SPONSORS:

A Borealis Plantas em Casa vende espécies para espaços pequenos e conta também com um café

- 29 de abril de 2019
Patricia Belz criou a Borealis para oferecer plantas bonitas e de baixa manutenção. Em 2017, a loja deu origem ao Botanique Café Bar Plantas.

Você já ouviu falar na tendência urban jungle — ou selva urbana? Ela faz parte do estilo de vida de quem busca se reconectar com a natureza mesmo em meio a apartamentos espremidos nas rotinas atribuladas das cidades grandes.

Esse conceito e a paixão por plantas despertou o interesse de Patrícia Belz, 33, em abrir a Borealis Plantas em Casa, especializada em espécies para interiores e que necessitem de baixa manutenção. A loja nasceu em 2015 em um espaço de apenas 17 metros quadrados, em Curitiba. Hoje cresceu e compõe o Botanique, um lugar que combina café, bar e, claro, plantas.

Mas nada aconteceu do dia para a noite. Foi preciso amadurecer muito bem essa ideia para que o negócio florescesse. A designer de produtos tinha acabado de ser demitida da Modern, após quase dez anos trabalhando em agências de publicidade, quando viu o potencial desse nicho. Detalhe: meses antes, ela havia pedido demissão por se sentir estressada e desmotivada com o trabalho, mas voltou atrás. A decisão da empresa, no final, foi um empurrão para que empreendesse.

O tempo em casa e as inspirações que encontrava no Pinterest sobre o assunto fizeram com que adotasse o hobby de cuidar de plantas. Ela foi mais adiante e começou a pesquisar e fazer testes para avaliar as melhores opções e combinações para ambientes internos. Não demorou muito para que os amigos notassem seus resultados e a procurassem em busca de dicas:

“Percebi que tinha muitas pessoas com as mesmas dúvidas sobre como cuidar de plantas dentro de um apartamento”

Patrícia apostou que seria possível criar no Brasil algo similar ao que já tinha visto no exterior, as plant shops (lojas que não só vendem, mas ensinam como cuidar das plantas). Para viabilizar seu projeto, no entanto, foi preciso paciência. Por cerca de um ano, ela voltou a trabalhar em uma agência para juntar dinheiro.

Quando foi inaugurada, a decoração da Borealis seguia um estilo vintage, com móveis antigos servindo de vaso ou apoio para as plantas .

Aproveitou esse tempo para elaborar seu plano de negócio, buscar fornecedores e aprender tudo o que podia sobre como selecionar e cuidar de plantas para interiores.

Enfim, em agosto de 2015, abriu a Borealis, com investimento de 40 mil reais.

Toda a loja funcionava como uma vitrine e o foco era chamar a atenção com uma decoração composta por luminárias e móveis antigos.

“Quando inauguramos, a maioria dos lugares seguiam um estilo escandinavo ou industrial, com muito branco e preto. O que quis trazer foram esses elementos vintages, que sempre achei que combinavam muito com plantas.”

DESIGN PRESENTE EM CADA DETALHE

A experiência de Patrícia em agências de publicidade contribuiu na hora de administrar e divulgar seu negócio. Saber como usar o potencial das redes sociais a seu favor foi uma delas:

“Hoje não é possível ter uma marca e não estar no Instagram. É preciso ter boas fotos, legendas bacanas, saber conversar com o seu público”

A empreendedora entendia que as imagens certas despertariam a atenção e ajudariam a levar os clientes até sua loja. “Escuto muito que as plantas parecem de mentira por sempre estarem tão bonitas. A gente quer que as pessoas venham aqui e encontrem elas tão maravilhosas quanto nas fotos.”

Após uma reforma, em março, a Borealis aumentou o espaço de exposição das plantas e criou uma estufa para plantas delicadas.

Cada espécie vendida é acompanhada de um tag, que explica como a planta deve ser cuidada. Segundo Patrícia, porém, o diferencial da loja é que os clientes sabem que podem contar com a equipe sempre que tiverem alguma dúvida.

COMO ENCONTRAR O PÚBLICO-ALVO PARA PLANTAS CRESCIDAS

Ter uma loja de plantas de interiores com foco em design, e não apenas uma floricultura, muda bastante o perfil do público da Borealis, de acordo com Patrícia. “É comum que algumas pessoas, principalmente, mais velhas, estranhem nossa proposta.”

 “Muitos associam o cuidado com plantas à tradição de comprar mudinhas ou ganhar de vizinhos. Aqui oferecemos uma planta já crescida e bonita, pensando em quem não tem essa disponibilidade, mas quer ter mais verde em casa”

Um dos principais públicos da loja são justamente jovens e casais que têm seu primeiro apartamento e, inicialmente, querem apenas decorá-lo. “Ao perceberem como é fácil cuidar das plantas, acabam gostando e querendo outras, transformando isso em um hobby.” Por isso, a empreendedora se preocupa em sempre ter novidades e espécies difíceis de encontrar.

