SPONSORS:

Verbete Draft: o que é Lean Startup

- 8 de abril de 2015
Lean Startup esquema
Lean Startup consiste, entre outros princípios, em gastar poucos recursos para testar uma ideia antes de investir pesado nela (imagem: reprodução Netestudio)

Gisela Blanco, que assina este texto, é jornalista mestre em Business Innovation pela University of London.  

 

Continuamos a série que explica as principais palavras do vocabulário dos empreendedores da nova economia. São termos e expressões que você precisa saber: seja para conhecer as novas ferramentas que vão impulsionar seus negócios ou para te ajudar a falar a mesma língua de mentores e investidores. O verbete de hoje é…

LEAN STARTUP 

O que acham que é: Algum tipo de startup.

O que realmente é: Uma metodologia para criar negócios de forma enxuta, eliminando desperdícios e etapas desnecessárias. “É um processo em que se aprende ao fazer, não planejando antes”, diz o professor Wilson Nobre, membro do Fórum de Inovação da FGV.

Quem inventou: O conceito de “lean”, que no Brasil é traduzido como “enxuto”, vem da década de 1950, e foi criado nas fábricas do Japão. Ao contrário do que era comum no ocidente — muito planejamento, pesquisa de mercado, produção com várias etapas muito bem documentadas etc —, os japoneses criaram linhas de produção mais enxutas: reduziam desperdícios, cortavam etapas que não eram essenciais, eliminavam os grandes estoques. Nascia o lean manufacturing. “No pós-guerra, aquela era uma cultura que tinha escassez de alimentos, de espaço. Não podia copiar os excessos dos métodos de produção do ocidente. Tiveram que se adaptar”, afirma Wilson Nobre. Também surgia ali o sistema “just in time” de produção: nada deveria ser produzido antes da hora, antes que a demanda fosse real. A Toyota foi o primeiro grande exemplo de aplicação desses princípios: a eficiência era máxima, o desperdicio mínimo e os carros só eram produzidos quando a encomenda já havia sido feita (não havia mais um estoque esperando pelos compradores, como antes).

Quando foi inventado: Ao longo dos anos, aqueles conceitos que nasceram no Japão pós-guerra correram o mundo. Se tornaram cada vez mais simples, bem definidos. Se expandiram para além da manufatura. Até chegarem às startups. Em 2011, o empreendedor e mentor americano Eric Ries, escreveu um livro sobre a metodologia que há alguns anos vinha aplicando com startups, baseada nas técnicas de lean manufacturing. Seu livro The Lean Startup virou um guia obrigatório para as melhores startups do mundo. Lá, ele propõe também um diagrama com os ciclos de trabalho que devem ser seguidos, como: construir (o produto mais simples possível), medir (os resultados), aprender (o que deu certo e errado, e então fazer uma versão melhor).

Para que serve: Segundo Ries, para ajudar startups a falharem menos. Ou pelo menos não fracassarem por erros que poderiam ser evitados — como gastar todas suas fichas no protótipo perfeito. Afinal, maioria das startups nasce com pouco dinheiro e precisa crescer rápido. Seria inviável para esse tipo de empresa fazer pesquisas de mercado detalhadas, um baita planejamento e investir pesado em desenvolvimento. O início tem que ser barato e rápido. Assim, Ries criou conceitos como o de Minimum Viable Product (MVP): fazer uma versão simples do que se vai lançar (um software ou app, por exemplo) com o mínimo de recursos para que funcione e pronto: colocar logo no mercado. “Os usuários vão testando, e, a partir das críticas deles, a empresa lança novas versões. Esse ciclo pode ser muito rápido, com novos releases toda semana, todo dia. O importante é crescer de acordo com o que o mercado pede”, afirma o professor Wilson Nobre. Também faz parte dessa jornada de vez em quando ter que “pivotar” — ou mudar o modelo de negócios. E, se necessário, falhar: quanto mais rápido, gastando menos energia, tempo e dinheiro, melhor.

Quem usa: A maior parte das startups mundo afora, ou grandes empresas que começaram como startups — Amazon, Facebook, Zappos etc. No Brasil, já temos vários bons exemplos também, como o caso da Easy Taxi de Tallis Gomes, que contou ao Draft ter criado a primeira versão do aplicativo no modelo MVP. Na entrevista, o empreendedor detalha como criou, primeiro, um protótipo do serviço, no qual o pedido do usuário caía direto no seu e-mail pessoal e ele procurava no Google Maps um carro disponível. Quando percebeu que havia de fato demanda para esse tipo de serviço, aí sim ele desenvolveu o app.

Efeitos colaterais: Um perigo é quando os empreendedores se apegam demais ao lado prático e esquecem de aprender ensinamentos básicos de administração. “Muitos veem o Lean Startup como negação do que veio no passado. Acham que é simplesmente ir lá e fazer de qualquer jeito, o que der na telha”, diz Wilson Nobre. E alerta: “Não é. Essa desorganização faz inclusive com que haja desperdício — de tempo, de dinheiro, de esforços da equipe. É preciso aprender, estudar, buscar minimamente o que já existe para empreender com um nível melhor”. É bem provavel que Eric Ries concordasse. O autor, que é formado pela Universidade de Yale, deixa claro logo no início de seu livro: empreendedorismo é, essencialmente, administração. Trabalhar sem método e ignorar experiências alheias não é eficiente.

Quem é contra: Em uma conferência sobre Lean Startup em 2012, em São Francisco, o investidor Marc Andreessen deixou claro: o modelo é ótimo, mas não serve para toda startup. Há produtos, por exemplo, que precisam chegar ao mercado por inteiro, completos. Ou não vão fazer o efeito nem atrair a atenção que deveriam (caso dos computadores da Apple, por exemplo). O venture capitalist também diz que muitos empreendedores podem usar o método como uma desculpa para não investir em marketing e vendas — um erro grave que pode prejudicar a empresa. Outro problema, segundo ele, está em criar uma cultura sedutora em torno do fracasso. Muita gente estaria interpretando mal a facilidade do “pivot” e deixando de persistir o suficiente em um plano, estratégia ou modelo de negócios. “Você quer preservar o benefício da ideia de pivotar, mas você não quer que as pessoas sejam intencionalmente encorajadas a falhar. Talvez seja tempo de acrescentar mais estigma. Entre os empreendedores que admiro, admiro os que pivotam, mas admiro ainda mais os que persistiram”, afirmou durante a conferência.

Para saber mais:
1) Leia o livro The Lean Startup, de Eric Ries.
2) Conheça casos de startups Lean e assista aos vídeos sobre seus modelos.

 

***Leia aqui mais verbetes desta série.***

Veja também: