A Nossa Nova é um marketplace de produtos ligados a causas socioambientais | Acelerados | Projeto Draft


SPONSORS:

A Nossa Nova é um marketplace de produtos ligados a causas socioambientais

- 27 de abril de 2018

Nome:
Nossa Nova.

O que faz:
É um marketplace que reúne produtos ligados a causas socioambientais.

Que problema resolve:
Segundo as fundadoras, a plataforma facilita o acesso a produtos dos segmentos de moda, beleza e decoração, avaliados segundo critérios de respeito à natureza (orgânicos, biodegradáveis, respeito aos animais, reciclados e upcycling) e impacto social positivo (transparência na produção, origem brasileira, empoderamento, “agênero” e feito à mão).

O que a torna especial:
De acordo com as sócias, a marca busca propagar uma forma mais significativa de incentivar o mercado de consumo, por meio de informações práticas e mensagens sobre coletividade, cooperação e autoconhecimento.

Modelo de negócio:
A Nossa Nova lucra com o comissionamento de cada produto vendido, ficando com 30% do valor cobrado pelos fornecedores.

Fundação:
Março de 2018.

Sócias:
Giuliana Guidara —  Cofundadora
Gabriela Guidara — Cofundadora

Perfil dos fundadores:

Giuliana Guidara — 27 anos, São Paulo (SP) — é formada em Arquitetura pelo Mackenzie. Trabalhou no escritório Debora Aguiar.

Gabriela Guidara — 27 anos, São Paulo (SP) — é formada em Administração de Empresas pela ESPM. Trabalhou na IBM.

Como surgiu:
As sócias e irmãs gêmeas contam que a ideia surgiu durante um curso de Empreendedorismo Criativo, na escola Perestroika, em 2015, em que elas tiveram que desenvolver uma ideia de negócio. Pensaram em uma plataforma com produtos ligados a causas socioambientais quando tiveram dificuldades em encontrar um óculos de material ecológico para comprar. Ao final do curso, contam que o projeto foi premiado como “a ideia mais completa e inserida na situação atual do mercado”. Mas somente em 2017 começaram os planos para tirar o negócio do papel e realizar seu lançamento no mês passado.

Estágio atual:
A Nossa Nova conta com 30 marcas de oito cidades do país.

Aceleração:
Não teve.

Investimento recebido:
As sócias investiram 60 mil reais de recursos próprios no negócio.

Necessidade de investimento:
Não buscam no momento.

Mercado e concorrentes:
“Sabemos que hoje o Brasil ainda está engatinhando em relação ao consumo consciente, mas acreditamos que estamos em um caminho sem volta”, diz Giuliana. Ela aponta como concorrentes diretos a Mais Alma e o Portal Ecoera.

Maiores desafios:
“Uma grande dor de um mercado digital como o nosso é o fato de que, ao finalizar a compra de produtos de diferentes marcas, o cliente precisa arcar com mais de um frete”, afirma Gabriela.

Faturamento:
Ainda não fatura.

Previsão de break-even:
2020.

Visão de futuro:
“Queremos nos tornar o mercado digital do segmento de marcas conscientes mais conhecido no Brasil e nos comunicarmos tanto com pessoas sensibilizadas pelo tema da sustentabilidade como com quem ainda está distante do assunto. Futuramente, também pretendemos gerenciar um espaço físico”, contam as fundadoras.

Onde encontrar:
Site
Contato

 

Você tem uma startup que já é mais do que um sonho mas ainda não é uma empresa totalmente estabelecida? Escreva para a gente. Queremos conhecê-lo. E, quem sabe, publicar um perfil da sua iniciativa aqui na seção Acelerados. Esse espaço é feito para que empreendedores como você encontrem investidores. E para que gente disposta a investir em novos negócios encontrem grandes projetos como o seu.

Veja também:

Como a Klabin busca se reoxigenar com startups e, também, validar a inovação com sua própria equipe

- 26 de julho de 2018
A gerente de inovação Renata Freesz fala dos desafios de vender o propósito de sua área dentro da organização e das expectativas em relação aos negócios apoiados pela empresa.

Ela tentou atuar no terceiro setor, mas se encontrou na Plant, que faz hortas orgânicas nas cidades

- 6 de julho de 2018

A Positiv.A quer tornar a limpeza doméstica mais sustentável e mostra como achou seu modelo de negócio

- 2 de julho de 2018
Marcella Zambardino, Alex e Rafael Seibel entenderam que os clientes não estavam prontos para o modelo de assinaturas e passaram a vender os itens da Positiv.a separadamente.