Qualquer informação em menos de uma hora. A Lean Survey quer revolucionar o mercado de pesquisa

- 11 de setembro de 2015
Fundada em 2014, a Lean Survey á atendeu clientes como AmBev, Telefônica e Dell. Em abril deste ano receberam um aporte de 300 mil reais. (Imagem:  Kalinca Maki)
Fundada em 2014, a Lean Survey á atendeu clientes como AmBev, Telefônica e Dell. Em abril deste ano receberam um aporte de 300 mil reais. (Imagem: Kalinca Maki)

 

Quem nunca foi abordado na rua por um pesquisador munido de prancheta, folhas de papel e caneta pedindo um “pouquinho da sua atenção” para responder algumas perguntas? Se depender dos paulistas Alessandro Andrade, 24, e Fernando Salaroli, 25, esse cenário será coisa rara, em breve. Eles são fundadores da Lean Survey, empresa fundada em julho de 2014 que usa a tecnologia para revolucionar a forma como as pesquisas presenciais são realizadas atualmente.

Um dos aspectos inovadores da empresa é recrutar os entrevistadores por meio de crowdsourcing, buscando os perfis mais adequados de acordo com as particularidades de cada pesquisa encomendada. A Lean Survey possui uma base de mais de 3 mil pessoas espalhadas pelo Brasil inteiro que realizam as pesquisas usando seus próprios smarphones.

Para ser entrevistador da Lean Survey, basta preencher um cadastro no site da empresa, baixar o aplicativo e realizar treinamentos online por meio de vídeos e tutorias. Também é necessário realizar uma prova. Se passar pela seleção, os candidatos têm acesso às pesquisas ativas (também chamadas de missão).

Antes de ir pra rua, há mais um treinamento específico, que detalha o perfil do público e as perguntas que deverão ser feitas.  Se o entrevistador, ainda assim, não estiver seguro para começar o trabalho, pode tirar dúvidas com funcionários da Lean Survey – via Whatsapp, é claro.

O perfil dos entrevistadores é basicamente de estudantes universitários. Jovens antenados em tecnologia, com tempo livre e que buscam renda extra para complementar a bolsa estágio ou a mesada dos pais. A remuneração varia de acordo com a quantidade de entrevistas realizadas e a complexidade da pesquisa.  Em média, eles ganham 200 reais por dia.

Fernando diz que não faz sentido gastar tempo e dinheiro reunindo e treinando pessoas presencialmente para depois mandá-las para diferentes localidades para realizar as pesquisas.

“Em todos os lugares há pessoas que conhecem as particularidades da região que podem ser capacitadas para se tornarem entrevistadores”

Outro fator que chama a atenção é o fato de a empresa coletar e auditar os dados de maneira digital. As informações adquiridas são enviadas instantaneamente para um servidor da Lean Survey – não há perda de tempo e nem perigo de cometer algum erro ao passar as informações do papel para o computador.

Para saber se os entrevistadores estão fazendo as perguntas corretamente e identificar possíveis fraudes, trechos das entrevistas são gravados. Também são analisados a localização e o tempo gasto em cada questão e o intervalo de cada entrevista. Tudo isso usando as funcionalidades já presentes em smartphones.

Layout do aplicativo de pesquisas da Lean Survey

Layout do aplicativo de pesquisas da Lean Survey

Os jovens estão surfando numa boa onda. De acordo com a Associação Brasileira das Empresas de Pesquisa, o faturamento do setor é superior a R$ 1 bilhão. “É um mercado com muita demanda, as empresas sempre recorrem às pesquisas para compreender melhor os consumidores e desenvolver novos produtos”, afirma Alessandro.

Por apostar em um novo modelo de negócio, a Lean Survey teve dificuldades para conquistar seus primeiros clientes. Uma forma de ganhar credibilidade e de ser notada pelo mercado foi realizar algumas pesquisas por conta própria.

Eles escolheram a manifestação contra a corrupção no último dia 12 de abril, na Avenida Paulista – um tema que estava em alta na mídia e poderia trazer os holofotes para a empresa – como objeto de investigação.

Alessandro conta que a Lean Survey foi a primeira empresa de pesquisa a divulgar dados sobre o evento. Uma hora após o fim da manifestação, a empresa enviou relatórios para vários portais de notícias online. Segundo ele, apenas um deles aceitou publicar o material. No dia seguinte à manifestação, a boa surpresa: os dados divulgados por eles eram similares aos capturados por outras empresas.

“ Foi um motivo de comemoração e conseguimos provar que éramos tão confiáveis quanto as empresas tradicionais – só que bem mais rápidos”

 

Vencida uma das maiores barreiras de entrada – a desconfiança –, a Lean Survey passou a atender dezenas de empresas de diferentes portes. Na lista de clientes mais importantes estão Telefônica, Oi, Dell, Ambev, Catraca Livre e a Escola Politécnica da Universidade de São Paulo. Embora não revelem o faturamento anual, os sócios têm a expectativa de atingir  70 mil reais em receitas mensais no início de 2016.

Atualmente, os sócios apresentam a Lean Survey como uma empresa de tecnologia para captação de dados. E não como uma empresa de pesquisa, como DataFolha, Ibope ou Ipsos – referências no setor que fornecem consultoria completa em projetos de pesquisas. Fernando manda a real sobre a atuação da empresa:

“Nós somos especializados em captar dados de maneira ágil, digital e barata. Nosso lema é ‘qualquer informação em menos de uma hora’. E é assim que queremos ser reconhecidos no mercado”

A atitude dos jovens conquistou um grupo de investidores durante o evento de empreendedorismo Open Innovation Week, realizado em dezembro do ano passado. Em uma competição, que teve a participação de cerca de 900 empresas, a Lean Survey foi uma das 10 selecionadas para fazer uma apresentação para investidores e executivos.

