SPONSORS:

Seleção Draft – Procrastinar pode render

- 15 de setembro de 2017
Não se culpe: às vezes, é bom deixar a preguiça falar mais alto (Imagem: Pixabay/Reprodução).
Não se culpe: às vezes, é bom deixar a preguiça falar mais alto (Imagem: Pixabay/Reprodução).

Procrastinar pode render
Pare de se culpar pela procrastinação. Adiar os afazeres — um pouquinho — pode ter suas vantagens. Pelo menos é o que diz Ayse Birsel, cofundadora do estúdio de design Birsel + Seck. No Inc., ela lista os benefícios de postergar para trabalhar melhor depois, entre eles: colocar a vida pessoal antes da profissional, permitir que soluções criativas surjam do subconsciente, transformar a ansiedade em impulso e deixar as coisas acontecerem sem interferência. Que tal aproveitar a preguiça típica de sexta-feira e começar a praticar? Para ler mais, acesse o link acima.

 

Protótipo barato
Desenvolver um protótipo é essencial para validar um produto, fato. Mas isso não precisa ser caro. No The Next Web, Scott Gerber, fundador do Business Collective (plataforma de mentoria gratuita), aponta diferentes maneiras para o empreendedor construir sua primeira versão com poucos recursos. Entre as 13 sugestões do texto (link acima), algumas são indicações de apps e programas, mas há conselhos mais simples, como:

1) Rascunhe antes o projeto no papel;
2) Ponha a mão na massa;
3) Utilize recursos da impressão 3D;
4) Crie algo manual para depois automatizar;
5) Contrate um artista independente.

 

Mais propósito que dinheiro
O site da revista PEGN (link acima) traz a visão de Guilherme Junqueira, fundador da Gama Academy (escola de transformação tecnológica), sobre às motivações de funcionários para trabalharem em startups. Durante um evento pelos dois anos do Cubo, ele usou dados de uma pesquisa da própria Gama para mostrar que, em primeiro lugar, essas pessoas buscam mais propósito e, em segundo, autonomia. Salário aparece apenas na décima posição. Apesar das boas intenções, ele alerta que é preciso saber escolher bem os colaboradores pois, diz, erros de contratação são responsáveis pela maioria dos desligamentos e podem custar até nove meses de salário.

 

Economia Colaborativa
Descola oferece uma aula online gratuita sobre Economia Colaborativa (link acima). Em cerca de uma hora, Camila Haddad, cofundadora da Cinese, conceitua o tema e aborda outras questões, como desenvolvimento sustentável, livre mercado e premissa da escassez. A proposta é transformar a maneira como se trabalha e consome e inspirar ideias para construir iniciativas, projetos e negócios nesse modelo.

Veja também:

Quem é Kuki Bailly e como ela quer transformar a sua rede dots em um negócio sustentável

- 1 de novembro de 2016
Kuki Bailly é brasileira, de mãe chinesa e pai francês. Cidadã do mundo, é uma "conectora de pessoas" e a "ditadora da paz" à frente do impressionante dots.

O Preto Café, que tem o sistema pague-quanto-quiser, mudou de bairro para se firmar como proposta

- 21 de outubro de 2016
Maurício, Eduardo, Carol, Lucas e Fran: os associados do Preto Café, agora no Largo do Arouche.

Por dentro da M_A (ou, se você quiser, Mesa & Cadeira)

- 13 de junho de 2016
Uma boutique de inovação, um hotshop de prototipação, um workshop maker supervitaminado. Eu estive lá. Vi como funciona. Trabalhei com eles. E vou contar tudo para você