Verbete Draft: o que é Arduino

- 27 de julho de 2016
Se o movimento maker é o que é, deve muito ao Arduino, a ferramenta que tornou a robótica e o desenvolvimento de protótipos algo muito mais simples e acessível. Conheça essa história.
Se o movimento maker é o que é, deve muito ao Arduino, a ferramenta que tornou a robótica e o desenvolvimento de protótipos algo muito mais simples e acessível. Conheça essa história.

Continuamos a série que explica as principais palavras do vocabulário dos empreendedores da nova economia. São termos e expressões que você precisa saber: seja para conhecer as novas ferramentas que vão impulsionar seus negócios ou para te ajudar a falar a mesma língua de mentores e investidores. O verbete de hoje é…

ARDUINO

O que acham que é: Um tipo de hardware.

O que realmente é: Arduino é uma pequena placa eletrônica, open source (de código aberto) e de baixo custo usada para a criação de projetos interativos de hardware e software. Chamado de plataforma e ferramenta, permite a conexão, de forma simplificada, entre o universo da computação e dispositivos físicos, já que é capaz de ler inputs (como a luz de um sensor, o dedo em um botão, uma mensagem no Twitter) e transformá-los em outputs (como a ativação um motor, de uma luz de LED, uma publicação). O Arduino roda em todos os sistemas operacionais e é uma das principais plataformas utilizada por makers do mundo todo, que são os seus principais usuários.

A ferramenta é composta por um controlador, algumas linhas de entrada e saída — digitais e analógicas—, além de uma interface serial ou USB e utiliza linguagem de programação padrão. Um texto da iMasters, comunidade de usuários, diz: “Com uma placa Arduino em mãos, tudo que você precisa para começar a trabalhar com ele é fazer o download do ambiente de desenvolvimento em seu computador e conectá-lo através do cabo USB. Depois disso, basta ler alguns tutoriais que em alguns minutos você estará rodando o seu primeiro programa.”

Karla Soares, jornalista e especialista em Cibercultura e Comunicação em Redes, fala que o Arduino permite a criação de aplicações robóticas para o dia a dia. “Ele foi uma forma exitosa de popularizar a robótica, já que é uma ferramenta barata que permite a qualquer pessoa criar aplicações a partir do hardware.” Todo dia 2 de abril é comemorado o Arduino Day, evento mundial que reúne e conecta toda a comunidade em torno da ferramenta. Este ano aconteceram 331 eventos em 68 países. No Brasil, foram 51 eventos em várias cidades.

Quem inventou: Massimo Banzi, David Mellis, Tom Igoe, Gianluca Martino e David Cuartielles, em parceria com o estudante colombiano Hernando Barragán (que escreveu uma tese sobre o feito), todos do Interaction Design Institute Ivrea, na Itália. Segundo Murilo Zanini, professor de Mecatrônica Industrial da Fatec (Faculdade de Tecnologia do Estado) de São Bernardo do Campo, o nome da ferramenta foi escolhido por ser parte do nome de um bar frequentado por seus criadores:  “Além disso, por Arduino ter sido um rei italiano”.

Quando foi inventado: Em 2005, mas tem raiz em projetos feitos anteriormente pelo Ivrea diante da necessidade de uma ferramenta mais moderna e acessível do que as então disponíveis no mercado. A mais utilizada na época era a BASIC Stamp que, na Itália, custava cerca de 76 euros, ou 100 dólares. O valor, alto para os estudantes, fazia com que não produzissem muito. Nessa época, o Ivrea, que já não existe mais, estava prestes a fechar.

Para que serve: Para criar pequenos projetos de eletrônica de uma maneira muito mais simples. “O Arduino tem o benefício de possuir uma comunidade muito grande, que gera tutoriais bastante simples e descritos em uma linguagem bem leiga, e permite o desenvolvimento rápido de soluções”, diz John Paul, coordenador acadêmico da Fiap. Para ele, o maior benefício da ferramenta é a incorporação de acessórios (chamados de shields) com diversas funções, como displays, gravadores de som, placas para transmissão wi-fi, sensores, controladores de motor etc. “Usando um Arduino e um shield, em minutos é possível construir um circuito eletrônico que controla um motor e ainda exibe informações em um display.”

