SPONSORS:

A Proseek prepara jovens para atuarem no mercado financeiro

- 30 de maio de 2018

Nome:
Proseek.

O que faz:
É uma startup que atua no segmento de educação profissionalizante no mercado financeiro, com foco na formação e na conexão de jovens talentos entre 18 e 24 anos com empresas do setor.

Que problema resolve:
A falta de preparação dos futuros profissionais do mercado financeiro.

O que a torna especial:
O negócio oferece aos alunos formação técnica e desenvolvimento comportamental.

Modelo de negócio:
A Proseek cobra uma matrícula do aluno no valor de 8.500 reais pelo curso de formação para o mercado financeiro, o Master in Financial Markets, que garante também entrevistas de emprego aos melhores alunos e uma experiência de imersão em Wall Street. A empresa começou a testar um modelo B2B, oferecendo educação corporativa como SaaS.

Fundação:
Setembro de 2015.

Sócios:
Felipe Gentil — Fundador e CEO
Rodrigo Fiszman — Relacionamento com investidores
Pedro Assumpção — Institucional
Silas Alves — Conteúdo e Plataformas
Eduardo Otero — Educação
Patrick O’Grady — Board member

Perfil do fundador:

Felipe Gentil — 27 anos, Rio de Janeiro (RJ) — é formado em Economia pela PUC-RJ, com MBA pela FGV. Trabalhou na XP Investimentos como gestor da maior regional de afiliados.

Como surgiu:
Felipe diz que a ideia de criar a startup foi influenciada pela sua experiência positiva na XP Investimentos.  “Me identifiquei com a área e descobri minha vocação de tirar de dentro das pessoas o melhor que elas tinham, estimulando a usarem isso para se destacarem no mercado financeiro.”

Estágio atual:
A Proseek atua no Rio de Janeiro e em São paulo, formou 300 alunos e mais de 50% já estão alocados no mercado com a ajuda de 21 colaboradores.

Aceleração:
Participou, em 2016, do programa do Espaço Nave, uma pré-aceleradora carioca focada em levar projetos em fase de ideação a prototipação.

Investimento recebido:
Os sócios investiram 130 mil reais de recursos próprios no negócio e, com a valorização das cotas da empresa, conseguiram mais 150 mil reais.

Necessidade de investimento:
Não busca investimento no momento.

Mercado e concorrentes:
“De forma indireta, são as escolas de negócio que tem viés profissionalizante, mas o posicionamento que a gente toma nos traz muito mais risco (e potencial de crescimento) do que a forma como outros players oferecem suas soluções”, fala Felipe sobre os concorrentes.

Maiores desafios:
“Ganhar mercado, fortalecer a marca e atrair grandes nomes do setor para apoiar e/ou participar do negócio”, diz o CEO.

Faturamento:
1,1 milhão de reais (no último ano).

Previsão de break-even:
Já foi atingido no 18º mês de operação. Mas a empresa ainda não distribuiu dividendos porque tem uma política forte de reinvestimento.

Visão de futuro:
“Queremos ser a maior empresa de alocação de profissionais independentes do mercado financeiro (não ligada a uma instituição de ensino ou do mercado) até o final de 2019. Em cinco anos, pretendemos ser a maior instituição de formação profissionalizante do país”, afirma Felipe.

Onde encontrar:
Site
Contato

 

Você tem uma startup que já é mais do que um sonho mas ainda não é uma empresa totalmente estabelecida? Escreva para a gente. Queremos conhecê-lo. E, quem sabe, publicar um perfil da sua iniciativa aqui na seção Acelerados. Esse espaço é feito para que empreendedores como você encontrem investidores. E para que gente disposta a investir em novos negócios encontrem grandes projetos como o seu.

Veja também:

“No Canadá, aprendi que ninguém vive de nome. Ter uma boa reputação não basta, você precisa ser bom todo dia”

- 9 de novembro de 2018
3299 6 0

“Para inovar, tenho que ter os pés no chão, no hoje, e a cabeça no futuro”

- 12 de setembro de 2018