SPONSORS:

Seleção Draft – Investidor anjo ou demônio?

- 6 de julho de 2017
Dinheiro não é tudo: um bom investidor deve confiar na sua equipe. (Imagem: Louis K - Flickr/ Reprodução)
Dinheiro não é tudo: um bom investidor deve confiar na sua equipe. (Imagem: Louis K - Flickr/ Reprodução)

Investidor anjo ou demônio?
O que um bom investidor-anjo deve trazer a um negócio, além de dinheiro? De acordo com Nir Eyal, escritor especializado em empreendedorismo:

“Ele deve acreditar no potencial dos empreendedores, mas lembrá-los que terão muito trabalho pela frente”

Para Eyal, que assina o texto do link acima, no Medium, há também “investidores demônios”, aqueles que duvidam do CEO, cobram resultados inalcançáveis e geram uma percepção de incapacidade por parte da equipe. No artigo, ele fala de como o empreendedor pode distinguir esses dois personagens.

 

Encontre um problema real
Tentar achar soluções para um problema que não existe é o que faz muitas startups fracassarem. É o que diz, no link acima, o consultor de startups Badri Narayanan, no LinkedIn. Ele lista três perguntas para empreendedores entenderem se realmente estão no caminho certo e se as pessoas realmente pagariam por suas soluções:

1) Que problema estou tentando solucionar com a minha proposta?
2) Qual o impacto desse problema para o meu público-alvo?
3) Quantos potenciais clientes realmente enfrentam esse problema?

 

Como uma tecnologia transforma a indústria?
Em seu artigo na Forbes, Arnie Gordon, presidente da Arlyn Sales (que produz aparelhos de laboratórios veterinários), questiona o que faz uma tecnologia ser disruptiva. Não se trata apenas de dinheiro. De acordo com ele, o principal elemento é o timing, ou seja, saber quando lançá-la. Além disso, é preciso escolher bem a equipe que desenvolverá o projeto, a ideia em si, o modelo de negócio e, por último, como financiá-lo.

 

Pitch Day Pão de Açúcar
O grupo Grupo Pão de Açúcar abriu recentemente seu primeiro concurso de startups. Ele foi dividido em três categorias: melhorias da experimentação dos clientes, Big Data aplicada ao varejo e melhorias dentro do centro de distribuição. Os projetos serão avaliados por um júri formado por executivos da empresa e os oito finalistas participarão de um pitch day. Os três melhores receberão sessões de mentoria. Para se candidatar, acesse o link acima.

Veja também:

“Investidor-anjo ajuda, mas não é santo nem faz milagre”

- 3 de janeiro de 2017
Cassio Spina, da Anjos do Brasil, é um dos disseminadores dessa maneira de fomentar negócios no país e fala das vantagens e riscos, tanto para o empreendedor como para o investidor.