SPONSORS:

Seleção Draft – O produto vem primeiro

- 21 de abril de 2017
Aprimorar o seu produto é prioridade. É assim que ele vai angariar investimento e consumidores. (Imagem: massmatt - Flickr/ Reprodução)
Aprimorar o seu produto é prioridade. É assim que ele vai angariar investimento e consumidores. (Imagem: massmatt - Flickr/ Reprodução)

O produto vem primeiro
Qual deve ser a prioridade de toda startup? O produto, segundo Chase White. Fundador da Loom (plataforma que conecta empresas e freelancers para troca de equidade), ele escreve no Medium sobre a importância de criar algo que as pessoas não só vão usar uma ou duas vezes, mas por um longo tempo. E isso só é possível quando você concentra seus esforços em desenvolver a melhor versão do seu produto ou serviço. É daí que virá a lealdade do consumidor, o interesse de investidores e uma visão mais clara do mercado. Leia mais no link acima.

 

Os novos operários
Para Zohar Lazar, autor do artigo na Wired (link acima), os operários do futuro não usarão mais capacetes ou trabalharão no chão de fábricas, porque sua função será programar. Ele contesta a visão do “programador superstar”, que cria algoritmos revolucionários, e diz que muitos profissionais podem aprender o ofício sem uma expertise sofisticada e trabalhar sem experiência prévia. Este movimento de expansão da profissão já está acontecendo, de acordo com ele.

 

Oportunidades para o negócio social
A Artemisia divulgou nesta semana um estudo que aponta oportunidades para quem se interessa por negócios sociais no Brasil. As tendências incluem a criação de soluções para a primeira infância; para a crise hídrica; questões de empregabilidade e complemento e qualificação dos serviços prestados pelo SUS. Veja o resumo do estudo, que identificou 28 investidores e ouviu 22 investidores nacionais e internacionais, no link acima.

Veja também:

“Não sabemos como alocar dinheiro de forma eficiente em programas e pessoas que fazem a diferença”

- 12 de outubro de 2017
Andrew Means, diretor da Beyond.uptake, virá ao Brasil para defender o uso de Big Data em organizações sociais, durante o Festival Social Good Brasil.

Na Risü, reverter compras em doações é um negócio sustentável que fortalece causas sociais

- 6 de março de 2017
Com 4,5 mil reais de capital, Lucas Borges, Rodrigo Franzot e Francis Andrade e Matheus Godinho (ausente na foto) criaram um site para transformar compras online em doações.