Quase sem querer, o PicniK passou de bazar descolado a maior propulsor da Economia Criativa de Brasília

- 22 de junho de 2017
Miguel e Júlia (na foto, com Jung, um Shar-pei que não desgruda) querem ver Brasília com menos rótulos e mais criativa (foto: Luís Tajes).
Jung, o cão, saiu na frente, mas a foto é de Miguel e Júlia, os organizadores do PicniK que contam como estão agindo para preservar a essência do festival brasiliense (foto: Luís Tajes).

Este fim de semana os brasilienses vão estender suas cangas no gramado, fazer piquenique, participar de workshops e palestras, dançar, fazer yoga e ouvir música de qualidade. São esperadas cerca de 25 mil pessoas (de público circulante) nos dias 24 e 25 de junho, das 13h às 23h, em um cartão postal da capital da República: a Torre de TV. Lá acontece uma experiência que já se tornou tradicional: degustar porções generosas da economia criativa do Distrito Federal num festival-festa-feira-bazar-sunset-party, como você quiser chamar, porque é mesmo tudo isso, junto e misturado. Mas podemos também resumir no nome de batismo do evento: PicniK.

O PicniK apareceu no Draft em 2014, quando já tinha dois anos de exsitência (clique na foto acima para ler a reportagem).

O PicniK apareceu no Draft em 2014, quando já tinha dois anos de existência (clique na foto acima para ler a reportagem).

Você já ouviu falar dele aqui no Draft, em 2014, quando publicamos uma reportagem a respeito. À época, o PicniK já existia há dois anos e meio e reunia 10 mil pessoas por edição. Já tinha se tornado itinerante, espalhando as toalhas por diversos gramados da capital, e se consolidava como o maior evento disseminador de tendências do DF.

Em cinco anos de vida, teve um crescimento expressivo se comparado ao público de 2 mil jovens animados que se juntaram pela primeira vez em 21 de abril de 2012, aniversário da cidade, com o intuito de ocupar, sem muita pretensão, um espaço nobre e recém-reformado: o calçadão da Asa Norte.

Apesar das vendas modestas dos primeiros 20 expositores, o misto de brechó e festa deu tão certo que caiu no gosto de um público sedento por ver a Brasília que ninguém via, uma versão alternativa, criativa, empreendedora e autoral – oposta à visão predominante, que confinava a cidade entre a política e o serviço público.

CRESCIMENTO, MUDANÇA NA SOCIEDADE E ENTRADA DE PATROCINADORES

O festival cresceu. Ganhou patrocinadores. A sociedade foi reestruturada, com a saída de uma das sócias fundadoras, Caroline Monteiro, em novembro de 2016. A condução da empresa permanece a cargo dos dois outros criadores, o casal Miguel Galvão, economista de 32 anos, e Júlia Hormann, publicitária de 31 – ela com dedicação exclusiva desde 2014; ele, conciliando com outras atividades.

Outros quatro colaboradores passaram ser funcionários fixos, com salários, trabalhando o ano todo apenas para o PicniK. Importante: o evento continua inteiramente gratuito ao público. A curadoria criteriosa dos expositores, privilegiando o made in Brasília, o artesanal e tudo o que não for óbvio, continua a ser uma das principais características da feira. Há moda, design, arte, gastronomia, artesanato, espaços zen e infantil, além de debates, dança, workshops e por aí vai.

Na edição deste fim de semana haverá entre 180 e 200 expositores. Desta vez, como ocorre uma vez por ano, no início do período de seca, serão dois dias de evento, para abrigar também um festival de música. Bandas da cena alternativa. E, neste caso, não apenas locais. Na história do evento, 27 atrações internacionais já puseram os pés no palco candango.

A edição deste fim de semana do PicniK durará dois dias e terá atrações musicais.

A edição deste fim de semana do PicniK durará dois dias e terá atrações musicais (foto: Thomas Faquini).

Não foi pouca coisa que mudou desde 2014. Naquela época, que os sócios chamam de “fase 3” do PicniK, eles já haviam conquistado um público expressivo e percebido a necessidade de maior dedicação ao evento, em detrimento de carreiras pessoais. Além disso, houve a escolha do Parque da Cidade como a casa preferencial, mais confortável para abrigar o festival, que carecia de espaço e estrutura, como estacionamento. Não só por isso. “Fazia parte do projeto democratizar o acesso, tornar o evento mais central e evitar os problemas, como as reclamações dos moradores das quadras”, conta Miguel.

No Parque, o PicniK ganhou um porte substancial. Hoje, é a principal comemoração do aniversário de Brasília e também é a principal festividade do Dia das Crianças. Tornou-se parte da agenda oficial da cidade, feita pela Secretaria de Turismo. Apesar das edições mais frequentes no Parque da Cidade, não perdeu a característica de ser nômade.

Preenchendo o espaço das datas comemorativas, o PicniK passou a exigir uma retaguarda maior em segurança, banheiros, iluminação, logística, tudo para receber um público que sempre surpreendia. Miguel conta como isso os pressionou por mudanças: “Esse volume de público trouxe uma carga muito pesada, tínhamos de nos preparar para o dobro do previsto. Uma vez, chegamos a receber 30 mil pessoas. Foi preciso buscar patrocínio, por exemplo, e isso marcou a quarta fase do evento”.

Até 2014, 80% da receita do PicniK vinha do valor investido pelos expositores (que passam por uma curadoria dos organizadores antes de serem aceitos na programação). Havia um patrocinador, o Cartão BRB. A injeção de recursos chegou em 2017, depois de um ano de batalhas, através da Lei de Incentivo à Cultura do DF, por meio da Claro. Tornou-se a maior fonte de receita do projeto, que hoje opera no azul, “de maneira estável”, segundo os sócios, sem detalhar valores. O Cartão BRB saiu no início do ano da lista de parceiros.

Hoje, está com o PicniK também a Coca-Cola, que é a bebida oficial, uma parceria já consolidada. O Spotify estreará como o player oficial do evento. Aumentou também a participação de empresas locais, que aproveitam a oportunidade para expor sua marca, sem necessariamente vender um produto ou serviço, com ações e debates. Dessa forma, o PicniK se consolida também como um espaço de discussão – de música à ecologia, de educação a temas do cotidiano, como diz Miguel:

“O evento continua sendo um grande canal de distribuição de produtos, mas também de ideias”

Ele diz que a estratégia para isso é convidar “projetos legais, que ainda estejam em fase de maturação”, para aproveitar a estrutura do PicniK e atingir um grande público. Foi assim que o coletivo A Ponte, movimento em prol do autoconhecimento e da expansão da consciência, mostrou suas intenções e acabou por se tornar um parceiro fixo. Visibilidade também não falta nas redes sociais. Entre 2012 e 2015, os sócios contaram 3 milhões de pessoas alcançadas no Facebook e 10 mil fotos espontâneas no Instagram. Só no ano passado, foram 1,4 milhão no face e 2 mil na rede de fotos.

COMO SE ADAPTAR AO CRESCIMENTO EXCESSIVO

A organização dessa feira multicultural exigiu mais empenho e foco da equipe, que decidiu reduzir de cinco para quatro edições por ano. A crise econômica do último ano também pesou na decisão. Outros eventos menores que a empresa produzia, como a festa Tutti Frutti, o festival gastronômico Quitutes e o Zoo, voltado para os donos de pets, foram suspensos.

Ou seja, agora todas as atenções estão voltadas para o PicniK, que não se restringe ao evento em si. Dois programas estão sob o guarda-chuva da marca: um deles ajuda a formar empreendedores; o outro, embaixadores. Júlia fala sobre este aspecto do negócio:

“A partir do momento em que defendemos o fortalecimento da Economia Criativa local, vimos que era preciso agir. Não bastava fazer o evento, tínhamos que capacitar, dar a mão para o expositor e dizer ‘vamos juntos entender o mundo empreendedor’”

Por isso, o Acontece PicniK, que era embrionário em 2014, consolidou-se como ação permanente — oferecendo palestras sobre formalização, estratégias de venda e divulgação e cultura empreendedora. Com este programa, Júlia e Miguel esperam superar um desafio e, por que não dizer, um sentimento de culpa. “Havia pessoas com produtos legais, expostos a um público enorme, mas que não vendiam e culpavam o evento. Só que eles não sabiam calcular o preço, vinham sem nenhuma estratégia”, conta Miguel.

Hoje, os números os confortam. O faturamento médio do expositor fica em 1.500 reais, mas há quem registre 15 mil reais em vendas. Por dia, o festival movimenta de 400 mil a 500 mil reais. Entre empregos diretos e indiretos, os sócios informam que o PicniK gerou 4 500 ocupações ao longo de seus cinco anos de operação, totalizando 5,8 milhões de reais em negócios gerados e mais de 2 100 empreendedores criativos atendidos.

Para dar conta de um público circulante que oscila entre 20 mil e 30 mil, pelo menos uma centena de pessoas trabalha nos dias de festival. Entre eles, um pequeno exército de voluntários, os chamados embaixadores. “Funciona como uma troca. Nossa equipe fixa é bem pequena para o que se tem pra fazer. Selecionamos estudantes para ser nossos embaixadores e, em contrapartida, eles são adotados como parte da equipe. Conseguimos vagas em cursos concorridos, sorteamos entre eles coisas legais que conseguimos com parceiros e eles recebem treinamento específico sobre produção em eventos de grande porte como o nosso”, descreve Júlia, que contou com a parceria da escola de atividades criativas Perestroika.

