SPONSORS:

Campus Party Brasil – O melhor do dia #4 e um balanço final

- 9 de fevereiro de 2015
Matheus Castro, da bit.players, faz o show de encerramento da Campus Party 2015.

Diferentemente do resto da semana, o sábado paulistano não teve chuva, mas bastante sol. Não que isso fizesse diferença para muitos dos participantes da Campus Party, que desde terça-feira não viam a luz do dia e sequer sabiam se chovia, ou o que acontecia no mundo fora do pavilhão.

No entanto, a maratona estava prestes a acabar. Às 12h do domingo, 08, a internet seria desligada e os campuseiros voltariam para suas casas. Oficialmente, o evento acaba antes disso, no sábado, às 22h, com show dos bit.players, que fizeram sucesso no YouTube criando paródias de MPB com uma roupagem nerd.

Para chegar a esse último dia de Campus Party, o maior empecilho, novamente, foram os ônibus que levavam as pessoas do metrô Conceição até o evento. Eram apenas três veículos para levar e trazer os mais de 8 mil participantes. Fiquei uma hora e meia na fila esperando o ônibus; no dia anterior, para voltar, a espera chegou a pouco mais de duas horas.

Nessas longas esperas de fila, você pode ouvir de tudo: piadas de tecnologia, sotaques das regiões mais distantes, conversas amenas, garotas falando sobre videogames etc. No entanto, quando perguntava a um campuseiro o que ele estava achando do evento, era normal ouvir reclamações. Muitos diziam que a feira não oferecia mais nada de interessante, e que eles estavam lá só para encontrar os amigos ou algo do tipo.

Eu, que acompanhei seis das oito edições do evento, acho curiosa a reclamação. Para mim, é notável a evolução a Campus Party – que, na minha visão, apesar de problemas comuns a eventos desse porte, está muito mais organizada e bem estruturada.

O meu palpite para essas reclamações é que a Campus Party sofre uma crise de identidade. Enquanto ela vende o empreendedorismo como seu carro-chefe, a maior parte dos campuseiros ainda encaram a feira como um evento de entretenimento. E essa dicotomia, entre o que o público procura e o que o evento quer promover, é um desafio que eles ainda vão enfrentar por algumas edições. É claro que generalizei um pouco aqui e há participantes que gostam da nova proposta do evento, mas não é difícil notar esses conflitos de interesses.

Campuseiros se despedem do evento.

Campuseiros se despedem do evento.

Ao finalmente chegar à feira, qualquer pessoa passa pela Open Campus, a parte gratuita e aberta ao público geral, permeada  por estandes de empresas patrocinadoras, que promovem ações publicitárias por lá.  No sábado, a área estava lotada. Mesmo. Tento me aproximar para ver o que atraía tanta gente e a resposta logo aparece: Jovem Nerd e Azaghal, que são quase os Beatles dos geeks brasileiros, estavam apresentando a final do campeonato de robôs da Submarino.

Passando pela confusão, decidi dar uma passada na área das Startup & Makers, onde 200 empreendedores apresentavam seus novos negócios. Com pequenas mesinhas e separada em um aquário de vidro, a área parecia uma espécie de feira de ciências. Dificilmente você via um empreendedor ocioso, todos apresentavam entusiasmadamente seus negócios aos mais diversos públicos que passavam por lá. Vale dizer que a área parecia mais um pouco mais cheia e vibrante do que no ano passado.

Entre as startups há de tudo, desde novos serviços para cachorros até a pessoas tentando resolver crises hídricas. Mas, de longe, o que predominavam eram os aplicativos e serviços web. Haviam makers e startups de hardware, mas pareciam minoria.

No último dia, empreendedores aproveitavam para distribuir seus últimos cartões, trocar figurinhas e, quem sabe, fechar algumas parcerias. Se tem um resultado bacana desse movimento, além de dar espaço à inovação e novos negócios, é o como ele pode fortalecer uma rede de novos empreendedores que se conheceram ali.

Murilo Gun, empreendedor e comediante, ficou 10 semanas na Singularity University.

Murilo Gun, empreendedor e comediante, ficou 10 semanas na Singularity University.

Com um ar de fim de festa, a programação do sábado estava muito mais enxuta e simples do que nos outros dias. Entre palestras de nicho ou de temas repetidos, apenas uma me chamou a atenção: “10 lições de empreendedorismo que aprendi na NASA”, de Murilo Gun.

Ele é um comediante conhecido no meio stand-up. Muitos se surpreendem quando ouvem que ele foi à NASA e estava palestrando sobre empreendedorismo na Campus Party. No entanto, não há nenhum desencontro aí: o comediante é empreendedor desde o início da década de 90, já teve algumas startups e, há algum tempo, foi selecionado para um programa da Singularity University, no campo de pesquisa da NASA.

Anualmente, a universidade seleciona 80 pessoas de 35 países para participar do programa, que visa encontrar soluções para possíveis problemas do futuro. Segundo Murilo, o foco do programa não é pegar pessoas apenas excelentes, mas, principalmente, muito diferentes entre si – e, por isso, eles escolheram um comediante brasileiro para participar.

Durante essas dez semanas ele pode interagir com os mais variados tipos de pessoas, como engenheiros biomédicos, políticos argentinos, e empreendedores israelenses. O objetivo final do programa era criar uma startup que resolvesse um problema do futuro. Durante o processo, ele aprendeu algumas lições que compartilhou na palestra:

1) Sonhe grande – “Sei que parece conversa de autoajuda, mas é verdade. Eu só fui para lá porque tentei. Na Singularity University eles te dão a proposição de criar soluções que vão resolver os problemas de, pelo menos, 1 bilhão de pessoas na próxima década. Isso é sonhar grande”, diz.

2) Impacto positivo – “Também parece papo furado, mas não é. Ninguém está falando para você virar a Madre Teresa de Calcutá. Mas, o impacto positivo é, inclusive, um bom negócio. Há uma frase lá que fiz que 1 bilhão de pessoas passando fome, é uma oportunidade de 1 bilhão de dólares”, conta.

3) Pense exponencialmente – “Nós humanos somos ruins de projetar o futuro porque somos lineares. Pegamos o repertório do passado, que é menor, para tentar ver um futuro que é exponencial, e não conseguimos”, diz.

Ele defende, por exemplo, o uso de energia solar. “Só não é tão usada ainda, porque ninguém descobriu o ponto certo. Mas, do nada, um cara descobre e tudo se resolve. É assim que a tecnologia funciona: de repente, alguém começa a fazer algo de um novo jeito e todo o paradigma muda.”

Mas e os possíveis lobbys econômicos que sabotariam a inovação? Murilo Gun acredita que são contornáveis. “Daqui a 100 anos ninguém vai se lembrar de Steve Jobs, mas de Bill Gates sim. Sabe por quê? Porque ele é um dos maiores filantropos do mundo. Quando um cara desses coloca dinheiro em inovação, quem vai comprar ele para sabotar os projetos? Ninguém”, acredita.

4) Pensamento Global – Murilo diz que ficou curioso para descobrir por que Israel é um polo de inovação. Segundo ele, isso acontece, principalmente, porque o país é pequeno e tem um mercado menor ainda, o que os força a pensar em mercados globais. “É o oposto do Brasil, onde o cara pensa em vender apenas em escala nacional. Lembram-se? Tem que sonhar grande.”

5) Antecipe tendências ou crie tendências – Fábio Akita disse o mesmo em uma palestra essa semana. Quem segue uma tendência já está atrasado. Murilo parafraseou um de seus professores: “A melhor forma de prever o futuro é criar o futuro”.

6) Tempo é dinheiro – “No Brasil, se você chegar 30 minutos atrasado, tudo bem. Nos EUA, se você chegar em cima da hora, você está atrasado”, diz. Segundo ele, cada minuto conta – e é por isso mesmo que criaram o elevator pitch, onde você deve explicar seu negócio em menos de um minuto.

7) Fracasso é sucesso – “No Vale do Silício, alguém que quebrou cinco startups, desde que não tenham sido na mesma área, ou por questões de desonestidade, é bem visto. No Brasil, você é um fracassado. O fracasso é estatisticamente mais provável que o sucesso, então ele deve ser mais estudado”, diz.

8) Comedy thinking – Conceito criado por Murilo Gun, que utiliza princípios do humor para pensar em negócios e inovação. Segundo o comediante, há dois tipos de pensamento: o concreto, que age mais pela razão e busca o óbvio, e o abstrato, que funciona na lógica do humor, da imaginação, do absurdo, e que busca o novo. É a intersecção entre esses dois que traz a inovação.

9) Pitching é tudo – Durante o evento, eles desenvolveram um aparelho auditivo que faz o trabalho de audiometria para descobrir a deficiência auditiva de alguém sem precisar de um médico. “Minha equipe ganhou todos os prêmios, mesmo sem ter o melhor negócio”, conta. Segundo ele, o segredo foi a apresentação. “Pitch é uma coisa que você tem que treinar, polir e melhorar todos os dias”, acredita.

10) É tudo sobre pessoas – “O mais legal da Singularity University é esse sistema de pegar pessoas com perfis completamente diferentes. Eles nem precisam nos ensinar nada, só o fato de sermos tão complementares já leva a altos estágios evolutivos. Isso parece papo de RH, mas é verdade: pessoas importam mais que a tecnologia”, finaliza.

16279821690_0b67af3741_k

O prefeito Fernando Haddad e as vencedoras do Prêmio Mulheres Tech em Sampa.

Para dar fechamento às conversas sobre inovação, ainda rolou a final da Premiação Mulheres Tech em Sampa, que dava 10 mil reais aos projetos mais inovadores que envolvessem mulheres e tecnologia.

Uma parceria do Google for Entrepreneurs, Rede Mulher Empreendedora e Prefeitura de São Paulo, o projeto foi idealizado no ano passado e finalizado no último dia de Campus Party. Você pode conhecer as cinco vencedoras aqui.

Após a premiação, começava a cerimônia de encerramento do evento. Ninguém dava sinais de que iria embora tão cedo, provavelmente muitos campuseiros ainda esperariam a última luz se apagar, o último bit de internet chegar a seus computadores. As startups recolhem seus equipamentos e projetos. Dali, muitos voltam para casa com novas ideias, novas inspirações, munidos para, quem sabe, construir um futuro melhor. Ele está por aí.

Veja também: