SPONSORS:

Verbete Draft: o que é NFC

- 8 de março de 2017
A Near Field Communication é essencial para sistemas de pagamento como o SamsungPay.
A Near Field Communication é essencial para sistemas de pagamento como o SamsungPay.

Continuamos a série que explica as principais palavras do vocabulário dos empreendedores da nova economia. São termos e expressões que você precisa saber: seja para conhecer as novas ferramentas que vão impulsionar seus negócios ou para te ajudar a falar a mesma língua de mentores e investidores. O verbete de hoje é…

NFC (Near Field Communication)

O que acham que é: Concorrente da cadeia de fast food KFC.

O que realmente é: NFC, acrônimo de Near Field Communication (Comunicação de Campo Próximo, em português) é uma tecnologia utilizada para transferência de dados sem fio, que permite que dois dispositivos troquem informações estando próximos um do outro. O usuário não precisa digitar senhas ou clicar em botões, mas seu celular (ou outro dispositivo) precisa estar equipado com sensores NFC, assim como o outro aparelho com o qual irá se comunicar. A tecnologia NFC tem aparecido com mais frequência nos celulares lançados nos últimos quatro anos.

De acordo com John Paul Lima, coordenador dos cursos de Engenharia da FIAP, a NFC é semelhante às tecnologias Bluetooth e RFID (Radio Frequency Identification): “A transmissão de dados utiliza campos magnéticos com frequência de 13,56MHz e são limitados a 20 cm de distância. Esse limite de distância (campo próximo ou near field) promove segurança na troca de dados, além de evitar altas intensidades que podem afetar outros equipamentos”.

Quem inventou: Segundo Luis Hilário Tobler Garcia, coordenador e professor do curso de Big Data no Agronegócio da Fatec, o desenvolvimento da NFC teve início com a tecnologia RFID. “Essa criação é creditada a Charles Walton”. Lima conta que o padrão NFC foi inventado por um consórcio entre três gigantes da indústria eletrônica (Philips, Nokia e Sony), a NXP semicondutores: “O intuito era aprimorar a segurança e a facilidade no uso da tecnologia RFID”.

Quando foi inventado: A RFID é dos anos 1980. Já o consórcio, criado no Japão, é de 2004. Mas a tecnologia surgiu, de fato, em 2002.

Para que serve: Compras e pagamentos são os principais usos da NFC, feitos pelo uso de aplicativos. Segundo Lima, há um grande interesse na substituição dos cartões de crédito e débito pela tecnologia NFC mas há outros usos como abertura de fechaduras, pagamento de viagens e de transporte público, check-in em hotéis, restaurantes etc. “Com essa tecnologia, é possível fazer o celular realizar tarefas como desligar funções de GPS e acionar alto-falantes apenas colocando um aparelho sobre o outro”, diz.

Quem usa: No Brasil, a tecnologia ainda está começando a ser utilizada, mas aproximadamente 80% dos terminais de pagamento de Cielo e Rede são adaptados para sua utilização, já que alguns bancos possuem apps que usam o NFC de smartphones para pagar compras em máquinas de cartão. A Samsung Pay funciona no país desde o ano passado. É preciso ter um modelo da marca que venha com NFC e, por enquanto, ainda não são todos os bancos ou redes que aceitam. Já o Android Pay está previsto para chegar no Brasil ainda neste ano (com uma possível parceria com o Nubank, entre bancos e administradoras de cartão de crédito), mas o Apple Pay ainda é uma promessa.

Efeitos colaterais: Não há.

Quem é contra: Lima diz que, assim como com as tecnologias Wifi, Bluetooth e outras, há pessoas que se preocupam com a poluição eletromagnética da NFC. “No entanto, dentre todas as tecnologias de troca de dados sem fio, a NFC é a mais inofensiva de todas. Inclusive, a faixa de frequências de 13,56MHz é amplamente reconhecida por não interferir em comunicações de rádio, equipamentos médicos, comunicações de avião etc.”

Para saber mais:
1. Leia, no TecMundo, Por que eu faço pagamentos via NFC e acho isso fantástico! O autor conta sua experiência com a tecnologia e detalha sua utilização.
2. Leia, no The Next Web, Real users don’t care about Apple Pay and contactless mobile payments. O texto fala, entre outras coisas, de uma pesquisa da TfL (Transport for London) após oito meses de tecnologia NFC nos cartões Oyster (o Bilhete Único inglês) mostrou que poucas pessoas se interessaram pela tecnologia para aquele fim.
3. Leia, no Inc., The Smartest Credit Card Ever Made: Your Phone. Como propõe o título, o texto fala das vantagens da tecnologia NFC mas o que realmente chama a atenção é que foi escrito em 2011.
4. Leia, na Venture Beat, The world’s smartest cities include Singapore, New York, Barcelona. O texto é sobre uma pesquisa mundial feita em 2016 sobre tecnologia de sensores relacionada à smart cities. Do total de 13 074 000 sensores no mundo, 2 113 000 são NFC (o restante está dividido entre beacons e pontos de wifi).

Veja também:

Verbete Draft: o que é eWallet

- 6 de dezembro de 2017
6332 4 0
O pagamento é feito por proximidade, e um smartphone pode ser sua nova carteira. Conheça a tecnologia que pode mudar de vez a nossa relação com o dinheiro físico — seja ele de papel ou de plástico, já que até o cartão ficará obsoleto (imagem: reprodução Samsung).