SPONSORS:

A Planetun é uma insurtech voltada para o setor automotivo e residencial

- 13 de agosto de 2019

Nome:
Planetun.

O que faz:
É uma insurtech voltada para o setor automotivo e residencial.

Que problema resolve:
Atua nos processos de vistoria prévia de veículos, inspeção, sinistros e previdência privada.

O que a torna especial:
Segundo os fundadores, a plataforma traz redução de custo de 80% para as seguradoras e é a primeira a utilizar o reconhecimento de imagem por meio de inteligência artificial para processos de seguros veicular na América do Sul, o que permite que a inspeção e a conclusão da contratação sejam realizadas em tempo real.

Modelo de negócio:
A startup é remunerada pelo uso e efetividade de plataforma com taxas que começam em R$ 17.

Fundação:
Fevereiro de 2017.

Sócios:
Osvaldo Saldeado — Diretor Institucional
Henrique Mazieiro — CEO
Natália Cunha — COO

Fundadores:

Osvaldo Saldeado — 67 anos, São Paulo (SP) — é formado em Administração de Empresas, com especialização em Marketing pela ESPM. Trabalhou na SKF Rolamentos.

Henrique Mazieiro — 46 anos, São Paulo (SP) — fundou a sorveteria Titbit, trabalhou no UOL e na Brazilprev.

Natália Cunha — 33 anos, São Paulo (SP) — é formada em Ciências Biológicas pela Universidade de Guarulhos e pós-graduada em Administração pelo Insper. Trabalhou na corretora Bancorbras e na importadora Danny.

Como surgiu:
A insurtech é uma spin-off do  Grupo Planetun, que está no mercado há 13 anos.

Estágio atual:
A empresa tem um escritório em Moema, em São Paulo, conta com dez seguradoras na plataforma e já ultrapassa a marca de 180 mil processos.

Aceleração:
Não teve.

Investimento recebido:
Os fundadores investiram R$ 3 milhões de reais na insurtech.

Necessidade de investimento:
Os sócios querem captar mais R$ 3,5 milhões para acelerar o desenvolvimentos e ampliar os negócios para a América Latina e Europa.

Mercado e concorrentes:
“O mercado segurador e previdenciário no Brasil e mundial possuem ainda processos bastante burocráticos e arcaicos. Nossa plataforma já foi criada totalmente em microserviços e escalável”, fiz Henrique. Ele aponta como concorrentes a Autovist e Autoglass, mas diz que nenhuma das duas possui a tecnologia de reconhecimento de imagem aplicada em seus processos.

Maiores desafios:
“Os maiores desafios neste momento são manter o ritmo de investimento em inovação e investimento comercial e marketing para replicar o modelo na América Latina e outros países.”

Faturamento:
R$ 180 mil (2018).

Previsão de break-even:
2021.

Visão de futuro:
“Queremos ser referência na aplicação de inteligência artificial nos processos que envolvem seguradoras e segurados no mercado nacional e internacional”, conta Henrique.

Onde encontrar:
Site
Contato

653 Total Views 13 Views Today
Veja também:

Henrique Coelho, 26, duas startups no currículo e o sonho de revolucionar o mercado de seguros

- 13 de setembro de 2017
Henrique Coelho já fundou duas startups bem sucedidas. Agora, se prepara para lançar a Casuall, uma insurtech que quer mudar a forma como enxergamos, e contratamos, seguros.

Verbete Draft: o que é Insurtech

- 24 de maio de 2017
A Youse é a primeira Insurtech do país: uma startup que usa as novas tecnologias para oferecer agilidade e preços mais baixos ao mercado de seguros.