“Tínhamos um modelo de negócio bem definido e a validação de mercado, mas não possuíamos produto”, afirma Alessandro. “Mostramos o aplicativo na nossa mão, pois, se algum botão fosse acionado indevidamente, ele sairia do ar.”

O fundo que se interessou pela Lean Survey foi o IVP Participações, formado por empresários do setor de tecnologia oriundos da Unicamp, como Fabricio Bloisi, da Movile, Cesar Gon, da Ci&T, e Bruno Rondani, da Wenovate. O aporte no valor de 300 000 mil reais foi realizado em abril deste ano.

“Os gestores do fundo são bem próximos da empresa, principalmente o Bruno. Conversamos com ele diariamente e toda segunda-feira tomamos café da manhã juntos. Ele nos aconselha em decisões estratégicas e costuma nos pôr em contato com grandes empresas da sua rede”, diz Fernando.

 

APRENDENDO COM O FRACASSO

Se hoje a Lean Survey está trilhando um caminho próspero é porque os seus fundadores quebraram muito cabeça para encontrar um negócio ideal que valesse a pena.

Fernando e Alessandro se conheceram na Escola Politécnica da USP em 2009. Fernando cursava engenharia civil. Alessandro, engenharia de produção. Próximo ao término do curso, os dois faziam estágio em bancos de investimentos. No entanto, estavam insatisfeitos com a rotina e a sensação de “não criar nada” na área financeira. Eles decidiram abandonar a carreira promissora e empreender juntos.

A primeira ideia foi desenvolver um aplicativo social. Os usuários poderiam criar um perfil com sua rotina de práticas esportivas, culturais, viagens e festas. Dessa forma, conheceriam pessoas com os mesmos interesses. Mas o projeto não deu certo, como conta Alessandro.

“Trabalhamos durante quatro meses no projeto. Logo de cara chamamos um programador. A ideia era mapear os hábitos de consumo dos usuários e vender os dados para empresas. Mas fizemos tudo errado. Não validamos o mercado e nem pesquisamos se o produto geraria valor ao usuário. Chegou um momento em que o programador decidiu nos abandonar. Foi aí que percebemos que nossa empreitada estava fadada ao fracasso.”

A partir daí, os jovens começaram a pensar num novo modelo de negócio e contataram algumas empresas para saber como elas obtinham dados. Todas responderam que, ao invés de comprar dados aleatórios, encomendavam pesquisas de mercado, que na visão delas costumavam ser caras e demoradas. “Foi aí que tivemos a ideia de criar uma empresa de pesquisa”, conta Alessandro. Para tirar a Lean Survey do papel, cada um dos sócios investiu 4 mil reais – dinheiro que tinham acumulado durante o estágio. Fernando diz:

“Dessa vez, nos preocupamos em ser mais enxutos, evitando gastar recursos sem necessidade”

Para ajudar na programação, eles convidaram o desenvolvedor Marcos Paulo, 33, que conheceram num evento da USP, cujo objetivo era apresentar programadores experientes a jovens a frente de startups. “O Marcos era o cara mais preparado e o que mais demonstrou estar alinhado com as nossas expectativas”, afirma Alessandro.

A nova empresa mexeu bastante com a rotina dos sócios. Fernando, que sempre praticou lutas – foram 10 anos dedicados ao tae-kwon-do e cinco ao boxe – está há seis meses parado. O jovem, que possui família em Bragança Paulista, no interior de São Paulo, também diminuiu as visitas aos pais. “Agora, vou só a cada três meses”, conta.

Para Alessandro, a situação não foi muito diferente. O jovem, que chegou a pertencer à seleção brasileira de polo aquático, também abandonou as atividades físicas. Engordou e teve dificuldades com a namorada, que teve que lidar com o novo momento de Alessandro e a falta de tempo livre.  “Aos poucos ela passou a compreender a situação melhor e hoje me apoia bastante”, diz ele.

 

EM BUSCA DO SUCESSO GLOBAL

Atualmente, a Lean Survey conta com sete funcionários e realiza pesquisas no Brasil inteiro. Alessandro se encarrega da  área comercial e da comunicação com os clientes. Já Fernando se dedica ao desenvolvimento de produto e design.

A empresa tem planos ambiciosos para o próximo ano. Além de perseguir uma receita mensal de 70 mil reais, os sócios pretendem fazer um tour pelo Vale do Silício em busca de novos investimentos. Se forem bem-sucedidos nessa empreitada, a ideia é montar uma unidade nos Estados Unidos e outra na Europa. “Queremos levar nossas soluções de pesquisa para outros países e conquistar o mercado mundial”, diz Fernando.

DRAFT CARD

Draft Card Logo
  • Projeto: Lean Survey
  • O que faz: Desenvolve tecnologia mobile de pesquisa de mercado
  • Sócio(s): Alessandro Andrade, Fernando Salarolli, Marcos Paulo e IVP Participações
  • Funcionários: 7
  • Sede: São Paulo
  • Início das atividades: 2014
  • Investimento inicial: R$ 8 000
  • Faturamento: NI
  • Contato: contato@leansurvey.com.br
Veja também:

Verbete Draft: o que é Netnografia

- 22 de fevereiro de 2017
Kozinets criou a Netnografia (em 1995) para compreender a jornada do fã de Star Wars e Stars Trek em seu doutorado.

É possível entrar na mente do seu cliente? A Forebrain, de neuromarketing, acredita que sim

- 2 de fevereiro de 2016
Ficção científica na prática: a Forebrain usa o eletroencefalograma e o eye-tracker para determinar o grau de atenção, motivação e memorização do espectador diante de uma mensagem.