SPONSORS:

F(x), a plataforma que quer ser o “Tinder para quem busca crédito”

- 15 de fevereiro de 2016

Nome:
F(x).

O que faz:
A F(x), é uma plataforma de busca por crédito voltada para médias e grandes empresas.

Que problema resolve:
O algoritmos criados pela startup fazem o “matching” entre empresas que precisam de crédito e financiadores que são pré-cadastrados, aumentando a probabilidade dessas empresas obterem o financiamento certo para as suas necessidades.

O que a torna especial:
Do lado dos financiadores, a startup diminui os custos e qualifica a originação do dinheiro. Para as empresas que precisam de dinheiro, ela facilita o acesso ao crédito, reduzindo o tempo e os custos envolvidos na busca por um financiamento. Na F(x), cada financiador cadastra um ou mais perfis de crédito – os “DNAs de crédito” – e cada um desses perfis contém  mais de 400 variáveis, gerando bilhões de combinações possíveis.

Modelo de negócio:
As empresas pagam 10 mil reais para se listarem na plaforma por 6 meses e 2% sobre o total dos recursos captados. “Nossos interesses são 100% alinhados e nós não recebemos nada das instituições financeiras participantes”, diz o fundador Dan Cohen.

Fundação:
Abril de 2015.

Sócios:
Dan Cohen – CEO
Alexandre Liuzzi – CFO
Fabio Arruda – Fundador eGenius e venture builder
Eduardo Kupper – COO
Marcio William – CTO

Perfil dos fundadores:

Dan Cohen – 41 anos, Tel Avi (Israel) – possui MBA pela universidade de Chicago Booth (Universidade de Chicago), com ênfase em finanças e contabilidade. Tem mais de 15 anos de experiência no mercado financeiro em diversos setores como equities, crédito distressed e high yield e portfolio management, tanto no Brasil quanto no exterior.

Eduardo Kupper – 33 anos, Rio de janeiro (RJ) – formado em Engenharia Elétrica pela Unicamp, cursou a Academia da Força Aérea Brasileira, possui MBA pela Wharton Business School e mestrado pelo The Lauder Institute, ambos na Universidade da Pennsylvania. Tem ampla experiência em vários setores da economia como consultoria estratégica, indústria, banco de investimento, private equity e empreendedorismo. Fundou a Helpling no Brasil em 2014. 

Marcio William – 27 anos, Rio de Janeiro (RJ) – é técnólogo em Informática, formado pela Universidade Estácio de Sá e tem MBA em Gerência de Projetos pela Universidade Veiga de Almeida. Em 2011, fundou a EasyTaxi. Entusiasta da plataforma mobile, também fundou a Apps Criativos, empresa focada em soluções mobile. Antes, passou pelo governo do Rio de Janeiro e pela Ortobom. Em 2014, fundou a eGenius Founders, e se juntou à F(x) em 2015.

Alexandre Liuzzi – 30 anos, São Paulo (SP)– formado em Economia pela Universidade de Chicago. Começou sua carreira como analista do Banco de Investimento JP Morgan em Nova York e depois passou pela gestora de investimentos M Square, onde estudava empresas de tecnologia e meios de pagamentos, onde se tornou sócio aos 25 anos. Fundou a eGenius Founders em 2014 e participou na negociação com F(x).

Como surgiu:
Dan Coehn, o idealizador da startup, usou seus mais de 15 anos no mercado financeiro para pensar em uma solução para um problema recorrente no setor: um desconhecimento em relação as opções de financiamento e, do lado das instituições financeiras, uma originação muito cara, pouco qualificada e incerta. “Foi aí que surgiu a ideia de criar uma melhor combinação entre as duas pontas, algo parecido com um Tinder, só que para o crédito”, diz o CEO. A ideia foi testada junto a instituições financeiras e, no período de um mês, cerca de 15 instituições foram visitadas e 11 criaram um perfil de crédito. O modelo de negócio, as versões offline do algoritmo de matching e o website inicial foram desenvolvidos entre o final de 2014 e início de 2015. No terceiro trimestre, a F(x) e a empresa eGenius juntaram forças para efetivamente escalar a plataforma.

Estágio atual:
Já validaram o modelo de negócio e estão em fase de crescimento. A F(x) tem escritório no bairro de Pinheiros, em São Paulo, junto com a eGenius. Hoje são mais de 40 clientes e 60 perfis de financiamento e centenas de usuários entre consultores e empresas que solicitaram a análise inicial.

Aceleração:
Não buscam.

Investimento recebido:
Todo o investimento foi feito internamente, mas o valor não foi informado.

Necessidade de investimento:
Os sócios vão buscar no segundo ou terceiro trimestre de 2016.

Mercado e concorrentes:
A empresa não tem uma concorrente com a mesma proposta, mas existem outras empresas que exploram nichos adjacentes, como a Intoo. “Além disso, o grande concorrente é o status quo dos processos atuais. A F(x) vai lutar para mudar o modo como as empresas de médio e grande porte buscam o crédito”, diz o CEO.

Maiores desafios:
Mudar o mindset dos empresários quanto à forma de buscar captação de fundos e atingir a capilaridade necessária. O fundador Dan Cohen diz que 2016 será um ano de desafios para a empresa: “Se a demanda por crédito esta cada vez maior, o que significa mais clientes para plataforma, a oferta esta cada vez mais restritiva”. Por isso, ele e os sócios querem incluir financiadores de outros países que queiram ter presença no Brasil e ntregar soluções completas de “dívida mezanino” – nas quais os empréstimos são obtidos por meio da colocação privada de ações, com investidores que tem interesse no sucesso da empresa – para os fundos de private equity com o intuito de fomentar esse tipo de financiamento dentro da plataforma.

Faturamento:
Não informado.

Previsão de break-even:
Em 2017.

Visão de futuro:
O maior objetivo da startup é incluir um número suficiente de financiadores para que toda e qualquer empresa encontre o seu “par perfeito” dentro da plataforma.

Onde encontrar:
Site
Contato

 

Você tem uma startup que já é mais do que um sonho mas ainda não é uma empresa totalmente estabelecida? Escreva para a gente. Queremos conhecê-lo. E, quem sabe, publicar um perfil da sua iniciativa aqui na seção Acelerados. Esse espaço é feito para que empreendedores como você encontrem investidores. E para que gente disposta a investir em novos negócios encontrem grandes projetos como o seu.

Veja também:

A trajetória da Koin mostra que crescer sem estratégia nem sempre é o melhor negócio

- 26 de fevereiro de 2018
Fundador da Koin, Ricardo Siqueira é advogado e decidiu se tornar empreendedor para "estar na pele de quem toma as decisões".