Roberto Meirelles, da Inesplorato: projetos de garagem podem virar empresas de impacto

- 22 de janeiro de 2015
Roberto Meirelles, ao centro, num evento do Projetos de Garagem: “Para empreender, é preciso ter muita paixão pelo projeto. E muita, mas muita disposição mesmo, para trabalhar por ele”
Roberto Meirelles, ao centro, num evento do Projetos de Garagem: “Para empreender, é preciso ter muita paixão pelo projeto. E muita, mas muita disposição mesmo, para trabalhar por ele”

Concretizar sonhos, promovendo o contato entre projetos inovadores e pessoas brilhantes com gente interessada em apoiar e viabilizar essas iniciativas. Esse é o lema do Projetos de Garagem, uma das frentes de atuação da Inesplorato, empresa que atua na curadoria de conhecimento para pessoas físicas e empresas.

A iniciativa nasceu da própria experiência da Inesplorato. Os três sócios – Débora Emm, Roberto Meirelles e Carlos Alberto Martinez – entraram de cabeça no sonho de empreender e descobriram que era possível transformar aquilo que amavam e acreditavam em um negócio. Por que não espalhar esse sentimento?

Da vontade de possibilitar que outras pessoas também pudessem concretizar o sonho de trabalhar com aquilo que amavam, convocaram pessoas e empresas de todo o Brasil a enviarem suas ideias para serem avaliadas por uma comissão julgadora e, as finalistas, apresentadas para uma plateia composta por empresários, investidores, profissionais de marketing e publicidade e “pessoas interessadas em se inspirar com projetos apaixonantes”, diz Roberto Meirelles, um dos sócios da Inesplorato.

Surgia o Projetos de Garagem que, em duas edições, reuniu um total de 1 000 inscrições, com 80 projetos pré-selecionados e 19 finalistas. A terceira edição deve acontecer em fevereiro de 2015.

“O Projetos de Garagem nasceu do propósito de fazer com que mais pessoas pudessem viver de suas paixões. Éramos empreendedores em início de jornada quando concebemos essa ideia. Apesar de todas as dificuldades, já tínhamos a dimensão do impacto positivo que trabalhar com algo em que realmente acreditávamos gerava em nossas vidas”, afirma Roberto. “Vimos que não só nós, mas também as pessoas que estavam ao nosso redor eram beneficiadas quando passamos a colocar energia em uma paixão. Felicidade é uma coisa que contagia. Apesar das dificuldades, sempre existia um sentimento que fazia a gente não desistir. E esse sentimento era tão bom, que queríamos fazer com que mais pessoas pudessem sentir isso também”.

Roberto, Débora e Carlos Alberto abriram mão da estabilidade de seus respectivos empregos, em 2010, para perseguir àquilo em que acreditavam. Nesta época, o surgimento de um número cada vez maior de sites, blogs e redes sociais já vinha facilitando o acesso à informação e revelando que o volume de produção de conteúdo tendia a ser cada vez mais elevado. E difícil de administrar do jeito certo pela maioria das pessoas. “A nossa capacidade em lidar com todo esse conhecimento não acompanha o ritmo acelerado de produção desse conhecimento. A nossa proposta, com a Inesplorato, era fazer a ponte entre pessoas e empresas e esse excesso de informações. Queríamos ajudar esses indivíduos e organizações a se relacionar melhor com o fluxo do conhecimento”, diz Roberto.

O Alma de Batera, idealizado pelo músico Paul Lafonteine, um dos cases de sucesso do Projetos de Garagem: ensinando bateria a crianças especiais

O Alma de Batera, idealizado pelo músico Paul Lafonteine, um dos cases de sucesso do Projetos de Garagem: ensinando bateria a crianças especiais

Com a clareza do que gostariam de oferecer e a expertise que a atuação por anos no mercado de pesquisa proporcionou aos sócios, a próxima etapa era elaborar um estratégia que transformasse esse conceito em um negócio e viabilizasse a criação de uma empresa. “Encontramos aí o nosso primeiro desafio, que era realmente um pouco assustador e incerto: criar uma nova profissão, um negócio que não existia – a curadoria de conhecimento”, diz Roberto.

Neste momento, deixando um pouco o planejamento de lado e colocando a mão na massa para que o aprendizado viesse com a prática, nasciam as caixas, um dos principais produtos da Inesplorato. “As caixas são o resultado do projeto de curadoria direcionada. Trata-se de um projeto totalmente customizado de curadoria de conhecimento. Após o bate-papo com o cliente, com um questionamento relacionado à vida, à profissão, às relações com o mundo, a equipe de curadores diagnostica os universos de conhecimento que serão trabalhados com aquele cliente em específico”, diz Roberto. “Esse conteúdo pode ser formado por um livro, um documentário, um cartão de visita, tudo que possa transformar a vida daquela pessoa. A partir desse repertório de conhecimento reunido em uma caixa de madeira artesanal, com comentários e dicas de aproveitamento deste material enviadas com os demais itens por nossos curadores, permitimos que os clientes encontrem respostas para algumas perguntas centrais em sua trajetória”.

Outro campo de atuação da Inesplorato, mais voltado para o trabalho com empresas, é a realização de estudos. “Quando a gente abriu a Inesplorato, resolvemos pensar num modelo proprietário de estudo. Nossa experiência no mercado de pesquisa e publicidade nos gerou uma angústia sobre a forma que o mercado lidava com o conhecimento. Era muito comum uma marca solicitar uma pesquisa mais profunda sobre um tema específico e precisar disso para daqui uma semana. Esta lógica do mercado, que era a falta de tempo e a falta de verba, fazia com que estes estudos nunca chegassem num estágio suficientemente profundo, nunca tivessem de fato um caráter transformador”, diz Roberto.

