SPONSORS:

A HerForce conecta mulheres a empresas que valorizam a diversidade

- 12 de setembro de 2019
Horta Escola da Terra aberta para atividades gratuitas (foto: Victor Affaro).

Nome:
HerForce

O que faz:
É uma plataforma que conecta mulheres a empresas que valorizam a diversidade e ajuda essas organizações a cuidarem de seu ambiente de trabalho e aumentarem a representatividade feminina em suas equipes.

Que problema resolve:
Para as mulheres, é possível avaliar uma empresa que já tenha trabalhado utilizando critérios específicos ao público feminino; visualizar avaliações e comentários pela ótica de outras mulheres; acessar vagas de trabalho; e enviar o currículo para ser conectada com empresas que valorizam a diversidade. Para empresas, é possível criar o seu perfil de marca empregadora; divulgar vagas; contratar serviços focados no aprimoramento do ambiente de trabalho; e obter o selo HerForce (o que indica que a organização valoriza e exerce a diversidade de gênero e inclusão).

O que a torna especial:
Segundo a fundadora, a startup é a primeira plataforma no Brasil a dar voz para as mulheres e oferecer informações valiosas para a tomada de decisão em suas carreiras através das avaliações e comentários sobre as empresas.

Modelo de negócio:
A HerForce lucra no modelo B2B com cobrança de uma assinatura anual a partir de R$ 7.200 das empresas, mas também possui serviços separados e personalizados. Para as candidatas, a plataforma é gratuita.

Fundação:
Janeiro de 2018.

Sócia:
Silaine Stüpp — CEO e fundadora

Fundadora:

Silaine Stüpp — 36 anos, Blumenau (SC) — é formado em Marketing pela Universidade Anhembi Morumbi. Trabalhou nas empresas Dudalina, Faber-Castell e Crayola Brasil. É membro do coletivo colaborativo de mulheres na tecnologia ELASinTech e co-organizadora do evento anual Voz de Mulher, voltado ao Empreendedorismo Feminino.

Como surgiu:
Silaine conta que, após inúmeras experiências negativas durante processos seletivos e interações profissionais, resolveu agir. A falta de informação pública com critérios específicos para a diversidade de gênero que ajudasse na tomada de decisão de carreira e a falta de fit cultural entre discursos de entrevistas e realidade no ambiente de trabalho deram a direção para a criação de uma pesquisa com 1 200 mulheres para entender sobre suas experiências no mercado. Os resultados formaram as diretrizes para a construção da primeira versão do site, que contou com avaliações anônimas, comentários públicos e mensagens privadas para o RH das empresas.

Estágio atual:
A equipe conta com cinco pessoas espalhadas pelo Brasil e Canadá. Já atendeu dez empresas e impactou 15 mil mulheres.

Aceleração:
Não teve.

Investimento recebido:
Recebeu R$ 70 mil de investimento-anjo.

Necessidade de investimento:
Não há planos para buscar investimentos no momento.

Mercado e concorrentes:
“O mercado ainda tem muito a evoluir, mas a conscientização das empresas sobre a necessidade de ter um ambiente diverso para se manterem relevantes já começa a mudar o cenário futuro. Hoje podemos encontrar iniciativas focadas no desenvolvimento de mulheres, inclusive patrocinadas por organizações, como os programas intensivos de capacitação em programação ou outras profissões com foco em TI”, afirma a fundadora. Ela aponta como concorrentes as plataformas de vagas e avaliações de empresas em geral, como Glassdoor Brasil, Catho e Vagas.com. etc.

Maiores desafios:
“O maior desafio é transformar o mercado de trabalho. A busca por igualdade de espaço entre homens e mulheres já é uma realidade que não irá retroceder. Agora faltam as empresas e a antiga cultura se adaptarem para este momento. Nossa população brasileira é composta por 52% mulheres e 54% de pessoas negras. Nenhum desses cenários estão refletidos nas empresas e muito menos em cargos de liderança”, diz Silaine.

Faturamento:
Não informado.

Previsão de break-even:
Já foi atingido em agosto deste ano.

Visão de futuro:
“Para o futuro, ainda sem data específica, queremos transformar a HerForce em uma plataforma em que as mulheres possam encontrar vários outros serviços que facilitem o seu crescimento profissional e bem-estar.”

Onde encontrar:
Site
Contato

1499 Total Views 1 Views Today
Veja também:

“As mulheres não precisam ser mães. E se optarem pela maternidade, não podem ser reduzidas a essa condição”

- 11 de outubro de 2019

“Seria possível retratar as mulheres negras brasileiras reais? Mostrá-las em situações não estereotipadas?”

- 20 de setembro de 2019
Joana Mendes é a criadora do banco de imagens YGB, abreviação de Young Gifted and Black

Verbete Draft: o que é Neurodiversidade

- 18 de setembro de 2019

Ela tomou coragem e expôs a dor do abuso: Dora Figueiredo é o Retrato da semana

- 6 de setembro de 2019