Ponto Educa, programa de milhagem para educação

- 25 de fevereiro de 2015
ponto-educa

Nome:
Ponto Educa

O que faz:
É uma espécie de programa de milhagem voltado à educação. Usuários que comprarem itens de consumo em lojas parceiras, físicas ou virtuais (atualmente há empresas desde Coca-Cola e Casas Bahia a Giuliana Flores e Centauro), indicarem amigos, ou comprarem em determinadas promoções, recebem uma moeda fictícia chamada “Educa”, que pode ser convertida em cursos, bolsas de estudo ou materiais didáticos.

Que problema resolve:
Facilita o acesso à educação.

O que a torna especial:
Utiliza o consumo como catalizador para financiar a educação. Além disso, a empresa se compromete a dar uma quantia limitada de bolsas de estudo a usuários de baixa renda.

Fundação:
Dezembro de 2014.

Modelo de negócios:
Cobra uma taxa das empresas conveniadas.

Sócios:
Rafael Tobar – CEO
Alberto Anderick Jr. – CTO
Antonio Curi – Conselheiro
Edson Botelho – Conselheiro

Perfil do fundador:
Rafael Tobar – Campinas (SP), 37 anos – publicitário formado pela ESPM (Escola Superior de Propaganda e Marketing). Já foi mentor no Social Good Lab, Social Impact Entrepreneur na Endeavor, e trabalhou com marketing, finanças e vendas na Tam, JBS, FGV, Universidade Metodista de São Paulo, Infi-Febrabam, entre outras empresas.

Como surgiu:
Rafael já trabalhou em várias instituições de ensino, entre elas a Fundação Getúlio Vargas (FGV) e Universidade Metodista de São Paulo. A falta de recursos financeiros dos alunos o incomodava. Pensando no assunto, criou o Ponto Educa para tentar combater o problema.

Estágio atual:
Em operação, a empresa já começou a obter suas primeiras receitas.

Aceleração:
Não procura.

Necessidade de investimento:
Estão conversando com três fundos de investimento.

Investimento recebido:
Dinheiro dos sócios, que totaliza 100 mil reais.

Mercado e concorrentes:
Programas de benefícios, como Smiles, e também sites que oferecem bolsas de estudo, como o Educa Mais Brasil.

Maiores desafios:
“Precisamos de mais profissionais em nossa equipe para abordar instituições de ensino de todo o Brasil e mostrar para elas as benesses de fazer parte da Rede Ponto Educa”, diz Tobar.

Faturamento:
Não informado.

Previsão de break-even:
Em 12 meses.

Visão de futuro:
Acreditamos que a evolução das pessoas e de um país passa pela educação. Quando todos se conscientizarem disso, viveremos em um mundo melhor”, diz Tobar.

Onde encontrar
Site
Facebook
Contato

Você tem uma startup que já é mais do que um sonho mas ainda não é uma empresa totalmente estabelecida? Escreva para a gente. Queremos conhecê-lo. E, quem sabe, publicar um perfil da sua  iniciativa aqui na seção Acelerados. Esse espaço é feito para que empreendedores como você encontrem investidores. E para que gente disposta a investir em novos negócios encontrem grandes projetos como o seu.

Veja também:

O Nave à Vela quer transformar a educação e, para isso, implanta oficinas maker nas escolas

- 20 de setembro de 2017
A equipe do Nave à Vela tem engenheiros, designers, cineastas e até neurocientistas.

Sobreviver ao 11 de setembro foi transformador: ela mudou de vida e criou o primeiro jornal infantil do Brasil

- 16 de agosto de 2017
Stéphanie Habrich estava no World Trade Center quando as torres foram derrubadas. A tragédia foi o início de uma mudança em sua vida — que culminou na criação do Joca, um jornal que educa crianças.

Quando seu projeto é sua vida, uma hora é preciso separar as coisas. Caio Dib conta como está fazendo

- 7 de agosto de 2017
Educação se faz em círculo. Caio em um workshop da Caindo no Brasil, na escola UniÍtalo, em abril deste ano.