Com esta conclusão, dedicaram um flanco da Inesplorato à escolha de temas para estudos amplos e aprofundados, cuja produção leva no mínimo 5 meses de trabalho. A empresa já realizou estudos relacionados, por exemplo, à infelicidade feminina, à diversidade cultural brasileira, às casas dos brasileiros, à solidão, entre diversos outros temas.

A Inesplorato se transformou numa empresa com 17 funcionários, com sede num sobrado na Vila Mariana. Para Roberto, a primeira dica para novos empreendedores é encarar o fato de que empreender não é nada romântico. E que é importante saber que os perrengues no meio do caminho são muito maiores do que o glamour envolvido – quem não tem essa consciência costuma desistir.

“O Projetos de Garagem é uma forma que encontramos de promover as boas ideias e de mostrá-las a pessoas que podem ajudar a concretizá-las. Algumas iniciativas que se desenvolveram com o Projetos de Garagem estavam há anos batalhando por seu lugar ao sol. Foi a persistência que os fez atingir a concretização”, diz Roberto.

O Alma de Batera, idealizado pelo músico Paul Lafonteine, é um dos cases de sucesso do Projetos de Garagem. Desde 2008, Paul busca ensinar bateria a pessoas com deficiência, tornando o instrumento mais acessível. Aprovado na segunda edição do Projetos de Garagem, em 2012, Paul teve sua ideia viabilizada por meio de um financiamento coletivo e hoje conseguiu abrir mais duas oficinas para aulas em São Paulo.

“Tem que ter paixão pela sementinha que você está cultivando. E disposição para trabalhar muito, mas muito mesmo”, diz Roberto.

 

DE EMPREENDEDOR PARA EMPREENDEDOR

 

Que softwares você usa no seu computador pessoal?
Atualmente tenho utilizado bastante o IFTTT. Ele cria conexões automatizadas entre vários devices e serviços que uso com frequência. É muito fácil de mexer e não perco mais tempo com tarefas chatas. Outro que uso o dia inteiro é o Spotify!

Que acessórios você usa no seu computador pessoal?
Utilizo um hardware externo que faz o backup da minha máquina via wi-fi, de tempos em tempos. Ele faz tudo sozinho, nunca mais me preocupei em perder arquivos e configurações importantes. Também uso uma pen tablet quando estou mexendo em softwares de edição de vídeo e imagem.

Dica de configuração.
Costumo trabalhar com diferentes configurações de desktop: uma pessoal e outra profissional.

Qual a sua opinião sobre cloud computing?
Além do backup físico, mantenho todos meus arquivos em nuvem. Dessa forma posso compartilhá-los de maneira simples, acessá-los sempre que necessário. Me sinto seguro. HD cai no chão, você pode derrubar café em cima…

Como seria o computador dos seus sonhos?
Um computador que me conheça a partir das informações presentes em meus emails, arquivos, hábitos, cliques etc. Nada de cadastros e configurações! Eu não precisaria imputar dados nele de maneira ativa. E ele teria a voz da Scarlett Johansson…

Quais Apps de produtividade que todo empreendedor devia usar?
O Slack. Desde que começamos a usar essa ferramenta de comunicação interna, nossas vidas mudaram. A quantidade de e-mails trocados caiu para praticamente zero e é ótima para organizar o histórico das conversas. Além disso, ela está integrada com vários outros aplicativos e plataformas que usamos, o que facilita muito o trabalho. A Inesplorato ama o Slack.

Quais Sites/perfis de negócios e inovação que todo empreendedor devia seguir?
É fundamental que todo empreendedor não se perca na especialização. Mergulhar apenas nos sites de negócios e inovação (voltada ao tema) pode ser muito perigoso. Recomendo o site da revista peruana Etiqueta Negra.

Quais livros de negócio que todos empreendedor devia ler?
Por que Saí do Goldman Sachs, de Greg Smith E My Korean Deli, de Ben Ryder Howe.

Quais Ferramentas (planilhas, softwares, hardwares etc) que todo empreendedor deveria ter?
Uma maneira simples, segura e eficaz de fazer backup! Backup sempre!!! E uma planilha com todos os logins e senhas da empresa compartilhados entre os sócios. Duvido que daqui três anos, você conseguirá acessar o site de hospedagem do domínio do seu site.

Eventos de inovação e negócios que todo empreendedor deveria frequentar.
Em novembro de 2015 acontecerá pela primeira vez no Brasil o What Design Can Do. Imperdível.

 

AssinaturaHP

 

Com esta série HP/Intel no Draft, vamos falar das ferramentas e tecnologias usadas pelos inovadores. Do lifestyle e dos novos jeitos de trabalhar dos game changers brasileiros. Dos novos espaços de trabalho e dos novos jeitos de gerir dos nossos makers. Do como pensam e como fazem negócios os empreendedores criativos do país.

Veja também:

“Aproveite mais a viagem, olhe mais em volta”

- 27 de maio de 2015
Gus Diament, do Spotify

Draft, 6 meses: carta aos inovadores corporativos

- 2 de março de 2015
Viva os Inovadores Corporativos, que constroem a ponte (não raro às custas de muito desgaste pessoal) entre a economia industrial, tradicional, e a nova economia, pós-industrial, digital. Esse é um trabalho santo.