O dia em que fui escoiceado pela cultura do ódio | Draft | Projeto Draft


SPONSORS:

O dia em que fui escoiceado pela cultura do ódio

- 19 de agosto de 2015
"Sofri uma agressão física. Fui ameaçado. Como lidar com a violência quando ela invade seu mundo e se impõe diante de você?" (Foto: Renato Parada.)
"Sofri uma agressão física. Fui ameaçado. Como lidar com a violência quando ela invade seu mundo e se impõe diante de você?" (Foto: Renato Parada.)

 

 

No dia 10 de fevereiro de 2015, recebi o convite para participar do ENEJ 2015, o Encontro Nacional das Empresas Juniores, o maior evento do Movimento Empresa Júnior (MEJ) no Brasil.

Aceitei o convite e definiu-se que eu faria uma palestra – sobre Nova Economia –, pela manhã, para 2 500 empresários juniores, e que faria também a mediação, à tarde, de um debate – “como transformar boas ideias de negócio em empresas sustentáveis” –, tema que eu mesmo sugeri.

Minha participação ocorreu em Brasília, na última sexta, dia 14 de agosto.

No dia 11 de agosto fui informado pelo ENEJ sobre os nomes que comporiam a mesa do debate que eu coordenaria.

Reconheci o nome de um dos debatedores. Dias antes, nos comentários de um post, aqui no Draft, ele havia se referido a nós como: “aves de rapina”, “boy cuzão” e “losers”, entre outros vitupérios. Ele nos considerava aproveitadores e oportunistas, pelo trabalho que realizamos de cobrir jornalisticamente o florescimento dos negócios sociais e criativos no Brasil.

Sua reação, em tom virulento, não era apenas em relação ao post que havíamos publicado – um conteúdo de marca assinado por uma empresa, e que, portanto, sequer é um conteúdo editorial de linha do Draft –, mas era contra o Draft em si, contra nossa existência e contra o que nos propomos a realizar.

Ele declarou, nas redes sociais, que já tinha se recusado mais de uma vez a falar conosco. Fui checar e era verdade – o time do Draft tinha tentado, algumas vezes, contar aqui a história de sua iniciativa, um projeto social no Rio. Até o momento de suas agressões verbais ao Draft, eu, pessoalmente, não tinha ouvido falar dele nem do seu empreendimento.

Informei ao ENEJ que seria difícil mediar um debate com alguém que havia nos insultado publicamente dias antes. No dia 12 de agosto, o ENEJ, na pessoa da coordenadora de conteúdo do evento, minha interlocutora, me respondeu dizendo lamentar a situação e que iria “retirá-lo dessa atividade para evitar constrangimentos”. Eu estava preparado inclusive para ser sacado da condução do debate, se fosse o caso. E confiei que o ENEJ tomaria as devidas providências para evitar maiores embaraços.

No dia do evento, uma hora antes de começar o debate, previsto para às 16h, a coordenadora de conteúdo do ENEJ me chama e pede para incluirmos na mesa um novo participante. Essa inclusão implicaria a mudança do próprio tema do debate – porque o tema anteriormente proposto não se relacionava com esse convidado de última hora, cuja presença era estratégica para o ENEJ.

Eu estava ali para ajudar aqueles meninos e meninas, todos com 20 e poucos anos, ainda aprendendo a lidar com os apertos da vida e da carreira, inclusive alterações de última hora e necessidade de contemporizações, e tratei de encontrar um novo tema para o debate, que pudesse conectar os três participantes.

Trabalhava nisso, minutos antes do início da atividade, quando a coordenadora de conteúdo me procura novamente para dizer que nosso detrator queria falar comigo e que estava insistindo em participar do debate. Eu disse a ela que não poderia conversar com ele naquele momento. E que se ele quisesse falar comigo, que o fizesse mais tarde, numa outra situação, quem sabe no ambiente do Draft onde ele havia nos ofendido há poucos dias.

