SPONSORS:

Shawee e a arte de ganhar dinheiro ajudando empresas a fazer hackathons e gerir os dados criados

- 1 de março de 2018
Após sentirem, na prática, as dificuldades de organizar hackathons, Rodrigo (à esquerda) e Abraão fundaram a Shawee.
Após sentirem, na prática, as dificuldades de organizar hackathons, Rodrigo (à esquerda) e Abraão fundaram a Shawee.

Já faz algum tempo que as grandes empresas e universidades perceberam que os hackathons, as “maratonas hacker de programação”, muito comuns no ambiente de startups, podem ajudá-las a criar soluções rápidas e inovadoras para seus negócios. Auxiliar essas empresas a organizar esses eventos acabou se tornando, em si, um negócio também. É o que faz a Shawee, startup que criou uma plataforma digital que automatiza as etapas de idealização, preparação, realização e avaliação dos hackathons.

Rodrigo Terron, 25, é um dos fundadores da empresa e afirma que esta cultura é crescente no país, mas, a seu ver, ainda falta ordem e mais informação no pré e pós evento. “Quando comecei a organizar os primeiros hackathons, era uma loucura tanto para pensar a estrutura como para separar todos os dados dos projetos e participantes. Tinha que procurar em papel, e-mail, planilha. Eu me perguntava: por que não automatizar tudo isso?”, conta.

Antes da Shawee, Rodrigo havia fundado, junto com o sócio Abraão Sena, 31, a Horizon Four, uma empresa de software. Lá, em 2016, eles receberam o convite para realizar hackatons para um cliente da área financeira e para a Câmara Municipal de São Paulo. Com pouca experiência, fizeram uma pesquisa sobre o tema e descobriram que, basicamente, tudo era planejado de modo artesanal. “Vimos que, no mundo todo, grande parte dos hackathons são organizados no papel. Há apenas soluções digitais para ajudar em partes separadas do processo, uma para fazer inscrições e outra para criar times e projetos”, diz.

A experiência de fazer hackathons "na raça" deu aos fundadores ideia de automatizar o processo.

A experiência de fazer hackathons “na raça” deu aos fundadores da Shawee ideia de automatizar o processo.

Os sócios perceberam que aquele era um outro caminho a seguir — e que deveria ser também um outro negócio, desvinculado da empresa anterior. Criaram, então, em junho de 2017, a Shawee, com um investimento próprio de 200 mil reais. Mas não foi apenas a possibilidade de um novo trabalho que chamou a atenção da dupla, como fala Rodrigo:

“Foi uma dor muito nossa. Quando começamos a organizar hackatons, vimos as falhas nesse tipo de atividade e percebemos que ali havia uma oportunidade de negócio”

O empreendedor diz conhecer muitas empresas que promovem hackathons e apresentam problemas desde o começo das atividades. No dia seguinte, afirma, elas já não sabem como resgatar uma ideia que nasceu no evento, não conseguem analisá-la nem pegar os contatos dos participantes para conectá-los com parceiros, por exemplo. Pensando justamente em evitar este tipo de confusão, a plataforma da Shawee permite que os cadastros dos participantes e empresas sejam feitos online e, a partir daí, gera cronogramas, detalhamento de necessidades técnicas, avaliação dos jurados e rankings dos projetos.

A cobrança pelo uso da plataforma é de 25 reais por usuário logado. Já o valor da consultoria depende muito do formato do evento. “Um bom hackathon, com várias equipes, custa a partir de 100 mil reais. Mas também temos opções mais em conta, que são parcerias com universidades”, diz Rodrigo. Este pacote mais barato pode ficar em torno de 15 mil reais.

MESES DE TRABALHO PRÉ E PÓS EVENTO PARA OBTER RESULTADO

Um hackaton de sucesso exige muito trabalho pré e pós evento, o que pode totalizar cerca de oito meses, afirma Rodrigo. Durante este período, a Shawee oferece consultoria para que as empresas saibam o que têm de fazer. “Elas começam a ser preparadas quatro meses antes, com definição de objetivos, infraestrutura e perfil dos participantes. Depois, têm mais uns quatro meses de assessoria nossa para acompanhar os projetos, o relacionamento do grupo que ganhou e as parcerias para viabilizar as ideias.”

O negócio ajuda as empresas no pós e pré evento. Uma assessoria que pode durar até oito meses.

A Shawee trabalha para ajudar as empresas no pós e pré hackathon. Uma assessoria que pode durar até oito meses.

Este tipo de apoio também inclui treinamentos para as companhias realizarem hackathons internos.

“Fazemos uma evangelização do conceito, exatamente para gerar interação entre os departamentos e eles realizarem a gestão das ideias”, diz. Sobre a periodicidade dos eventos, Rodrigo avalia  que uma empresa não precisa fazer hackathon uma vez por ano. “Ela pode fazer uma maratona interna de inovação, que é semelhante a fazer um brainstorm, só que sem perder as ideias no final.”

