SPONSORS:

A Puro+ produz sucos prensados a frio com ativos funcionais da Amazônia

- 8 de outubro de 2018

Nome:
Puro+.

O que faz:
Produz sucos prensados a frio com ativos funcionais da Amazônia.

Que problema resolve:
Segundo a fundadora, seu produto resolve a falta de tempo das pessoas se alimentarem corretamente.

O que a torna especial:
Ainda de acordo com a empreendedora , a utilização de ativos funcionais provenientes da floresta Amazônica como ingredientes é um diferencial da empresa, que cultiva seus produtos por manejo biodinâmico.

Modelo de negócio:
O sucos da empresa podem ser encontrados em lojas, supermercados, empresas de alimentos congelados, consultórios médicos, pelo site e em sistema de assinatura. O valor dos sucos no supermercado é de 17,50 reais por garrafa. Na modalidade assinatura é concedido um desconto de 10% e frete grátis.

Fundação:
Março de 2017.

Sócia:
Aline Girardi — Fundadora

Perfil da fundadora:

Aline Girardi — 36 anos, Guaratinguetá (SP) — é formada em Administração de Empresas pela FECAP e pós-graduada em Gestão de Conflitos. Sempre trabalhou na área agrícola em negócios da família.

Como surgiu:
Aline conta que a A Puro+ surgiu de sua necessidade em buscar um consumo diário de frutas, legumes e vegetais balanceado.

Estágio atual:
A empresa fornece seus produtos para diversas cidades do interior de São Paulo e busca expansão para a capital paulista. A produção é feita em São José do Rio Preto (SP). De acordo com a fundadora, o produto é recomendado pela área médica (nutricionistas, cardiologistas, gastroenterologista etc).

Aceleração:
Não teve.

Investimento recebido:
Não informado.

Necessidade de investimento:
Não procura investidores no momento.

Mercado e concorrentes:
“O setor está em expansão, pois as pessoas estão mais conscientes sobre suas escolhas alimentares”, diz Aline. Ela cita como concorrentes a Urban Remedy e a Green People.

Maiores desafios:
“Apresentar a diferença entre o suco prensado a frio e o convencional, convencer que é conveniente congelar e não colocar aditivo para vender, acertar na logística de distribuição, educar sobres os conhecimentos dos ativos e suas funcionalidades são os principais desafios, além do alto preço final para o cliente”, afirma a fundadora.

Faturamento:
15 mil garrafas vendidas por mês.

Previsão de break-even:
Já foi atingido em maio de 2018.

Visão de futuro:
“Queremos conquistar novas praças de venda e distribuição do produto no Brasil, além de investir em ações de divulgação do conceito da marca e dos ‘sucos saúde'”, conta Aline.

Onde encontrar:
Site
Contato

 

Você tem uma startup que já é mais do que um sonho mas ainda não é uma empresa totalmente estabelecida? Escreva para a gente. Queremos conhecê-lo. E, quem sabe, publicar um perfil da sua iniciativa aqui na seção Acelerados. Esse espaço é feito para que empreendedores como você encontrem investidores. E para que gente disposta a investir em novos negócios encontrem grandes projetos como o seu.

Veja também:

Conheça a Escola Brasileira de Ecogastronomia: uma aula sobre comer (e cozinhar) com mais consciência

- 3 de dezembro de 2018
2357 6 0

Sempre sonhou em ter um sítio? Não precisa mais: na Sta. Julieta Bio é possível ser “sócio” da produção

- 19 de novembro de 2018
Rafael Coimbra fala como largou uma agência de publicidade para produzir cestas de alimentos livres de agrotóxicos em um sistema colaborativo e com compradores conscientes do propósito do negócio.

Totalmente digital, o Desrotulando explica os ingredientes dos alimentos e diz se fazem bem ou não

- 31 de outubro de 2018
7604 3 0

Antes de curar o mundo, cure a si mesmo – e ao seu negócio. O aFlora propõe amor em vez de dor

- 29 de outubro de 2018
8881 7 0

Macarrão feito de arroz e feijão? A Lacin aposta nesta receita para fabricar massas sem glúten

- 26 de setembro de 2018
7176 9 0