SPONSORS:

A Funeel é uma consultoria de inovação para empresas

- 23 de abril de 2018

Nome:
Funeel.

O que faz:
É uma uma consultoria de produto e inovação que usa a metodologia Design Sprint para reduzir os riscos de empresas que querem construir ou melhorar um software.

Que problema resolve:
Segundo os sócios, pesquisas como a da Harvard Business Review apontam que 72% dos novos produtos lançados no mercado não atingem suas metas e a raiz do problema seria justamente a falta de entendimento do público.

O que a torna especial:
Ainda de acordo com os fundadores, a startup empodera o time do cliente para que ele consiga rodar Design Sprints sozinho, ensinando técnicas de priorização, como montar um roteiro de entrevista, transformar dados de uma pesquisa com usuários em insights, prototipação e validação de hipóteses.

Modelo de negócio:
A Funeel lucra por sprint e o preço de cada um depende do tamanho da equipe do cliente e da complexidade do problema e  pode girar entre 15 a 30 mil reais por semana.

Fundação:
Outubro de 2016.

Sócios:
Vinicius dos Santos — Head de Marketing
Will Sertório — Head de Produto

Perfil dos fundadores:

Vinicius dos Santos — 29 anos, São Caetano do Sul (SP) — é pós-graduado em Marketing Digital pela ESPM. Liderou projetos de inbound marketing, marketing de conteúdo, estudo do consumidor e métricas digitais para clientes como Bombril, Porto Seguro, Itaú, Sony e SAHE.

Will Sertório — 28 anos, Mogi das Cruzes (SP) — é formado em Cinema pela Anhembi Morumbi, com especialização em Métricas e Produtos Digitais. Trabalhou na Neue Labs, no Elefante Verde e Aidax. É Professor na Tera Skills e FIAP Incompany, além de mentor na ACE.

Como surgiu:
Os sócios contam que estavam cansados do atual modelo de atuação das agências e perceberam que poucas empresas ouviam os clientes de forma sistemática antes de criar um novo produto ou estratégia de marketing. “Quando um produto performa mal, essas empresas correm para aumentar investimentos em mídia ou desenhar novas funcionalidades, tudo sem validação com o público final. Nossa missão é ajudar empresas de todos os tamanhos a inovar colocando o cliente no centro de suas estratégias, mitigar riscos e evitar desperdícios” diz Will.

Estágio atual:
A Funeel já atendeu mais de 15 clientes nos segmentos B2B e B2C.

Aceleração:
Não teve.

Investimento recebido:
Os sócios investiram 10 mil reais de recursos próprios na empresa.

Necessidade de investimento:
Buscam captar um aporte de 100 mil reais para desenvolver produtos internos e estruturar a operação.

Mercado e concorrentes:
“Consideramos outras consultorias de design e software como concorrentes. Porém, são empresas que vendem telas e código, no final do dia. A estratégia, para eles, é só o kick-off do projeto. Nosso foco é entender o problema do público muito bem, e pensar em uma solução de forma mais agnóstica, junto com o time”, diz Will.

Maiores desafios:
“Escalar a estratégia de marketing e conteúdo”, conta Vinícius.

Faturamento:
475 mil reais (em 2017).

Previsão de break-even:
Já foi atingido no final do primeiro ano de operação.

Visão de futuro:
“Queremos que os empreendedores brasileiros errem menos e gerem mais valor. Temos as ferramentas e o mindset certo para educar o mercado”, afirmam os sócios.

Onde encontrar:
Site
Contato

 

Você tem uma startup que já é mais do que um sonho mas ainda não é uma empresa totalmente estabelecida? Escreva para a gente. Queremos conhecê-lo. E, quem sabe, publicar um perfil da sua iniciativa aqui na seção Acelerados. Esse espaço é feito para que empreendedores como você encontrem investidores. E para que gente disposta a investir em novos negócios encontrem grandes projetos como o seu.

7077 Total Views 1 Views Today
Veja também:

“Como me tornei um alfaiate de negócios, sem formação tradicional e carteira de trabalho”

- 3 de maio de 2019

A Kyvo nasceu como consultoria de inovação, virou e mexeu até se tornar aceleradora e chegar à Europa

- 3 de maio de 2018
Israel Lessak, Hilton Menezes e Vitor Perez são os "kyvers", como se autodenominam (foto: Rodrigo Paiva).

Que “brazilian soul” que nada. Aos 25 anos, a Questtonó entende que, hoje, o design tem que ser estratégico

- 3 de abril de 2018
Os sócios da Questtonó, Leonardo e Levi, no novo prédio (Foto: Luís Simione).