SPONSORS:

Seleção Draft – Como ter uma startup resistente

- 21 de março de 2017
Para ter um negócio lucrativo, se espelhar em unicórnios não é o caminho. (Imagem: Drew Coffman - Flickr/ Reprodução)
Para ter um negócio lucrativo, se espelhar em unicórnios não é o caminho. (Imagem: Drew Coffman - Flickr/ Reprodução)

Como ter uma startup resistente
Uma startup só se torna um negócio quando ele começa a operar, gerar caixa, lucro etc. Em seu texto no Medium, Harry Chen (fundador da Altcademy, que desenvolve softwares educacionais) propõe alguns passos – que ele diz serem controversos – para que uma empresa seja lucrativa desde o primeiro dia. Alguns deles são:

1)  Cobre pelo seu produto desde o início, esta é a única maneira de testar o valor dele;
2) Teste muitas ideias antes de escolher aquela que vai gerar o seu negócio;
3) Saiba que se importar com o seu usuário é uma vantagem em relação aos concorrentes;
4) Não fuja da parte de vendas, isso é algo que a equipe toda deve saber fazer;
5) Se tecnologia não é sua especialidade (mas a base da sua startup), estude!

 

Confiança para monetizar
Paulo Felix Jr., executivo da área de Customer Experience da Oracle, fala em um artigo no LinkedIn sobre como um empreendedor pode ganhar a confiança do seu consumidor. Ele diz que “a arte de vender” está cada vez mais ligada ao social selling (uma presença online que torne uma empresa relevante) e que “num mundo com muito mais oferta que demanda, é preciso ser lembrado na hora que o cliente precisar”. Leia mais no link acima.

 

Líderes humanitários
É comum encontrar fundadores de startups que dizem: “Quero fazer do mundo um lugar melhor”. A afirmação, no entanto, pode ser mais que uma frase de efeito se o interlocutor souber como deve ser uma liderança preocupada com impacto social, segundo Lisa Kay Solomon, no Singularity Hub. Para ela, a chave é usar a tecnologia não só para gerar uma solução, mas aproveitar toda a sua capacidade para ajudar pessoas que necessitam.

 

Social Good Brasil Lab
Laboratório que apoia empreendedores a desenhar e validar ideias que usam tecnologias para impacto social, o Social Good Brasil Lab está com inscrições abertas para o seu próximo programa. Ele terá duração de quatro meses e inclui encontros virtuais presenciais (em Florianópolis). Os interessados devem se inscrever por este link e produzir um vídeo respondendo: quem é você; o que você se orgulha de ter feito; qual é o problema social que você quer ajudar a resolver e qual é a sua ideia/iniciativa.

Veja também:

Sete lições que aprendi empreendendo fora dos grandes centros

- 17 de março de 2016
Rômulo Justa: "É possível crescer, empreender e construir legados fora do eixo. Me arrisco a dizer, até, que este desafio pode ser mais valoroso do que triunfar nas fast tracks do mundo".

Se colocar no lugar do outro, ter empatia, é a habilidade fundamental dos novos tempos: para pessoas e marcas

- 25 de dezembro de 2015
Pedro Cruz e Rita Almeida (foto: Lucio Cunha).