SPONSORS:

A EasyHouses conecta proprietários de imóveis a quem quer alugar um quarto

- 9 de Março de 2018

Nome:
EasyHouses.

O que faz:
É uma plataforma que conecta proprietários de imóveis a pessoas que desejam alugar um quarto.

Que problema resolve:
Para o usuário que procura acomodação, a plataforma permite pesquisar os que sejam mais adequados para ele, utilizando filtros de localização, valores, tipo de imóvel e comodidades. Para o “anfitrião”, é uma maneira de gerar renda.

O que a torna especial:
A plataforma oferece aos usuários auxílio contratual, como sistema de gerenciamento dos quartos ou gestão de pagamentos.

Modelo de negócio:
O proprietário não paga nada para anunciar e para encontrar quartos vagos também é gratuito. Se o anfitrião optar por utilizar as ferramentas de automação em gestão de pagamentos e contratos, há uma taxa de 20 reais mensais por acomodação.

Fundação:
Setembro de 2016.

Sócios:
Felipe Ramos — CEO
João Pedro — CPO
Thiago Barcelos — CCO
Henrique Brito — CFO
Nilson Massarenti — Tech lead
Leandro Martins — Arquiteto de software

Perfil dos fundadores:

Felipe Ramos — 29 anos, Belo Horizonte (MG) — é formado em Administração de Empresas pela FUMEC. É sócio-diretor na Setorial Imóveis.

João Pedro — 28 anos, Belo Horizonte (MG) — é formado em Design de Produtos pela FUMEC. É fundador da Fix-Up e da The Cup.

Thiago Barcelos — 30 anos, Belo Horizonte (MG) — é formado em Publicidade e Propaganda pela PUC (MG). Trabalhou na Number One e é sócio na Lift Publicidade.

Henrique Brito 27 anos, Belo Horizonte (MG) — é formado em Administração de Empresas pela FUMEC. É sócio na Layout Imoveis.

Como surgiu:
Com mais de 10 anos de experiência na indústria de imóveis, Felipe Ramos diz que percebeu a falta de flexibilidade e inovação deste mercado. Ele conta que atendeu muitos clientes, principalmente estudantes, querendo alugar um imóvel com baixo custo financeiro e sem burocracia mas, na maioria dos casos, não foi possível auxiliar esse público, nem mesmo indicar outra opção. O CEO afirma que levou em consideração o aumento do número de pessoas procurando por moradias compartilhadas e a falta de uma plataforma que facilitasse este processo para criar a solução da startup.

Estágio atual:
A plataforma começou a operar em versão beta, em dezembro de 2017, em Belo Horizonte. Atualmente tem 286 quartos cadastrados e 620 usuários. Começaram também a atuar, no final do mês passado, na cidade de São Paulo, inicialmente com dez quartos.

Aceleração:
O negócio foi acelerado pela InovAtiva Brasil, pela Uglobaly e vencedor do Minha Ideia de Negócios 2016.

Investimento recebido:
Os sócios investirem cerca de 75 mil reais de recursos próprios na startup.

Necessidade de investimento:
O objetivo dos empreendedores é captar 450 mil reais para tracionar o negócio e expandir as operações para outros estados.

Mercado e concorrentes:
“Atualmente existe um grande mercado, alavancado pelos jovens da geração Y e millennials”, diz Felipe. Como concorrentes para a plataforma de anúncios, o CEO aponta, além de grupos de moradias compartilhadas e repúblicas no Facebook, o WebQuarto, EasyQuarto e QuartosBR. Mas, segundo ele, nenhuma das plataformas tem um gestor de cobranças e contratos automatizado.

Maiores desafios:
“Os maiores obstáculos vêm da cultura. Creio que com o tempo as pessoas vão se adaptando a essa nova tendência de alugar quartos para pessoas distintas e será mais comum a locação compartilhada e não do imóvel inteiro”, afirma o CEO.

Faturamento:
Não informado.

Previsão de break-even:
Maio de 2019.

Visão de futuro:
“Temos como objetivo nos tornar o maior hub de quartos do Brasil, oferecendo ferramentas para melhorar a experiência de milhares de pessoas que buscam uma forma de moradia mais flexível. Queremos causar um impacto na indústria de imóveis, mudando os paradigmas e a forma com que as pessoas buscam um lar”, conta Felipe.

Onde encontrar:
Site
Contato

 

Você tem uma startup que já é mais do que um sonho mas ainda não é uma empresa totalmente estabelecida? Escreva para a gente. Queremos conhecê-lo. E, quem sabe, publicar um perfil da sua iniciativa aqui na seção Acelerados. Esse espaço é feito para que empreendedores como você encontrem investidores. E para que gente disposta a investir em novos negócios encontrem grandes projetos como o seu.

Veja também:

O Lilo.zone é um maker space focado em arte tecnológica e, também, um manifesto da economia compartilhada

- 6 de setembro de 2017
2886 8 0
Lina Lopes conta como é estar à frente de um espaço criativo e de experimentação tecnológica, não necessariamente lucrativo, e que se sustenta pela colaboração e venda (esporádica) de projetos.

Teoria das Dádivas – o novo Milagre Econômico

- 17 de Abril de 2017
1198 0 0