Serve ainda, segundo Zanini, para realizar a leitura de diversos sinais de um ambiente (como temperatura, umidade, presença de pessoas) “e, ainda, para enviar sinais de atuação como controlar motores para que o deslocamento de um botão, ligar ou apagar luzes de um espaço etc.”

Quem usa: É usado massivamente pelo universo maker. Também por instituições de ensino (superior e médio), institutos de pesquisa, empresas, artistas e “hobbistas”, para criar de projetos nas mais diversas áreas. “Várias ferramentas consagradas de desenvolvimento e pesquisa, como o Matlab e o LabView, já disponibilizaram interfaces de comunicação com a plataforma. E há também grandes empresas que apoiam o Arduino, como a Microsoft”, diz Zanini.

Efeitos colaterais: “Viciar” estudantes, que pelos benefícios da plataforma deixam de procurar outras soluções, de acordo com Zanini. “Mas essa desvantagem pode ser contornada. Basta que os cursos apresentem a plataforma, explorem ao máximo suas funcionalidades e, depois, iniciem a exploração de conceitos relacionados à programação tradicional de microcontrolares.”

Quem é contra: Paul conta que, no começo, alguns professores universitários foram contra o uso do Arduino, pois acreditavam que a ferramenta tornava o processo muito simples e imediatista. “Em alguns minutos os estudantes já conseguiam realizar coisas bacanas, como o controle de displays, música, botões, motores etc. No entanto, para alguns cursos o entendimento mais profundo das características de programação e limitação de hardware é crucial.” Zanini diz que que há algumas correntes contrárias ao uso do Arduino por acreditar que, por ser simples demais, pode tirar o interesse de se conhecer o que está acontecendo “por trás” dele.

Para saber mais:
1) Assista, no Vimeo, a Arduino – The Documentary, em que o time criador do Arduino conta, em pouco menos de meia hora, a história da ferramenta.
2) Leia, na Techtudo, o texto O que é um Arduino e o que pode ser feito com ele?, em que Karla Soares explica a plataforma com detalhes técnicos, mas em linguagem acessível. No link há também o vídeo de uma caixa de brinquedos, projetada pelo designer inglês Grant Gibson, com o uso do Arduino.
3) Leia, no Experimentoria, Maker de 8 anos cria smart watch usando Arduino e impressão 3D. Batizado de “O Watch”, o gadget é composto de um Arduino e um LCD a cores e possibilita às crianças familiaridade com o o mundo da programação em Arduino, criando jogos e apps.

Veja também:

Verbete Draft: o que é Fab City

- 8 de fevereiro de 2017
Não é utopia, o Fab City é um programa possível, real, e já implementado em lugares como Amsterdam, no qual o movimento maker ajuda a cidade, como um todo, a se transformar.

“Só vamos resolver problemas reais se pararmos de pensar apenas em escalar”

- 2 de fevereiro de 2017
Juliana Glasser passou sete anos achando que trabalhar com tecnologia era só sonho. Hoje, ela tem duas empresas, é porta-voz do movimento maker e palestrante da CPBR10.

Verbete Draft: o que é Gift Economy

- 28 de dezembro de 2016
Gift Economy é o instinto primitivo de doar e trocar o que se tem em prol da sobrevivência e prosperidade de um grupo. É um dos princípios do Burning Man, festival que acontece no deserto de Nevada, nos EUA. Parece utopia, mas está no cerne da sustentabilidade.

Fomos ao “porão hacker” da Red Bull Station, de onde saem protótipos para resolver problemas urbanos

- 2 de setembro de 2016
Os residentes do Red Bull Basement: Sara Lane da Costa, Diogo Tolezano, Giovanna Casimiro, Ricardo Coelho e Pedro Godoy. (Faltam Samanta Fluture e Lina Lopes)