SPONSORS:

A Divórcio Consensual facilita os processos de separação extrajudicial no RJ

- 24 de outubro de 2018

Nome:
Divórcio Consensual.

O que faz:
É uma plataforma que facilita os divórcio extrajudiciais, realizando o processamento de todos os documentos para pessoas que tenham se casado no Brasil, além de conectar os usuários aos advogados parceiros no Rio de Janeiro.

Que problema resolve:
Para os usuários, resolve a dificuldade de encontrar um advogado especialista na área próximo da região onde mora e minimiza a demora no atendimento e no diligenciamento dos processos administrativos e judiciais. Para os advogados, é uma forma de prospectar clientes.

O que a torna especial:
Segundo os fundadores, a plataforma disponibiliza um serviço de consultoria jurídica, mediação e conciliação online, sendo possível acompanhar todas as etapas do processo via internet.

Modelo de negócio:
A Divórcio Consensual cobra uma assinatura mensal dos advogados com valores que vão de 49,90 reais a 590 reais. Nas conciliações e mediações online, quando há consultoria jurídica, é cobrado 100 reais dos clientes e a plataforma fica com 50% do valor. Já nos processos que passam pela plataforma e demandam a cobrança de honorários, a startup fica com 30%.

Fundação:
Agosto de 2018.

Sócios:
Amaro Monteiro — Cofundador
Marina Monteiro — Cofundadora

Perfil dos fundadores:

Amaro Monteiro — 38 anos, Duque de Caxias (RJ) — é formado em Ciências Contábeis pela UNIGRANRIO. Trabalhou como funcionário público na Procuradoria do Rio de Janeiro, na Prefeitura de Nova Iguaçu, nos Correios e Telégrafos e, atualmente, atua na Petrobras Transporte S/A.

Marina Monteiro — 36 anos, Duque de Caxias (RJ) — é formada em Direito pela UNISUAM. Atuava como advogada autônoma especializada em direito de família.

Como surgiu:
Marina conta que  tinha o desejo de desenvolver algo no meio digital que atendesse os cliente na área de família. Segundo ela, seu irmão, Amaro Monteiro, especialista em marketing digital, observou que existia uma procura significativa na internet pela palavra-chave “divórcio consensual” e variáveis. No entanto, ambos afirmam que notaram que, praticamente, não existia nenhum serviço online nesta área. Depois de pesquisas com pessoas que enfrentavam dificuldades em processos de separação, decidiram investir na plataforma.

Estágio atual:
A Divórcio Consensual conta com 20 advogados parceiros, mais de 600 pessoas cadastradas e começou sua expansão para São Paulo.

Aceleração:
A startup está em busca de aceleração.

Investimento recebido:
Os sócios investiram 15 mil reais de recursos próprios no negócio.

Necessidade de investimento:
Os empreendedores querem captar 300 mil reais para promover melhorias na plataforma.

Mercado e concorrentes:
“Vemos um mercado muito promissor. Atualmente, tivemos uma flexibilização, pelo Estatuto da OAB, para a questão do marketing, embora não sejamos um escritório de advocacia. Com isso, abriu-se um mercado gigantesco e praticamente inexplorado”, fala Marina. Ela cita como concorrentes as plataformas Divórcio SP e Divórcio Aqui.

Maiores desafios:
“Ter recursos financeiros para escalar a plataforma”, conta Amaro.

Faturamento:
Até o momento, a startup fechou 102 processos.

Previsão de break-even:
Segundo semestre de 2019.

Visão de futuro:
“Queremos tornar a plataforma disponível para todo o território nacional. Pensando, quem sabe, até franquear o modelo de negócio”, afirmam os fundadores.

Onde encontrar:
Site
Contato

 

Você tem uma startup que já é mais do que um sonho mas ainda não é uma empresa totalmente estabelecida? Escreva para a gente. Queremos conhecê-lo. E, quem sabe, publicar um perfil da sua iniciativa aqui na seção Acelerados. Esse espaço é feito para que empreendedores como você encontrem investidores. E para que gente disposta a investir em novos negócios encontrem grandes projetos como o seu.

Veja também:

“Eu não queria viver uma vida paralela. Só que, para ser eu mesmo, precisei antes me redescobrir”

- 5 de julho de 2018
Depois de 15 anos casado com uma mulher, Marcio Orlandi conta como foi se assumir gay e lidar com a reação da família, dos amigos e colegas de trabalho (foto: URSound).

“Redescobri o gosto por sexo aos 60. Aprendi a me ver em cena – e a gostar do que estava vendo”

- 11 de janeiro de 2016