MENOS FARRA, MAIS CONSUMO E INTERAÇÃO

O objetivo principal de formar embaixadores, Miguel completa, não era apenas garantir uma força de trabalho. Era preciso ter multiplicadores do conceito do PicniK. “O evento cresceu, hoje atraímos um público que não conhece nossa história, pensa que é uma rave. Nosso conceito não pode se perder e é papel dos embaixadores replicarem a ideia e ajudarem a formar um público consumidor consciente”, diz.

Em sua visão, é essencial para a marca PicniK que as pessoas que vão ao festival interajam de alguma maneira (seja participando de uma aula de yoga, de um painel de debate, seja consumindo). Ele fala:

“Para nós não é interessante alguém vir só com seu isoporzinho e ficar ali bebendo e curtindo uma farra. Tivemos que mexer nisso”

No PicniK, pelo menos metade dos frequentadores é de jovens, a maioria de até 25 anos. Ou seja, o desafio é não deixar que o evento vire pura e simplesmente uma balada e, dessa preocupação veio uma das decisões mais difíceis dos organizadores: no fim de 2016, foi proibido o acesso com bebida alcoólica, embora o consumo seja autorizado quando a compra acontece dentro do festival. Choveram críticas.

Frequentado por jovens de até 25 anos, o festival corria o risco de perder sua essência e "virar farra".

Frequentado por jovens de até 25 anos, o festival corria o risco de perder sua essência e “virar farra”. A decisão de proibir o acesso com bebida alcoólica, apesar de criticada, teve impacto positivo para os sócios.

“As pessoas falaram que foi por uma questão de dinheiro, mas o bar nunca foi uma grande fonte de receita. Foi por segurança, limpeza e para preservar a cara do evento”, diz Miguel. Segundo ele, no entanto, o impacto foi positivo. Famílias prolongaram a permanência, as atividades propostas tiveram maior participação. De quebra, ajuda a moldar um comportamento. “Formamos um público mais consciente, que zela pelos espaços públicos, preserva, ocupa de um jeito legal. A gente gosta de se vangloriar dizendo que deu para substituir os abadás pelas cangas no chão. Esse lifestyle ficou muito agregado à nossa marca”, afirma.

Ao todo, o PicniK já realizou 29 edições, incluindo um evento-teste em São Paulo e três edições em Goiânia, capital que agora recebe o festival duas vezes por ano. Tempo e experiência suficientes para entender que um público maior não é o objetivo. A dupla não quer eventos megalomaníacos. Júlia fala:

“Nunca foi nossa missão ser o grande evento do Centro Oeste. Nossa bandeira é mudar o paradigma da cidade, adicionar conceitos e convidar as pessoas a se abrirem para o diferente”

Por isso, o casal prefere não falar em planos para o futuro, embora fique claro na conversa com a reportagem que há muitos em ponto de ebulição. Para firmar o conceito, por exemplo, eles pensam em um espaço que coloque o PicniK no cotidiano da cidade não apenas quatro vezes por ano, mas de forma permanente. Um lugar que agregue o conceito da marca, promovendo encontros ou reunindo produtos para vender.

Miguel e Júlia também querem ensinar o que aprenderam, repassar uma expertise em produção, formar novos profissionais, capazes de gerar ideias tão frutíferas quanto o PicniK foi para a cidade. Até lá, esperam continuar vencendo resistências, como as instáveis relações com a burocracia estatal e o difícil processo de convencimento de grandes marcas a apostar na economia criativa. Sempre de canga.

Veja também:

Por uma moda mais consciente: a história da Mattricaria e sua pequena fábrica de corantes naturais

- 5 de junho de 2017
Pelas mãos da designer de moda Maibe Maraccolo, da Mattricaria, mais de uma centena de plantas viram tintas naturais (foto: Luís Tajes).

A Conspiração Libertina mostra como é possível ganhar dinheiro com bom humor e ativismo

- 24 de maio de 2017
Luciana e Gabi, no último Carnaval, com adesivos da Conspiração Libertina: bom humor e ativismo em qualquer superfície.

Quando o negócio começou a dar certo, tudo deu errado. Foi preciso rearrumar a casa do Buji — e valeu a pena

- 10 de julho de 2015
Ana Viana e Bárbara Ávila, do Buji, amadureceram junto com o business.

Sabe qual é a relação entre fotografia e álbum de figurinhas? A Fotoploc ensina para você

- 20 de janeiro de 2015
Camila Sallaberry no home-office do qual comanda a Fotoploc: fotografia vira figurinha, que vira negócio.