SPONSORS:

A Legal Insights quer ajudar empresas a reduzirem os gastos com processos contenciosos

- 27 de dezembro de 2017

Nome:
Legal Insights.

O que faz:
É uma plataforma de inteligência jurídica para empresas.

Que problema resolve:
A tecnologia da lawtech permite cruzar facilmente bases jurídicas e não jurídicas, facilitando um processo que hoje acontece, na maioria dos casos, de forma manual.

O que a torna especial:
A startup busca automatizar o departamento jurídico das organizações, coletando e analisando informações internas dos próprios clientes e de sistemas de SAC e RH para reduzir os custos com processos contenciosos, que de acordo com os sócios, podem comprometer até 3% da receita líquida das empresas.

Modelo de negócio:
A Legal Insights cobra uma mensalidade das empresas pela assinatura do SaaS, que varia de acordo com o volume de processos ativos e número de usuários na plataforma.

Fundação:
Janeiro de 2017.

Sócios:
Eudis Lanconi — Cofundador
Marcos Speca — Cofundador

Perfil dos fundadores:

Eudis Lanconi — 41 anos, São Paulo (SP) — é formado em Sistemas de Informação pelo Mackenzie, com MBA em Gestão de Tecnologia pela FIA. Trabalhou na Oracle.

Marcos Speca — 33 anos, São Paulo (SP) — é formado em Ciência da Computação pela Universidade São Judas Tadeu e pós-graduado em Administração de Empresas pelo Mackenzie. Trabalhou no Mercado Eletrônico e na Oracle.

Como surgiu:
A ideia inicial dos sócios era criar uma plataforma de insights para cada área de back-office das empresas (RH, compras, jurídico, etc) “por se tratarem de departamentos carentes em tecnologia analítica para tomada de decisão”. Após pesquisas e a elaboração de protótipos, optaram apenas pela área que consideraram mais promissora, a jurídica.

Estágio atual:
A startup conta com cinco pessoas na equipe e já firmou três contratos com grandes empresas (Magazine Luiza, Centauro e Stone Pagamentos).

Aceleração:
A Legal Insights participou da última edição do programa de aceleração da Startup Farm e foi a vencedora no Demo Day.

Investimento recebido:
Os empreendedores investiram 100 mil reais no negócio. 

Necessidade de investimento:
Os sócios pretendem abrir uma rodada de investimento no início do ano que vem, mas ainda não determinaram o valor.

Mercado e concorrentes:
“Existe muita oportunidade no segmento jurídico, pois é uma área que está passando por uma transformação digital neste momento, e é tradicionalmente muito carente de tecnologia”, afirmam os sócios. Eles apontam como principal concorrente a Finch Soluções Jurídicas.

Maiores desafios
“Equilibrar as atividades de vendas e operações, pois estamos com a equipe bem enxuta”, dizem os cofundadores.

Faturamento:
Cerca de 100 mil reais em um ano de operação, mas a meta para 2018 é de 200 mil reais por mês.

Previsão de break-even:
Janeiro de 2018.

Visão de futuro:
“Uma das coisas que queremos focar nos próximos meses é se aprofundar no uso de tecnologias como machine learning para entender os documentos jurídicos, conseguir facilitar a extração de suas informações e agregá-las aos indicadores de negócio”, contam os empreendedores.

Onde encontrar:
Site
Contato

 

Você tem uma startup que já é mais do que um sonho mas ainda não é uma empresa totalmente estabelecida? Escreva para a gente. Queremos conhecê-lo. E, quem sabe, publicar um perfil da sua iniciativa aqui na seção Acelerados. Esse espaço é feito para que empreendedores como você encontrem investidores. E para que gente disposta a investir em novos negócios encontrem grandes projetos como o seu.

Mas, se você tem uma ideia e ainda não sabe como estruturá-la em uma estratégia de negócios, escreva para [email protected] e conheça nosso novo serviço de Mentoria.

14421 Total Views 1 Views Today
Veja também:

As lawtechs querem melhorar o caótico ambiente jurídico brasileiro com inteligência e tecnologia

- 17 de setembro de 2019

Verbete Draft: o que é Lawtech

- 14 de agosto de 2019

Depois que a mãe foi despejada, Vinicius Marques criou a EasyJur para agilizar o monitoramento de processos

- 25 de junho de 2019

Para desburocratizar serviços jurídicos em startups, o BNZ Innovation criou até uma moeda própria

- 5 de fevereiro de 2019