SPONSORS:

A Carambola e sua missão: promover a igualdade e a diversidade no mercado de TI

- 14 de agosto de 2019
"Desenhamos um método para educação de profissionais que foca em geração de renda, atração de diversidade e educação baseada em projetos", conta Juliana.

 

Crédito imagem: Marco Torelli

 

Nascida e criada no Grajaú, na periferia de São Paulo, ela se assumiu gay há 20 anos. Na época seus pais saíram de casa, e ela, recém-saída do ensino médio, se viu sozinha sem saber como gerar renda para se manter. A saída foi trabalhar como garçonete, ganhando 30 reais por dia. Enfrentou dificuldades financeiras, teve a energia elétrica de sua casa cortada, precisou durante muito tempo tomar banho no Senac, onde fazia um curso gratuito de programação. Mas o esforço valeu a pena.

Depois de enfrentar grandes batalhas, Juliana Glasser é hoje a fundadora e CEO da Carambola, uma empresa voltada para a educação de profissionais do futuro.

Sua história até parece um filme, mas é bem real. Aqui nesta entrevista ela conta o caminho percorrido até se tornar uma empreendedora bem-sucedida e fala de seu desejo de ajudar tantas outras Julianas que estão por aí.

Como você começou a empreender? 

Um dia meu amigo Douglas Januário Gonçalves me convidou para ir com ele comprar um carro. Eu fiquei espantada. Perguntei: “Como você vai conseguir dinheiro para comprar um carro?”. Ele respondeu: “Estou ganhando cinco mil reais por mês”. Impressionada, questionei: “Como que eu faço para fazer o que você está fazendo e ganhar isso, também?”. Ele me indicou um curso gratuito do SENAC e eu me inscrevi. Para fazer o curso, tive que parar de trabalhar e fiquei sem dinheiro para pagar energia elétrica. Cortaram minha luz e, para estudar, passei praticamente a morar no SENAC: ia bem cedo, tomava banho lá e era a última a sair. Um dia um diretor da Microsoft passou e me disse: “Se eu não te contratar, você não vai sair daqui, né?”. Eu disse: “Isso mesmo”. Aí ele me contratou e eu comecei minha jornada na Microsoft. A partir daí trabalhei em grandes empresas e participei da Imagine Cup, uma espécie de copa do mundo da programação, onde fiquei em 3º lugar entre trezentos mil inscritos. Criei a Carambola porque acreditava que deviam existir outras Julianas que precisavam de uma oportunidade para mudar de vida.

Como nasceu a Carambola?

A Carambola começou como uma consultoria de software. Atendíamos clientes pequenos e não tínhamos orçamento para contratar desenvolvedores aos preços de mercado. Para entregar os projetos, tive que mirar em pessoas que estavam na borda do mercado e ajudá-las a complementar suas habilidades para entregar os projetos. Depois de trabalharem por um tempo conosco, estes desenvolvedores recebiam propostas de empresas maiores e saíam para trabalhar na concorrência. Muitos investidores me alertavam que este era um grande risco para meu negócio. Em 2017 a Microsoft me convidou para palestrar sobre minha jornada no evento Inspire, em Washington. Fomos eu e meu sócio, Renato Almeida Prado e, ao chegarmos lá, percebemos que a falta de profissionais de TI era um problema mundial das grandes corporações. Resolvemos, então, aproveitar nossa experiência na formação de desenvolvedores e mudar o foco do nosso negócio para a Educação. Passamos 18 meses pesquisando o mercado, em São Paulo e Los Angeles, e identificamos os principais problemas que as grandes empresas enfrentavam. Desenhamos um método para educação de profissionais que foca em geração de renda, atração de diversidade e educação baseada em projetos. Neste método, conseguimos entregar em 4 meses um profissional adequado aos requisitos exigidos pelo mercado, através de mentoria em 4 dimensões: processos, orientação para resultados, habilidades técnicas e habilidades socioemocionais.

Como funciona a empresa?

