideia da fazenda urbana na maior metrópole do país, mas a solução aconteceria em Minas.

Durante uma feira de produtores, das muitas que eles costumam ir para receber o feedback dos clientes, o gerente de marketing do Boulevard Shopping se encantou com a ideia e ofereceu um estacionamento ocioso. Mas não seria tão simples. Inovar não é simples, e a legislação urbana não prevê a construção de uma fazenda urbana no topo de um prédio, como eles inicialmente imaginaram. A solução foi desistir do estacionamento e usar um espaço no térreo.

Parte da equipe da Be Green nas obras da fazenda urbana, que fica no estacionamento de um shopping mineiro.

Parte da equipe da Be Green nas obras da fazenda urbana, que fica no estacionamento de um shopping mineiro.

A Be Green vai administrar apenas a fazenda, mas eles acharam que seria interessante ter o restaurante e a loja, e convidaram parceiros que já atuam nestas áreas para investir no complexo (por razões contratuais, Giuliano não pode informar os valores investidos). Além das hortaliças já produzidas na fazenda de Betim, a fazenda no shopping terá tomate, pepino, pimentão, cenoura e cebola – alimentos que estão entre os com mais agrotóxico, segundo a Anvisa. Os produtos custarão sempre 5 reais.

O empreendedor prevê 10 funcionários trabalhando no complexo, e tem planos para eles também. “É preciso que morem no entorno, porque queremos zero emissão de carbono no deslocamento. Queremos que eles possam vir a pé ou de bike”, diz Giuliano. Ele conta, também, que o vale refeição ou alimentação poderão ser gastos na Casa Horta ou na Casa Amora e que os funcionários terão a opção de fazer ioga ou academia “para virem trabalhar energizados”:

“Além de falar que vamos vender coisas do bem, nós vamos fazer o bem, porque não adianta nada o green washing, vender produtos bonitinhos se os funcionários não respiram na mesma essência”

Outra preocupação é que o lucro não seja o único objetivo da Be Green. Como no entorno do Shopping Boulevard há favelas, a ideia é que em um segundo momento a empresa passe a compartilhar tecnologia e ensinar os moradores a fazerem hortas comunitárias, por exemplo, além de doar parte da produção. “Nossa ideia não é tirar o máximo da fazenda. Se com determinado volume de vendas o projeto se pagar, conseguiremos crescer com outras fazendas e poderemos doar o excesso”, conta.

Depois que o shopping abraçou a ideia, a Liga Ventures, que toca a Oxigenio, aceleradora da Porto Seguro, entrou como investidor e acelerou a Be Green. Giuliano se prepara, agora, para uma nova rodada de investimentos, com o objetivo de levar o projeto das fazendas urbanas a outros lugares do Brasil. Já existe uma negociação para implementar uma fazenda urbana em São Paulo, e a expectativa é abrir as portas até o fim do ano de outra, no Rio.

“Queremos levar a cultura de fazendas urbanas para o máximo de grandes centros possíveis no Brasil e espalhar esse estilo de vida de consciência na alimentação”, diz Giuliano, que vê com bons olhos ser vizinho de um shopping. “Um espaço de consumo consciente ao lado de um palácio de consumismo é meio antagônico, mas é isso que a gente quer promover: conscientização para as pessoas entenderem que o mundo mudou e o consumo desenfreado não pode ocorrer mais.”

DRAFT CARD

Draft Card Logo
  • Projeto: Be Green
  • O que faz: Fazenda urbana
  • Sócio(s): Giuliano Bitencourt e Pedro Graziano
  • Funcionários: 12 (incluindo os sócios)
  • Sede: Belo Horizonte
  • Início das atividades: maio de 2017
  • Investimento inicial: NI
  • Faturamento: ainda não fatura
  • Contato: giuliano@begreen.farm
Veja também:

A Salsada quer juntar todos os elos da cadeia alimentar e torná-la mais justa

- 9 de agosto de 2017
Os sócios da Salsada: em pé Carlos Alberto Martinez, Débora Emm e Lena Mattar. Sentados, Michele Okuhara e Roberto Meirelles.

O que fazer quando seu negócio social dá certo demais? O Pé de Feijão, de hortas urbanas, quer descobrir

- 31 de julho de 2017
Fundadora do Pé de Feijão, a bióloga Luisa Haddad trabalha na horta de um de seus clientes, o Serasa Experian.

Como duas chefs brasileiras levaram um cantinho de Ipanema para Nova York

- 6 de julho de 2017
Depois de empreender no Rio de Janeiro, Carol Figueiredo e Bia Lobato levaram o business para Nova York e contam como foi a adaptação.

Que gosto tem a Massaria, um bistrô artesanal onde tudo é saudável, biodegradável e sustentável

- 28 de junho de 2017
Marcelo Machado decidiu empreender aos 50 anos e colocou no cardápio de seu pequeno restaurante tudo o que queria ver no mundo.

Conheça o inusitado Folha da Bananeira, que vende isso mesmo: folha, ou papillote, de bananeira

- 21 de junho de 2017
Ênio e Gorete Rodrigues tiveram a ideia de vender folhas de bananeira em 2005. O negócio só surgiu oficialmente em 2011 e segue sem concorrentes.