SPONSORS:

Uma metodologia para gerenciar – e estimular – a inovação corporativa

- 23 de fevereiro de 2015

Patrícia Maeda já falou ao Draft sobre os desafios de inovar dentro de um grupo do porte do Fleury, do qual é gerente de inovação. Ela também contou sobre como faz o gerenciamento do investimento de inovação, entre outros temas.

No último vídeo desta série, ela revela, por fim, a sua metodologia de trabalho. Ela começa na segmentação do portfolio de inovação, dividido em: produtos, experiências, novos negócios.

Como as ideias chegam estes pipelines? Por diversos canais: desde o site do Fleury, que recebe projetos de qualquer pessoa (colaborador, médico etc), também por um canal aberto para ouvir os fornecedores, ou por um programa chamado “Central de ideias”, criado para receber qualquer faísca criativa de colaboradores da empresa.

E, se os canais não forem suficientes, o insight também tem espaço e vez! “Pode acontecer em qualquer lugar”, diz Patrícia.

Depois de reunidas todas as ideias, as reuniões do board irão avaliar se os projetos estão avançando, trazendo os resultados esperados, ou ao menos uma evolução que justifique sua manutenção.

Quer entender melhor? Play para ver mais.

Veja também:

“A Campus Party não é só um mar de barracas. Tem muito conteúdo de qualidade para executivos”

- 7 de fevereiro de 2019
316 15 4

Para desburocratizar serviços jurídicos em startups, o BNZ Innovation criou até uma moeda própria

- 5 de fevereiro de 2019

Não é só coworking: como o Guaja, em BH, ramificou-se em novos negócios com criatividade e gestão familiar

- 31 de janeiro de 2019