SPONSORS:

A Synco monitora frotas com produtos refrigerados por meio da Internet das Coisas

- 6 de agosto de 2018

Nome:
Synco.

O que faz:
Plataforma que auxilia no monitoramento da cadeia de distribuição refrigerada por meio da Internet das Coisas (IoT).

Que problema resolve:
Evita que empresas percam dinheiro e produtos perecíveis por falta de visibilidade das condições (temperatura, umidade e pressão) da carga durante o transporte ou armazenagem.

O que a torna especial:
Segundo os fundadores, o negócio possui uma proposta de escalabilidade não conhecida no mercado de IoT, “ainda um tema incipiente no país”.

Modelo de negócio:
A Synco possui dois modelos de negócios: a assinatura SaaS da plataforma, que custa 15 reais mensais por usuário, e a assinatura de seu Hardware- as-a-Service (HaaS), com valor de 35 reais mensais por dispositivo.

Fundação:
Agosto de 2017.

Sócios:
Gustavo Chamma — CEO
André Gurgel — CIO

Perfil dos fundadores:

Gustavo Chamma — 31 anos, Belém (PA) — é formado em Design pelo Instituto de Estudos Superiores da Amazônia, com especialização em Gestão de Varejo pela IBModa e MBA em Marketing pela FGV. Fundou empresas como a CredShow e a EBS Log. É porta-voz da Liga de Startups.

André Gurgel — 30 anos, Natal (RN) — é formado em Design de Produtos pela Parsons School of Design. É CEO do estúdio de design Mula Preta.

Como surgiu:
Os sócios já possuíam uma empresa especializada na importação de tecnologias europeias de IoT, mas contam que, com o tempo, as alterações de câmbio, impostos e condições comerciais diferentes entre países começaram a dificultar a precificação, diminuindo a competitividade da companhia. Após adquirirem conhecimento do mercado tecnológico para desenvolverem os produtos nacionalmente, a dupla decidiu fundar a Synco.  

Estágio atual:
A startup possui um escritório, em São Paulo, seis colaboradores e um cliente.

Aceleração:
Os sócios contam que passaram por um processo de aceleração diferente junto à Questtonó, que não envolveu investimento de capital, mas de competências estratégicas.

Investimento recebido:
Os fundadores investiram 1 milhão de reais de recursos próprios no negócio.

Necessidade de investimento:
Não buscam aportes no momento.

Mercado e concorrentes:
“O mercado de IoT deve produzir cerca de 30 bilhões de devices até 2030, sendo 800 milhões apenas para o Brasil e 45% desse valor será destinado apenas para fins industriais, comerciais, transporte e mobilidade”, afirma Gustavo. Ele aponta como principal concorrente nacional a Nexto e, fora do Brasil, a ThinkSee.

Maiores desafios:
“Criar a cultura de valor de IoT no mercado brasileiro, tanto para grandes empresas como para usuários pessoa física”, diz o CEO.

Faturamento:
Não informado.

Previsão de break-even:
Primeiro semestre de 2019.

Visão de futuro:
“Sabemos que o futuro do IoT é ser global, mas sua complexidade gera interações e produtos com utilidade limitada, por isso, queremos ser elementos de democratização através do design e de interações fluídas”, fala Gustavo.

Onde encontrar:
Site
Contato

 

Você tem uma startup que já é mais do que um sonho mas ainda não é uma empresa totalmente estabelecida? Escreva para a gente. Queremos conhecê-lo. E, quem sabe, publicar um perfil da sua iniciativa aqui na seção Acelerados. Esse espaço é feito para que empreendedores como você encontrem investidores. E para que gente disposta a investir em novos negócios encontrem grandes projetos como o seu.

Veja também:

Verbete Draft: o que é Tecnologia 5G

- 15 de agosto de 2018
3894 1 0

Aos 100 anos, a Atlas Schindler mostra como pretende deixar nossos elevadores mais inteligentes

- 5 de junho de 2018
4105 2 0