A ajudaJUS facilita o acesso à Justiça em causas de defesa do consumidor | Acelerados | Projeto Draft


SPONSORS:

A ajudaJUS facilita o acesso à Justiça em causas de defesa do consumidor

- 18 de agosto de 2017

Nome:
ajudaJUS.

O que faz:
É uma plataforma que conecta advogados a clientes em causas de defesa do consumidor.

Que problema resolve:
O serviço desburocratiza o acesso à Justiça para os usuários e garante um fluxo de clientes para advogados autônomos.

O que a torna especial:
Segundo os fundadores, o ajudaJus traz comodidades para o consumidor ingressar com sua ação mais facilmente, seja com envio de documentos através da plataforma ou com procurações e contratos gerados automaticamente. Além disso, o cliente só paga honorários para o advogado se ganhar o processo.

Modelo de negócio:
É cobrada uma assinatura mensal dos advogados cadastrados, no valor de 49 reais (mas os três primeiros meses são gratuitos).

Fundação:
Abril de 2017.

Sócio:
Bruno Arruda — CEO
Jesus Hernandez — CMO
Arthur Sousa — CTO

Perfil dos fundadores:

Bruno Arruda — 23 anos, Fortaleza (CE) — é formado em Engenharia de Produção pela Universidade Federal de Fortaleza e tem especialização em Negócios pela Budapest Business School. Tem passagens pelas empresas EloGroup e NCR (Budapeste).

Jesus Hernandez  23 anos, Fortaleza (CE) — é formado em Direito pela Universidade de Fortaleza. Trabalhou no escritório Rocha, Marinho & Sales e na Advocacia Geral da União.

Arthur Sousa — 23 anos, Fortaleza (CE) — é formado em Engenharia da Computação pela Universidade Federal de Fortaleza. Trabalhou como desenvolvedor mobile na Divnotes (Canadá) e Lendstar GmbH (Alemanha).

Como surgiu:
A história é curiosa, pois de certa forma foi uma inversão de “lado”. A ideia do negócio nasceu quando Jesus era estagiário em um escritório de advocacia e lá, ao defender empresas de telefonia e de aviação, percebeu como na maioria dos casos o consumidor era lesado sem ter para onde recorrer. Enxergou, ali, um nicho de mercado desatendido.

Estágio atual:
A plataforma já registrou 73 reclamações, das quais 41 estão em trâmite na Justiça. Até o momento, nove foram finalizadas e tiveram a causa ganha. O site possui 32 advogados cadastrados, em 13 estados diferentes.

Aceleração:
A startup participou de um programa de pré-aceleração da Baita Aceleradora.

Investimento recebido:
Os sócios investiram 6 mil reais e captaram 56 mil com um investidor-anjo.

Necessidade de investimento:
Os fundadores pretendem fazer uma rodada de investimento no meio do próximo ano para captar entre 150 e 250 mil reais. O objetivo é implementar melhorias na plataforma, como Big Data de análise dos juizados, tempo médio do processo e da chance de ganhar uma ação, bem como o uso de AI para gerar petições.

Mercado e concorrentes:
Como concorrentes, os empreendedores apontam as plataformas JusTap, Meu advogado e Jurídico Certo.

Maiores desafios:
“Hoje a maior dificuldade da empresa é encontrar um canal de vendas ou uma estratégia de growth hack, já que apesar de termos um número relativo de clientes, ainda estamos no ‘corpo a corpo’, o que dificulta ganhar escala”, afirma Jesus.

Faturamento:
A startup espera fechar o ano com um faturamento mensal de 9 mil reais.

Previsão de break-even:
Julho de 2018.

Visão de futuro:
“Queremos ser o maior portal de defesa do consumidor na América Latina”, afirma o fundador.

Onde encontrar:
Site
Contato

Você tem uma startup que já é mais do que um sonho mas ainda não é uma empresa totalmente estabelecida? Escreva para a gente. Queremos conhecê-lo. E, quem sabe, publicar um perfil da sua iniciativa aqui na seção Acelerados. Esse espaço é feito para que empreendedores como você encontrem investidores. E para que gente disposta a investir em novos negócios encontrem grandes projetos como o seu.

Mas, se você tem uma ideia e ainda não sabe como estruturá-la em uma estratégia de negócios, escreva para mentoria@projetodraft.com e conheça nosso novo serviço de Mentoria.

Veja também:

“O ‘juridiquês’ é uma afirmação de poder que exclui os demais. Decidi trabalhar contra isso”

- 20 de julho de 2018
A procuradora Fernanda Vilares conta como o universo jurídico primeiro a encantou, para depois enchê-la de angústia com sua linguagem técnica e opressora. Foi quando ela decidiu fazer algo para mudar isso.