O Joca é um jornal para jovens e crianças em versão impressa e online

- 5 de janeiro de 2017
joca

Nome:
Joca.

O que faz:
O Jornal Joca é uma publicação online e impressa feita pela empresa Magia de Ler.

Que problema resolve:
De acordo com a fundadora, Stéphanie Habrich, não há conteúdo suficiente focado na formação cidadã do jovem e sua inserção na sociedade.

O que a torna especial:
O objetivo por trás da iniciativa do Joca é provocar que crianças e jovens sejam respeitados e que escolas, professores e pais discutam com eles o que acontece no Brasil e no mundo, segundo Stéphanie.

Modelo de negócio:
A empresa trabalha com modelo de assinatura do jornal (impresso e online).

Fundação:
Dezembro de 2011.

Sócios:
Stéphanie Habrich – Diretora Executiva

Perfil da fundadora:

Stéphanie Habrich – 46 anos, Alemanha – formada em Administração de Empresas pela FGV-SP com Mestrado em Public Affairs pela Columbia University (NY/EUA). Antes de fundar a Magia de Ler, concentrou sua carreira no mercado financeiro, tendo destacada atuação nos bancos PARIBAS (hoje, BNP Paribas) e Deutsche-Bank, tanto no Brasil quanto nos Estados Unidos.

Como surgiu:
Segundo Stéphanie, sua infância foi acompanhada por diversas revistas e jornais infantis da Europa, principalmente da França. Após anos de atuação no mercado financeiro, ela conta que percebeu uma oportunidade no Brasil, uma vez que o mercado editorial brasileiro voltado a essa faixa etária é bastante carente. Fundou assim a Magia de Ler, inicialmente com duas revistas infantis (Toca e Peteca), e em 2011 lançou o Jornal Joca.

Estágio atual:
O escritório conta com oito funcionários fixos e aproximadamente seis freelancers. A equipe é composta por jornalistas, pedagogos, designers e gestores (economistas e administradores). Hoje, o Joca possui aproximadamente 10 mil assinantes de todo o Brasil, e é material obrigatório em mais de 60 escolas em diversos estados.

Aceleração:
Encerrou em 2016 a aceleração pelo Instituto Quintessa.

Investimento recebido:
Não houve.

Necessidade de investimento:
Não buscam.

Mercado e concorrentes:
“O mercado é extremamente grande, mas bastante pulverizado. Isso faz com que seja necessário a atuação com centenas de escolas, por exemplo, para atingir milhares de alunos”, diz Stéphanie. Ela cita como concorrente direto o aplicativo Guten News.

Maiores desafios:
O primeiro é o de levar o Joca a cada vez mais a escolas públicas do Brasil e escalar com o modelo atual.

Faturamento:
Aproximadamente 600 mil reais.

Previsão de break-even:
Ao longo de 2017.

Visão de futuro:
“Queremos transformar a leitura de notícia e ampliar a nossa atuação para a rede pública do país, dando oportunidade a milhões de crianças, buscando a equidade em seu desenvolvimento”, diz Stéphanie.

Onde encontrar:
Site
Contato

 

Você tem uma startup que já é mais do que um sonho mas ainda não é uma empresa totalmente estabelecida? Escreva para a gente. Queremos conhecê-lo. E, quem sabe, publicar um perfil da sua iniciativa aqui na seção Acelerados. Esse espaço é feito para que empreendedores como você encontrem investidores. E para que gente disposta a investir em novos negócios encontrem grandes projetos como o seu.

Mas, se você tem uma ideia e ainda não sabe como estruturá-la em uma estratégia de negócios, escreva para mentoria@projetodraft.com e conheça nosso novo serviço de Mentoria.

Veja também:

A PlayMove poderia ter estagnado, mas diversificou sua forma de vender e redescobriu seu potencial

- 27 de abril de 2017
Os sócios Marlon Souza e Jean Gonçalves contam como de prospectar em outro mercado os clientes para a Play Table, sua mesa de jogos digitais educativos.

Por trás do avestruz da Gloops está um pai que queria que a filha se orgulhasse do seu emprego

- 25 de abril de 2017
Gustavo Siemsen criou a Gloops para vender sucos gaseificados e sem açúcar, em vez de refrigerantes (foto: Kiko Ferrite).

1 História: como Anna e Andrea criaram o próprio trabalho no site Nem Boneca Nem Carrinho

- 22 de março de 2017
669 4 0
Nem Boneca Nem Carrinho

Para a fundadora da TeraPlay, ajudar crianças com autismo é um negócio testado em casa, todos os dias

- 27 de fevereiro de 2017
Para Cristiane Carvalho, estudar sobre o autismo depois do diagnóstico do filho não era o bastante – ela fundou uma loja online especializada e fez disso seu negócio. (foto: TaniaKanaan)

Como o bonachudo personagem infantil Bita mudou a vida, e os planos, de quatro empreendedores

- 11 de janeiro de 2017
Inspirados pelos filhos pequenos, os sócios João Henrique, Enio Porto, Chaps Melo e Felipe Almeida agora têm o Bita como companheiro inseparável de negócios.