Terminei de reorganizar meu roteiro de perguntas e cheguei à sala onde ocorreria o debate cinco minutos antes das 16h. A porta estava fechada, a atividade anterior ainda acontecia lá dentro, mas já havia algumas dezenas de pessoas se posicionando por ali à espera do debate.

Encontrei uma tomada na parede, do outro lado do corredor, bem defronte à porta. Espetei ali meu celular e sentei no chão para checar meus e-mails. De repente, uma cara invade meu espaço privado e pergunta – “você que é o cara do Draft?” Era o nosso detrator. Digo que sim. Ele me chuta a perna e dá um tapa em meu celular, que voa longe. Quando levanto, ele está sendo contido pelo staff do evento – duas ou três meninas. Alguém me alcança o celular. Eu o enfio no bolso e encaro o sujeito. A coordenadora, que estava com ele até o momento em que ele se insurgiu contra mim, me pede para não reagir. Ele tira o boné, cenicamente, ainda me chamando para a briga, e grita de longe: “Você não é homem!” Depois me ameaça: “Você vai se arrepender, cuzão. Eu vou te enquadrar!”

Eu farei 45 anos em janeiro. Tenho dois filhos de 10. Administro duas empresas, que proporcionam trabalho e renda para 20 pessoas. Esses dias, para minha surpresa e alegria, meu livro mais recente – O Executivo Sincero – figurou entre os títulos de negócio mais vendidos do Brasil. Tenho em meu currículo a reinvenção da Superinteressante, a invenção de Vida Simples e de Mundo Estranho, a vinda do Gizmodo ao Brasil, além da criação do próprio Draft. Estou naquela fase da vida em que você atinge o ápice da sua produtividade, em que sua cabeça começa a ficar grisalha e em que você passa a priorizar as coisas.

E ali eu me via exposto a uma situação medieval, para a qual realmente não tenho mais idade nem apetite. Uma situação surreal, que me deixava aturdido, antes mesmo de me deixar indignado. Pelo teor de absurdo, de inacreditável. Havia 32 anos que eu não sofria uma agressão física – a última foi uma briga na saída da escola, em 1983, quando eu tinha 12. E jamais esperava passar por isso novamente. Ainda mais em um evento para empresários, no Centro de Convenções Ulysses Guimarães, na capital do país. Ainda mais na condição de palestrante.

Isso tudo passava pela minha cabeça, ali, naquele momento. Quando, de repente, surge outra pessoa à minha frente: “Você não quis falar com o meu marido, mas comigo você vai falar!” Era a mulher do sujeito. Um pesadelo completo. Em seguida ela também seria convidada a se retirar do evento pelo staff.

Decidi continuar e mediar o debate, que começou com quase meia hora de atraso. Eu tinha esse compromisso com o público, que já havia assistido à minha palestra pela manhã. Apesar do ENEJ ter falhado barbaramente em “evitar constrangimentos”, e em garantir a minha integridade física dentro do ambiente do evento. De todo modo, resolvi que o mínimo que eu podia fazer era não permitir que aquele ato de selvageria estragasse ainda mais o meu dia.

A agressão que sofri foi testemunhada pela coordenadora de conteúdo do ENEJ, além de alguns outros membros da organização do evento. Fui acompanhado até o final das minhas atividades ali por um segurança. Eu nunca havia tido a experiência de andar escoltado por um guarda-costas. E espero nunca mais precisar desse recurso – apesar da simpatia do Tião, com quem me diverti conversando sobre futebol de várzea, e a quem fiquei devendo um exemplar de O Executivo Sincero.

Decidi contar essa história aqui porque, além de extraordinária, ela é muito significativa. Convida a uma reflexão sobre os tempos em que vivemos. E também porque, além da agressão covarde que sofri, houve uma ameaça clara e direta à minha pessoa. É preciso registrar esse tipo de coisa. Por fim, é importante que todos saibamos exatamente o que aconteceu e com quem estamos lidando aqui.

Eis algumas reflexões sobre o coice que eu tomei:

1. A intolerância do debate nas redes sociais não é obra das redes sociais. As redes sociais só facilitam a disseminação do enorme desrespeito às diferenças que grassa no país. A intolerância está aqui fora, dentro de muitos, no meio de nós. E isso decreta a inviabilidade do diálogo entre visões divergentes no país. Nós não sabemos discordar. (Se soubemos um dia, desaprendemos.) A regra é atacar o oponente – aos chutes, se for preciso. Não importa compreender e rebater os argumentos com os quais discordamos: é preciso resolver a discordância de modo sumário – no grito e no braço. Impingir uma “solução final” às dessemelhanças.

Isso tem nome: fascismo.

A violência virtual, não se engane, é a mesma violência presencial. E a violência verbal em nada difere da violência física. Ninguém deseja mais convencer o outro – o desejo agora é de eliminar o outro. Esmagá-lo. Aniquilá-lo. Não há troca nem conversa entre posições diferentes – há declarações de guerra e briga de rua. Não há mais “eu entendi seu ponto, discordo de você e vou explicar por quê”. Vale apenas o novo mantra: “eu não te conheço, nem tenho interesse em te conhecer, mas te odeio e vou acabar com a tua raça”. O Facebook não criou o totalitarismo ideológico entre nós, ele apenas, com a vitrine fácil que oferece, tornou isso mais claro e pervasivo.

2. Vivemos a cultura da voz única. De só ouvirmos quem pensa igual à gente. Quanto mais nos dividimos em tribos e nichos, mais vivemos a atitude do gueto – “nós e nossos iguais nos sentimos agredidos, então só podemos confiar em nós mesmos e temos todo o direito de agredir quem nós considerarmos ‘externo’ ao nosso grupo e ao nosso convívio”.
Esse espírito de corpo, de clã, de facção, é assustador. O nazismo surgiu desse sentimento cego e ressentido de unidade interna e de revanche ao mundo mau que está lá fora.

Daí nasce também o messianismo – “nós somos os eleitos, os escolhidos, a nossa verdade é única, e a verdade dos outros é uma mentira que precisa ser destruída”.

E daí nasce o fundamentalismo – “nós somos os justos, os outros são infiéis e pecadores, e a nossa violência é o instrumento que nos vingará – e que os punirá”.

A voz única tende à burrice. E o império da voz única é o império da tirania. Precisamos urgentemente de mais iluminismo entre nós, de mais razão, de mais inteligência, de mais espírito democrático, de mais curiosidade intelectual, de mais respeito à diversidade, de mais celebração da pluralidade, de mais janelas e mentes abertas ao novo – ao que nos desafia e nos surpreende e nos faz (re)pensar as coisas. Precisamos de mais dúvida, de mais questionamentos, de mais colisões criativas, de mais hipóteses dissonantes.
Precisamos urgentemente nos livrar das verdades pétreas, dos dogmas, da opinião uníssona, do comportamento de manada, de só admitir à nossa frente quem nos serve de espelho.

Sem isso, para começo de conversa, não existe inovação. O que é inovar senão explorar o novo, o desconhecido, aquilo que não dominamos e nos provoca?

Sem isso não existe cultura maker. O que é ser um maker se não sair da zona de conforto das próprias convicções e correr o risco de reaprender tudo?

3. Trancafiados em nossa compreensão do mundo, boa parte de nós exercita a prepotência do julgamento rápido e desinformado. É, sobretudo, uma fé cega no próprio umbigo. Um culto à ignorância e à soberba. Você só ouve o que gostaria de ouvir, só admite aquilo que estiver consonante com seus próprios cânones, e emite vereditos peremptórios e definitivos sobre aquilo que, no mais das vezes, desconhece. Vivemos a era do “não conheço e não gosto”, do “não vi e detestei” e do “apenas ouvi falar mas vou emitir a palavra final sobre esse assunto”.