Nosso método de educação é disruptivo. Baseados nas necessidades de nossos clientes, selecionamos os profissionais, de acordo com uma matriz de habilidades técnicas e socioemocionais. São trios de desenvolvimento onde pelo menos 1/3 dos profissionais vêm de uma minoria em termos de representatividade no mercado de trabalho da Tecnologia da Informação. Durante 4 meses, desenvolvemos um projeto do cliente e nosso time complementa suas habilidades, mensurando suas tarefas de forma a demonstrar ao final do programa sua curva de crescimento. Assim o cliente pode observar, na prática, a capacidade de entrega do profissional, permitindo que aquele que antes não teria chances em um processo seletivo da empresa possa ser avaliado. Ao final do programa a empresa tem a opção de contratar um profissional que já compreende os processos e o negócio.

Como é a sua atuação?

Sou fundadora e CEO da Carambola. Minha função é garantir que estejamos sempre na direção correta.

Como foi o início da Carambola? 

O início foi muito desafiador. Conquistar credibilidade no mercado não é fácil. Tive que focar em nosso diferencial, que é a habilidade de trazer e incluir efetivamente um profissional diverso, diferente da foto tradicional do mercado de TI: homens brancos, heterossexuais de classe média alta. A chegada de meu sócio, Renato, ajudou a abrir portas que antes eu não conseguia abrir sozinha: ampliamos a rede, atraímos investidores com alta credibilidade no mercado e nos aproximamos da alta gestão das empresas. Porém, o preconceito das áreas operacionais constituiu o próximo desafio: provar a performance das pessoas. Para isso, desenvolvemos uma plataforma que mede constantemente as tarefas e habilidades técnicas e socioemocionais dos desenvolvedores.

Teve algum momento em que você pensou em desistir?

Não tenho medo de trabalhar e meu sonho é tão grande que os desafios, por maior que sejam, parecem pequenos perto da visão de um mercado de TI com mais equidade e diversidade.

Quais estratégias têm dado melhor resultado?

Focamos muito nas pessoas. São as pessoas que fazem os negócios. Formamos profissionais que entram nas empresas com a missão de transformar sua cultura, ou seja, sair da visão antiquada de escassez, homogeneidade e competição para uma visão do futuro, que incentiva a abundância, diversidade e colaboração.

E quais caminhos foram deixados de lado? 

Abandonamos a consultoria em desenvolvimento de software pois nossa percepção é de que as empresas precisam das pessoas. Nosso foco, hoje, é preparar e entregar estes profissionais que são demandados pelo mercado.

Na sua opinião, o que o empreendedorismo feminino tem de diferente?

Os desafios. A alta gestão das empresas e do mercado de investimento ainda é predominantemente masculino. Fazem piadas e adotam posturas que criam barreiras para a inclusão. A mulher empreendedora, além de vencer todas as dificuldades do empreendedorismo, ainda tem a tarefa de quebrar estas barreiras.

Qual seu maior objetivo?

Tornar a Carambola a maior empresa de educação do Brasil e, assim, contribuir para a diversidade e a geração de renda.

Qual foi a sua maior conquista até aqui?

A Carambola é meu maior sonho e minha maior conquista. Nossa estratégia é ser um unicórnio genuinamente brasileiro: uma empresa que nasceu para resolver problemas locais e expandiu sua tecnologia para o mundo.

Qual é o seu sonho? O que ainda falta realizar?

A Carambola é uma empresa de uma vida inteira. Eu e meu sócio colocamos tudo nesta jornada e não vamos desistir até que o mercado de TI se torne mais equânime, com oportunidades para todos.

Qual sua dica para quem está querendo empreender?

Sonhe grande e realize seus sonhos em passos pequenos, porém completos: não adianta sonhar em fazer uma Ferrari e começar construindo uma roda. Ao invés disso, construa uma bicicleta que te permita começar a rodar. Com a trajetória e experiência, vá melhorando e buscando excelência em tudo que faz, sempre procurando encantar os clientes.

 

Para saber mais

Carambola

O que faz: Educação para o Profissional do Futuro.

Sócios: Juliana Glasser e Renato Prado.

Sede: Av. Dr. Dante Pazzanese, 120 – Galpão 1 – Sala D – São Paulo, SP.

Início das atividades: 2013

Contato: (11) 94742-5941

 

Esta matéria pode ser encontrada no Itaú Mulher Empreendedora, uma plataforma feita para mulheres que acreditam nos seus sonhos. Não deixe de conferir (e se inspirar)!

 

 

 

1933 Total Views 33 Views Today
Veja também: