SPONSORS:

Verbete Draft: o que é Exponencialidade

- 6 de setembro de 2017
O termo vem da Matemática mas, no contexto da tecnologia, diz respeito a evoluções que acontecem em ritmo cada vez mais alucinante. Isso traz coisas boas, mas também algumas incertezas. Entenda.
O termo vem da Matemática mas, no contexto da tecnologia, diz respeito a evoluções que acontecem em ritmo cada vez mais alucinante. Isso traz coisas boas, mas também algumas incertezas. Entenda.

Continuamos a série que explica as principais palavras do vocabulário dos empreendedores da nova economia. São termos e expressões que você precisa saber: seja para conhecer as novas ferramentas que vão impulsionar seus negócios ou para te ajudar a falar a mesma língua de mentores e investidores. O verbete de hoje é…

EXPONENCIALIDADE 

O que acham que é: Um conceito matemático mais moderno.

O que realmente é: Exponencialidade (em inglês, é mais comum o uso da expressão exponential growth), em um contexto tecnológico, é o termo utilizado para definir a velocidade ultra acelerada com que as tecnologias têm evoluído nas últimas décadas e o efeito que causam na sociedade. Para tanto, utiliza o conceito matemático de “função exponencial” — que, exposta em um gráfico, permite o estudo de situações que se enquadram em uma curva de crescimento ou decrescimento. No caso da Exponencialidade tecnológica, a curva (exponencial) sobe cada vez mais rápido e de forma impactante.

Para se ter ideia, basta pegar um ponto nessa curva não muito distante, como o começo dos anos 2000. Naquela época, a internet já tinha 10 anos mas a conexão ainda era discada e usava-se disquete para salvar arquivos do computador. Hoje, apenas 17 anos depois, já existem conexões de internet em TBPS (Terabytes — trilhão de bytes— por segundo) e é possível salvar arquivos na nuvem — o que era improvável há pouco tempo, agora é até impalpável. E segue assim: no futuro, será possível implantar o aparelho celular no cérebro. E esse futuro é daqui a seis anos (disponível no mercado, porque a tecnologia já existe).

Igor Oliveira, engenheiro e sócio da Aerolito (empresa de futurismo e experimentação de tecnologias exponencias que faz parte da rede Perestroika) baseia diz que a razão pela qual a tecnologia da informação cresce de forma exponencial é usarmos as tecnologias mais recentes para construir as próximas. “Não estamos mais usando um computador do tamanho de uma sala para projetar os próximos computadores. Cada avanço tecnológico é um degrau para o próximo.”

Um ponto importante sobre Exponencialidade é justamente seu oposto, a linearidade. No gráfico, enquanto a curva exponencial se projeta para cima e muito rapidamente, a linear é reta e estável — assim como o funcionamento do cérebro humano. Uma frase de Ray Kurzweill (mais sobre ele abaixo) resume bem a ideia: “Nossa intuição sobre o futuro é linear. Mas a realidade da tecnologia da informação é exponencial e isso tem uma diferença profunda. Se dou 30 passos linearmente, são 30 passos. Se dou 30 passos exponencialmente, são bilhões de passos”.

Há, ainda, um outro conceito sempre citado quando se fala em Exponencialidade, a “Lei de Moore”. Também voltada ao crescimento exponencial, mas de hardware, foi formulada em 1965 por Gordon Moore, um dos fundadores da Intel. Ele percebeu que o número de transistores que podem ser colocados em um chip dobra a cada 18 meses (e cada vez mais baratos e velozes). Recentemente, a Intel anunciou que o ritmo vai diminuir — os transistores têm escala nanométrica (já falamos sobre Nanotecnologia) e reduzi-los ainda mais está ficando difícil.

É também graças à Exponencialidade que, em meados deste século, ocorreria a controversa Singularidade, o ponto em que a máquina superará a inteligência humana. Aqui, acabaria a possibilidade de previsão dos avanços tecnológicos, já que aconteceriam em um ritmo que nem sequer poderemos sonhar. Lembrando: não há consenso no meio científico sobre o assunto.

Quem inventou: Não há um inventor. Oliveira conta que quem popularizou a expressão Exponential Growth foi o cientista da computação e futurista norte americano Ray Kurzweil, autor do livro The Singularity Is Near: When Humans Transcend Biology, e cofundador da Singularity University.

Quando foi inventado: O livro foi lançado em 2005.

Para que serve: Para a compreensão, a consciência e até mesmo transformação dos efeitos que as novas tecnologias provocam na sociedade. Segundo Alfredo Colenci Neto, professor da Faculdade de Tecnologia do Estado (Fatec) São Carlos (SP), há um impacto positivo no mundo a partir das tecnologias exponenciais. “Podemos listar o aumento da expectativa de vida, a redução drástica da mortalidade infantil, o surgimento de energias renováveis, a redução no preço de alimentos e da energia elétrica e a redução do analfabetismo, entre outros.”

Para Oliveira, esta época de intensos avanços e descobertas tecnológicas influencia tanto a cultura quanto o pensamento. “As perspectivas, previsões, planejamentos devem levar em conta o pensamento exponencial em contrapartida ao mindset linear. Mas, como diz Bob Wollheim em seu artigo para o Draft, temos tanto que ter cuidado com o hype quanto com o Cost of Ignoring (risco de ignorar tudo o que está acontecendo à sua volta e não repensar nada). Isso faz muito sentido.”

Quem usa: Todos os que utilizam tecnologia, sejam pessoas com seus smartphones, sejam empresas e seus maquinários. Colenci Neto dá o exemplo do uso da Exponencialidade em universidades. “Como capacitar um universitário de graduação que tenha grade curricular definida anos atrás e não se adequa às mudanças? A maneira como iremos estudar e trabalhar serão diferentes no futuro.”

Efeitos colaterais: A Exponencialidade pode levar a uma mudança na estrutura das empresas (chamadas de Organizações Exponenciais), com a diminuição das vagas de empregos. “Em vez de milhares de funcionários e grandes instalações físicas, essas empresas estão executando suas atividades por meio de pequenas organizações focadas em tecnologias da informação. Há quem diga que o avanço tecnológico tem como consequência o desemprego mas mudanças na forma do trabalho acabam por gerar outras formas de trabalho. Tem sido assim por séculos”, diz Colenci Neto.

Quem é contra: Oliveira diz que qualquer um de nós pode ser contra, no sentido de apresentar certa resistência a algo nos tire da nossa zona de conforto. “Pode ser que saibamos tudo sobre a tecnologia que usamos hoje e, em alguns anos, ela se torne obsoleta, nos forçando a uma adaptação.”

No entender de Colenci Neto, há visões contrárias ao pensamento de que a Exponencialidade proporcionará apenas coisas boas. “A ideia de que robôs irão pensar e aprender da mesma forma que seres humanos, por exemplo, não é algo totalmente amistoso e gera desconforto, assim como outras tecnologias anunciadas.”

Para saber mais:
1) Assista ao TED The accelerating power of technology no qual Ray Kurzweil conta em detalhes mudanças que ocorrerão em 2020 como nanorobôs operando a consciência humana.
2) Leia Temos 3 Futuros, no Pagebooks. Em um formato é bastante interessante (não é um texto convencional) que explica, contextualiza, desenha e traz contexto histórico do tema.
3) Leia, na Wired, Innovation Takes the Exponential Express. O texto faz críticas e perguntas a respeito do crescimento exponencial, principalmente em empresas.
4) No LinkedIn, André Menezes fala sobre Realidade Exponencial e traz uma explicação simplificada do que é Exponencialidade na tecnologia, nos seres humanos e nas organizações.

Veja também:

“Sobre exponencialidade: não caia no hype, please. Mas não ignore tudo o que está acontecendo à sua volta”

- 17 de agosto de 2017
Esta semana a Singularity University apresentou, em três dias, um resumo de "para onde vai o mundo". Bob Wollheim estava lá e conta o que viu de mais bacana e inspirador.

Como a Eunerd se salvou da falência depois de perder clientes e sócios: reaprendendo a aprender

- 30 de maio de 2017
Daniel Tutida e Bruno Ramos contam como foi a jornada de renascimento da startup, que deixou de se chamar Encontre um Nerd e assumiu um novo posicionamento de mercado: B2B.

Verbete Draft: o que é Singularidade

- 5 de abril de 2017
Parece ficção científica, mas coisas como inteligência artificial e chatbots já fazem parte da nossa vida (imagem: reprodução blog Transhumanity).