SPONSORS:

A AgVali criou uma platafroma para facilitar vendas agrícolas no Brasil

- 29 de fevereiro de 2016

Nome:
AgVali.

O que faz:
É um marketplace o agronegócio. A startup criou uma plataforma virtual que possibilita todo processo de venda entre fornecedores nacionais, internacionais e revendedores agrícolas brasileiros.

Que problema resolve:
No Brasil, há uma ampla demanda por insumos e tecnologias agrícolas que não é atendida. Por isso, o objetivo da AgVali aumentar a difusão destes produtos ao longo da cadeia produtiva e diminuir as barreiras entre fornecedores e seus clientes.

O que a torna especial:
A proposta da empresa é oferecer um serviço online para atender as necessidades do revendedor agrícola, ao mesmo tempo que promovemos o alcance dos fornecedores para suas tecnologias agrícolas, favorecendo também a sua difusão no Brasil.

Modelo de negócio:
A princípio, a empresa não irá cobrar pelos serviços. Os modelos de negócio serão testados depois que a plataforma for usada e avaliada por compradores e vendedores.

Fundação:
Agosto de 2015.

Sócios:
Alexandre Veiga – CEO
Manuela Zoninsein – CMO
Avram Slovic – CFO
Zachary Gidwitz – Supply Director

Perfil dos fundadores:

Alexandre Veiga – 28 anos, São Paulo (SP) – formado em Administração pela Universidade de São Paulo (USP). É empreendedor com seis anos de experiência em startups. Antes, trabalhou na basico.com e Rocket Internet Brasil.

Avram Slovic – 38 anos, São Paulo (SO) – formado em Administração pela Universidade da Pennsylvania. É executivo com oito anos de experiência entre Estados Unidos e Brasil em empresas tecnológicas. Antes da AgVali, trabalhou na Braskem SA e Amyris Biotech.

Manuela Zoninsein – 34 anos, Nova York (EUA) – formada em Letras pela Pontíficia Universidad Católica de Chile e em estudos Latino-americanos pela Universidade de Harvad. Foi CEO na Smart Agriculture Analytics, co-fundadora da AlmaLinks e tem oito anos de experiência em jornalismo e marketing.

Zachary Gidwitz – 29 anos, Nova York (EUA) – formado em Economia pela Wesleyan University. Tem quatro anos de experiência em operações financeiras e logística entre China e USA. Anteriormente, trabalhou na Bloomberg e nova Energy Finance.

Como surgiu:
Zachary e Manuela se conheceram há quatro anos, durante o aprendizado de mandarin na Tsinghua University, em Pequim. Em seguida, Zachary começou a trabalhar na Bloomberg New Energy Finance, cujo modelo de receita foi o impulso para a criação de sua primeira empresa juntos, a Smart Agriculture Analytics, atual AgVali. Avram se juntou ao time próximo ao programa Startup Brasil, no qual a startup passou a ser financiados pela Wayra, aceleradora da empresa Tefefônica. Alexandre Veiga, também conhecido como Bio, era conselheiro e investidor da Wayra, com grande experiência no segmento, e estava responsável pela criação de um fundo de investimento agrícola. Após conhecer os outros sócios e a proposta de nossa empresa, resignou de suas outras funções para se tornar o CEO da AgVali.

Estágio atual:
A empresa tem três escritórios: em São Paulo, Nova Iorque e Beijing. Cada escritório é composto por, respectivamente, seis, um e dois integrantes.

Aceleração:
É acelerada pela Wayra, pertencente ao grupo Telefonica Open Future.

Investimento recebido:
Receberam investimento seed de investidores-anjos, amigos e familiares. A quantia não foi especificada.

Necessidade de investimento:
O valor não foi informado, mas a startup busca investimento.

Mercado e concorrentes:
“A busca pelo aumento da produtividade no setor agrícola nunca foi tão relevante quanto no momento atual, que precisamos da promoção do agronegócio para aumentar o número de empregos no país”, diz Alexandre. A concorrência é composta empresas que promovem a venda ou facilitam a comparação entre produtos agrícolas, como cooperativas, associações e equipes de venda à campo de empresas fornecedoras de insumos agrícolas e trading houses.

Maiores desafios:
“Nosso maior desafio no momento é trazer este ambiente de negociação do meio rural, que atualmente ocorre cara a cara, para o meio online”, diz o CEO Alexandre.

Faturamento:
Atualmente, a receita é composta unicamente por contribuições dos investidores, principalmente a Telefônica.

Previsão de break-even:
Ao longo de 2018.

Visão de futuro:
Registrar na plataforma todos os revendedores agrícolas qualificados do Brasil, para que ela possa se tornar o maior portal online para a negociação, compra e venda e insumos e tecnologias agrícolas do país.

Onde encontrar:
Site
Contato

 

Você tem uma startup que já é mais do que um sonho mas ainda não é uma empresa totalmente estabelecida? Escreva para a gente. Queremos conhecê-lo. E, quem sabe, publicar um perfil da sua iniciativa aqui na seção Acelerados. Esse espaço é feito para que empreendedores como você encontrem investidores. E para que gente disposta a investir em novos negócios encontrem grandes projetos como o seu.

Veja também:

Com visão computacional, a cromAI pode ajudar a reduzir o uso de agrotóxicos nas plantações

- 10 de outubro de 2018
2540 6 0

Com tecnologia e simplicidade, o Aegro torna a gestão agrícola mais acessível e menos elitista

- 7 de novembro de 2017
6901 1 0
Pouca idade, barba na cara e calça xadrez: o time da Aegro leva tecnologia acessível e inteligente para tornar a vida no campo mais atraente aos jovens.

Draft ano 2 – A Noocity vai bem. O CEO quase teve uma estafa, mas se recuperou…

- 27 de setembro de 2016
Pedro, Rafael e Laís, no escritório-quintal da Noocity. Para eles, é como se o tempo não tivesse passado.