É sempre bom lembrar de Rosa Luxemburgo: “A liberdade é quase sempre, exclusivamente, a liberdade de quem pensa diferente de nós.”

E vale também reler Voltaire: “Posso não concordar com o que você diz, mas defenderei até a morte o seu direito de dizê-lo”.

Falta a muitos de nós a humildade intelectual, e a maturidade, para agir dessa maneira. E nisso a nova geração de cidadãos brasileiros, de modo geral, não está avançando em nada. Ao contrário, infelizmente: boa parte de nós está regredindo. As redes sociais têm exposto essa canhestrice em toda a sua extensão.

4. É chocante ver a cultura do ódio tão viva do lado de cá da mesa, dentro do ambiente da Nova Economia. A dose de fel que eu experimentei na semana passada, primeiro nas redes sociais, e depois ao vivo, em Brasília, se traduz em um empreendedor social assumindo com gosto o papel de um agente da violência.

Dos quatro pilares que sustentam a nossa compreensão, aqui no Draft, do que é a Nova Economia – negócios criativos, negócios sociais, startups e corp innovation –, de onde eu menos esperaria sofrer uma agressão, que dirá física, é exatamente de um empreendedor social. Porque os negócios sociais, ou de impacto, são os que mais exigem, dos seus protagonistas, atitudes como cooperação, empatia, solidariedade, desprendimento e compaixão.

Me pergunto como a ideia um empreendedor social, que acredita que o seu negócio advém do impacto positivo que causa na vida das pessoas com quem se relaciona, pode conviver com a ideia de alguém capaz de agredir outra pessoa com um pontapé – ainda mais desferido à socapa, quando essa pessoa está sentada no chão, desavisada sobre o ataque que está prestes a acontecer?

Me pergunto como a imagem de um sujeito “do bem” pode conviver com a prática de um bandido, que quer resolver na mão, que busca esganar e ferir aqueles que enxerga como adversários, e que usa de ofensas e de ameaças para construir uma voz e uma presença no mundo.

A mim essas posturas parecem incompatíveis. Invadir e lastimar a integridade moral e física de qualquer pessoa, mesmo o mais dissonante de seus interlocutores, é truculência pura. É selvageria inominável. Não há divergência que possa justificar essa atitude.

5. Vi nos olhos do meu agressor um sujeito afogado no próprio ódio. Com muita raiva dentro de si. No caminho para o aeroporto, um expoente da Nova Economia, que mora e trabalha no Rio e que conhece meu agressor há mais tempo, me diz que esse é o modus operandi dele. Meu carona mesmo já tinha sido atacado verbalmente pelo meu agressor nas redes sociais – ainda assim ficou chocado com a violência física. Segundo ele, meu agressor se ocupa de atacar qualquer iniciativa de empreendimento social que não venha da própria periferia. Dias depois, essa versão me foi confirmada por outra empreendedora social, em São Paulo.

Daí a agressividade do sujeito diante de personagens que ele identifique como oriundos da classe média ou como gente “do asfalto”. (O que significa operar pelo mesmíssimo preconceito, só que no sentido contrário, que ele próprio teria sofrido por não ser um sujeito nascido na classe média.)

Daí, supostamente, o ódio do meu agressor ao Draft. Na sua visão, nós, e os personagens da Nova Economia, e boa parte dos empreendedores sociais que perfilamos aqui, não teríamos nenhuma legitimidade. Mais: seríamos aproveitadores, oportunistas, ou, nas suas palavras, “aves de rapina”, “losers” e “boys cuzões”. Gente a ser hostilizada.

Meu agressor vive a cultura da guerra – e ignora a cultura de paz, que é um dos fundamentos da Nova Economia. O trabalho colaborativo, a sociedade em rede, a economia do compartilhamento – tudo isso está na ponta oposta da régua em relação a urros, murros, pontapés, tretas, barracos e trolagem.

Eu me recuso a acreditar que essa possa ser a postura de um “ativista”, de um “transformador”, de um “game changer”. Ao usar da agressão, inclusive física, como uma ferramenta e uma praxe, você rompe necessariamente com os fundamentos básicos da civilização – você abraça a barbárie. Ao coagir e constranger quem pensa diferente, você se torna um marginal. Um agente do terror. Um militante do ódio.

Meu agressor nutre pelo Draft um ódio social. Antes mesmo do ódio ideológico. Antes de nos odiar pelo que imagina que pensamos, ele nos odeia pelo que pensa que somos. (Sem nos conhecer, em absoluto. Ele não sabe nada de nós, de nossas histórias pessoais e profissionais, nem de nossas trajetórias de vida.) Ele agiu como um escravo do próprio rancor.

Lamento o caminho de enfrentamento e de violência que meu agressor escolheu. Esse caminho de ódio nunca foi o meu. E continuará não sendo. Esse é um caminho que não recomendo a ninguém. Nem mesmo para ele. A única coisa que o ódio constrói é destruição. No final, o principal prejudicado é ele mesmo. De quantos outros ambientes ele já foi ou ainda será banido?

Mesmo que você tenha sofrido brutalidades, isso não lhe dá o direito de agir com brutalidade. Mais: esse passado, se existiu, só deveria deixá-lo ainda mais sabedor de que não se chega a lugar algum com socos, humilhações e insultos. Que a única coisa que se gera com a raiva é mais raiva. Ao reproduzir a violência de que supostamente foi objeto em algum momento da sua vida, o sujeito só faz com que essa violência, que talvez tenha lhe deixado marcas, se amplie e se potencialize. Ou seja: você não venceu o ódio. O ódio venceu – dentro de você. Você se tornou um instrumento desse ódio.

6. Recebo, no mesmo dia do incidente, à noite, uma mensagem, pelo Facebook, de alguém que não conheço, se referindo a um relato do meu agressor sobre o que eu havia feito com ele em Brasília. Pode-se entender esse tipo de inversão de falta – que responsabiliza o agredido pela agressão sofrida, e que tenta colocar o agressor como vítima da agressão que ele próprio realizou – como mais uma estratégia de guerra, como uma técnica fria para construir uma fábula que permita ao agressor sair ileso da violência que cometeu, inclusive para poder continuar agredindo.

Ou você pode entender isso como outro exercício de vitimização – o sujeito se sente tão vilipendiado que nenhuma ação agressiva de sua parte será suficiente para que ele troque o papel de “vítima” pelo de “algoz” – mesmo quando é ele que está com o tacape na mão. O mundo lhe deve, eternamente, e essa é uma conta que ele poderá cobrar ad nauseum, e de qualquer um que esteja por perto e que pareça aos seus olhos encarnar aquilo que ele odeia (o “sistema”? A “burguesia”? “Gente do asfalto”?)

Ou talvez haja um médico e um monstro dentro do meu agressor. E talvez ele lide muito mal com suas emoções, com seu passado, com suas frustrações, com os sentimentos tóxicos e negativos que fermentam dentro dele. Isso tem cura. Basta procurar ajuda especializada.

Lamento que o mondo cane tenha me mordido. Mas estou contente por não ter mordido de volta. Se o tivesse feito, estaria arrependido agora. (Estou apenas triste, e ainda chocado – mas feliz por ter reagido como um homem, claro que numa acepção bastante diferente daquela utilizada pelo meu agressor.)

Tivesse saído do meu mundo para atender àquele convite grotesco, teria estragado o evento e tisnado meu nome com cores que não me pertencem. Estaria, agora, lamentando muito mais o ocorrido. Teria me tornado, eu também, um cão de guerra, um neandertal. E isso eu não sou. E nisso eu não vou me transformar.