Oferecer opções de acessórios que não estão disponíveis em floriculturas comuns é outro diferencial. Desde o começo, a Borealis conta com uma linha própria, com cachepôs de tecido, cerâmicas, vasos, suportes, entre outros itens, desenvolvidos pela designer e por meio da colaboração com outros profissionais. A loja vende cerca de 750 produtos por mês a um ticket médio de 58 reais.

COMBINANDO PLANTAS COM CAFÉS E OUTRAS BEBIDAS

Cerca de um ano depois de abrir a Borealis, Patrícia sentiu que o espaço já não era suficiente para o que queria entregar. Como o ponto ao lado do seu havia acabado de ficar vago, ela achou que era o momento de realizar o sonho de abrir uma loja de plantas com um café. “O aluguel do lugar custava três vezes mais do que eu pagava, o que era muito para mim, mas tive um estalo: não precisava fazer isso sozinha.”

Em 2017, a loja passou a contar com um outro atrativo: o café  Botanique.

Foi Patricia Bandeira, proprietária do Negrita Bar, quem topou se juntar à sociedade, ao lado da amiga e jornalista Juliana Girardi. Para realizar o projeto da reforma, o trio contou com a parceria de Ana Sikorski e Kátia Azevedo, da Moca Arquitetura.

A junção da Borealis com o Negrita Bar deu origem ao Botanique Café Bar Plantas, inaugurado em 2017.

Depois que ganhou um novo lar, a Borealis cresceu em espaço e em vendas. Apesar de beneficiar os dois negócios, agregar um café à loja não foi garantia de sucesso: “O Botanique foi um passo certeiro e nos levou a outro nível, mas foi apenas um dos fatores. Nessa trajetória, também melhoramos nossos produtos e atendimento, buscamos novos fornecedores e aprendemos o que era melhor para o negócio.”

SEMEAR, CULTIVAR E CRESCER

Em 2018, Patrícia experimentou expandir e abriu várias “mini-Borealis” em locais como restaurantes e cafés. Após um tempo, percebeu que estava perdendo a força da marca em sua própria loja e preferiu fechá-las. Manteve apenas um ponto de venda em São Paulo, no Shopping Cidade Jardim, dentro da loja Conceito E.

Nesse momento, mesmo com propostas para transformar o negócio em uma franquia em outras cidades, concluiu que o melhor caminho para acessar mais clientes no Brasil é a abertura da sua loja virtual, que deve acontecer em breve.

“Infelizmente é inviável enviar as plantas, mas iremos comercializar os acessórios da nossa linha, que já são bastante solicitados pelas redes sociais.” Seu foco agora é ter tempo para olhar para o futuro, enquanto busca separar cada vez melhor a vida pessoal da profissional:

“Muita gente diz que empreender é uma forma de ter flexibilidade e fazer seu horário, mas na verdade você passa 24 horas do dia pensando no seu negócio”

“Hoje já tenho mais cuidado e sei que é importante gostar de outras coisas, ler sobre outros assuntos. E já que a loja é um reflexo meu, isso faz toda a diferença para sempre termos algo novo a oferecer”, afirma Patrícia, que assim como a Borealis, cultiva novos planos e sonhos.

DRAFT CARD

Draft Card Logo
  • Projeto: Borealis Plantas em Casa
  • O que faz: Vende plantas de baixa manutenção para interiores e acessórios
  • Sócio(s): Patrícia Belz
  • Sede: Curitiba e ponto de venda em São Paulo
  • Início das atividades: 2015
  • Investimento inicial: R$ 40.000
  • Faturamento: 750 produtos vendidos por mês
  • Contato: contato@borealisplantas.com
Veja também:

Pioneira no estilo minimalista chique para cozinha, a Il Casalingo é um case de lifestyle que virou negócio

- 14 de fevereiro de 2019
Larissa e Joanna queriam encontrar no Brasil os itens básicos e simples para a cozinha que viam em suas viagens ao exterior. Fizeram isso, sem deixar de colocar um toque nacional nos produtos. Deu certo.

Vender descartáveis para festas e ser sustentável. Isso funciona? A Parangolé quer provar que sim

- 28 de novembro de 2018
5759 3 0

Tâmara Garkisch cria festas com decoração sustentável – que pode ser usada depois no quarto da criança

- 7 de novembro de 2018
2888 7 0

Quem diria: a Escola de Botânica, que torna esse conhecimento acessível, é um sucesso

- 3 de julho de 2018
8218 8 0
Os biólogos Gisele de Oliveira e Anderson Santos se juntaram para criar um espaço com oficinas e workshops de identificação de plantas, poda, extração de pigmentos naturais etc (foto: Julia Rettmann).

Carol Costa fala dos erros que cometeu até conseguir criar um negócio único e rentável: o Minhas Plantas

- 22 de março de 2018
Carol Costa, a jornalista que se descobriu jardineira e fundou o Minhas Plantas.