Tanto no caso de eventos externos como internos, a Shawee registra todos os projetos, sua evolução, contatos etc. O acesso a esse banco de dados é outra fonte de receita para a startup. Os clientes pagam uma mensalidade, que varia de 300 a 500 reais, para consultar a base de informações criada a partir dos hackathons. Desde o início da operação, o negócio já atendeu 18 clientes, como Banco Original, Senai, Magneti Marelli, Intervalor e AASP (Associação dos Advogados de São Paulo). Em 2017, a consultoria faturou 400 mil reais — e Rodrigo espera dobrar o valor este ano.

Ele dá exemplo de alguns problemas que a Shawee ajudou a resolver. A Intervalor, empresa de cobranças, por exemplo, gastava muito tempo para validar uma ideia ou conceito, conta. O desafio era achar formas de melhorar a experiência com seu público em um momento de inadimplência no país: “Foi preciso um hackathon para dar um choque. A partir deste aprendizado, eles passaram a usar técnicas de educação financeira, além de formas de tratamento mais corteses para cada público”.

Na AASP, prossegue, a questão era como gerenciar a quantidade de associados, que passa de 90 mil. Após o hackathon, a associação desenvolveu uma área de inovação para produtos que melhoram a experiência dos associados e deve criar um espaço de coworking para Legaltechs (startups com serviços voltados ao mercado jurídico).

SE EXPOR FAZ PARTE DO JOGO

Para Rodrigo, o aumento da procura pelos hackathons se relaciona com a busca por melhorar o cenário de inovação no país que, de 2011 para 2017, caiu 22 posições em um ranking global sobre o tema e hoje ocupa o 47º lugar. “O Brasil perdeu muito espaço e a cultura dos hackathons faz parte deste esforço para criar ou fortalecer esse espírito de inovação”, diz Rodrigo. No entanto, ele conta que precisa, muitas vezes, explicar detalhadamente para as empresas que o conceito é muito mais amplo do que aparenta e “não se resume a um final de semana”.

A Shawee também faz o meio de campo nas negociações entre as empresas e os vencedores das maratonas.

A Shawee também faz o meio de campo nas negociações entre as empresas e os vencedores das maratonas.

Outra dificuldade é fazer os clientes entenderem que o processo de um hackathon não pode envolver segredos. “Uma vez, uma empresa interessada me procurou dizendo que só organizaria um evento se, na porta, cada participante assinasse um termo de confidencialidade. Respondi que o hackathon é uma iniciativa de inovação aberta, não tem como fazer isso se você não quiser passar informação.”

Tradicionalmente, o que é criado nos hackathons é de propriedade das equipes vencedoras, que são premiadas com viagens para conhecer centros de inovação ou em dinheiro (o Banco Original, por exemplo, ofereceu 2 bitcoins em um desses eventos, na semana em que a criptomoeda valia 70 mil reais).

Apesar de os códigos gerados nestes eventos normalmente não estarem prontos para operação imediata, como conta Rodrigo, são úteis para as empresas e as duas partes precisam acertar como serão usados ou vendidos. O que ele faz para contornar a preocupação em relação ao sigilo é orientar que os clientes passem informações mais delicadas para a equipe vencedora apenas no pós-hackathon, depois das negociações. Mas também alerta:

“Para ter inovação aberta é preciso se expor, até para atrair as melhores equipes”

Ele acredita que a maioria das empresas no Brasil já entende o hackathon, mas ainda há certos empecilhos para sua popularização. “Não é ‘vamos fazer porque todo mundo está fazendo’ ou aquela frase muito comum de diretor, ‘olha Rodrigo, eu sou um cara muito cartesiano e quero saber onde a conta fecha’. Não funciona assim”, afirma. O processo de inovação demanda tempo, colaboração e investimento. Em contrapartida, tem a vantagem de atrair colaboração qualificada e focada. “É uma relação na qual a empresa vai abrir sua porta, vai falar de um problema interno para profissionais qualificados. Muito melhor do que resolver tudo sozinho”, fala o empreendedor que sabe que organização tem seu preço.

DRAFT CARD

Draft Card Logo
  • Projeto: Shawee
  • O que faz: Software e consultoria para hackathons
  • Sócio(s): Rodrigo Terron e Abraão Sena
  • Funcionários: oito (incluindo os sócios)
  • Sede: São Paulo
  • Início das atividades: Junho de 2017
  • Investimento inicial: R$ 200 mil
  • Faturamento: R$ 400 mil (em 2017)
  • Contato: hi@shawee.io
Veja também:

O Convenia nasceu de uma ideia simples e poderosa: funcionários são muito mais do que números

- 12 de junho de 2018
6347 8 0
Marcelo, Anderson e Rodrigo contam como criaram um software de gestão que permite ao departamento pessoal controlar desde o pagamentos até o feedback dado aos colaboradores.

A Laboratoria forma mulheres programadoras — que refinanciam o programa depois de empregadas

- 21 de maio de 2018
Mariana e Regina, a CEO e a sócia da Laboratoria no Brasil (da esq. para a dir.) querem ver mais mulheres no mercado de programação nos próximos anos.