SPONSORS:

Casa de barro, para eles, não é coisa de hippie. Bioarquitetura é o negócio da Adamá

- 14 de janeiro de 2019
Emanuel Silva, Jerônimo Cordeiro Pereira (da Adamá), Juliana Donaire, Cobi Shalev (da Adamá) e Gil Pereira durante a fabricação de adobe, tijolo de bioconstrução que é feito com barro e não vai ao forno (foto: Lucas Lacaz Ruiz).

Adamá vem da junção de duas palavras que, em hebraico, significam pessoa e terra. Foi a expressão escolhida para definir o coletivo que se uniu para disseminar a construção com terra, principalmente o adobe (tijolos feitos com terra crua, água e palha). O grupo, composto pela gaúcha Carolina Dal Soglio, 28, o israelense Cobi Shalev, 36, o paulista Renato Botelho, 31, a portuguesa Joana Pack, 32, o tocantinense Dennis Margera, 32, e o brasiliense Jerônimo Pereira, 34, curiosamente nunca se encontrou pessoalmente, com todos ao mesmo tempo. Mas, juntos, eles trabalham para desmistificar a ideia de que a bioarquitetura é algo restrito a um universo hippie ou alternativo.

A causa que defendem é nobre: por cerca de 10% a mais do valor normalmente praticado na construção civil, e com um pouco mais de tempo de trabalho, é possível construir casas com baixíssimo impacto ambiental. “São casas que respiram”, conta Carolina. É que, ao contrário dos tijolos comuns, que são queimados — e só com isso já prejudicam o meio ambiente — o adobe tem alta densidade. Isso dá à construção maior capacidade térmica, reduzindo a necessidade tanto do ar-condicionado, no calor, como do aquecimento no frio. A porosidade da terra também faz o vapor d’água ser absorvido e liberado pelas paredes, o que impede o acúmulo de umidade.

Há nove anos no Brasil, o israelense Cobi Shalev sempre trabalhou com construção com terra e é uma espécie de mentor dos demais integrantes do grupo.

Tudo começou em 2016. Embora façam questão de não estabelecer lideranças e se definam como um “coletivo sem estrutura verticalizada”, a Adamá surgiu — e tem se desenvolvido — graças a alguns integrantes e fatores chave, entre eles o escritório de bioarquitetura Baixo Impacto, de Florianópolis, o Instituto de Tecnologia Intuitiva e Bioarquitetura (Tibá) do Rio de Janeiro, e o israelense Cobi, que migrou para o Brasil há dez anos.

Renato Botelho ergue, “à mão”, um muro com técnicas de bioconstrução da Adamá.

Após viajar pela América Latina, Cobi se estabeleceu em Olhos D’Água, em Goiás, a cerca de 130 quilômetros de Brasília. Ele, que em seu país natal trabalhava com construções com adobe, fez uma casa com o método e percebeu que havia uma demanda para o serviço na cidade. Resolveu então tentar monetizar em cima da sua capacidade técnica de bioconstrução.

Em 2016, foi convidado para dar um curso no Tibá e ensinar as técnicas. Lá, conheceu Carolina, uma arquiteta formada pela Universidade Federal de Santa Catarina que tinha interesse em sustentabilidade e havia feito um estágio no escritório Baixo Impacto.

Depois do encontro, Carolina foi a Goiás para conhecer o trabalho de Cobi de perto. Três meses depois, decidiram unir forças e criar um coletivo que concentrasse arquitetos, construtores e entusiastas da causa.

Os outros integrantes da Adamá fizeram caminhos parecidos que os levaram a Cobi e Carolina — Joana também foi estagiária de arquitetura no Baixo Impacto, Renato fez um curso no Tibá, e Dennis e Jerônimo ajudaram em uma das construções de Cobi e resolveram participar do coletivo. No mesmo ano, colocaram no ar um site para oferecer os serviços.

UM POR TODOS E TODOS POR UM? OS DESAFIOS DE SER UM COLETIVO

Embora seja interessante, a ideia por trás de um coletivo dificulta um pouco o desenvolvimento do negócio. Isso porque embora trabalhem com uma causa comum, cada um tem prioridades diferentes — Carolina, por exemplo, está finalizando um mestrado; Joana voltou para Portugal e tenta se estabelecer como um “braço” da Adamá por lá; Renato trabalha como designer para se sustentar. Em conjunto, só trabalharam de fato em dois projetos. 

Acima, os diferentes sistemas construtivos com os quais a Adamá pode trabalhar.

Mas a rede funciona. Mesmo que nem sempre todos juntos, contam com o apoio uns dos outros. No ano passado, a Adamá fez quatro projetos de bioarquitetura (que custam de 16 mil reais até 800 mil reais, dependendo do tamanho e do padrão desejado) e efetivamente construiu três casas (uma quarta está em processo de finalização). Todo ano, organizam cursos sobre bioconstrução em diversos locais, com valores que variam de 200 reais por um dia a 1000 reais por quatro dias — todos ajudam a elaborar o conteúdo, Renato fica responsável pelo material gráfico e um ou dois integrantes se responsabilizam por ministrar os cursos . Em 2018, ao todo 170 alunos foram atendidos nestes cursos, que ocorreram em Portugal, Laguna (SC) e no Tocantins. Além disso, Cobi é instrutor em cursos organizados pelo Tibá e, no ano passado, deu aulas a cerca de 150 pessoas no instituto.

A rede Adamá trabalha conforme a demanda: às vezes recebem um pedido de projeto, noutras a busca é por mão de obra.

Casa de adobe construída por integrantes do Adamá.

De todos os integrantes, que mais sonha grande, talvez por tirar disso o próprio sustento, é Cobi. “Eu gostaria de crescer, tornar a Adamá uma presença no mercado tradicional e a construção em adobe algo mais mainstream”, explica. Seu projeto mais recente é uma casa de alto padrão em São José dos Campos, com 200 metros quadrados.

Para os outros membros, olhar para a demanda do nicho de classes mais altas é um dos passos para espalhar a ideia. Renato fala a respeito:

“A bioconstrução ainda é vista com preconceito, como coisa de hippie, mas ela pode ter o refinamento da alvenaria tradicional com custo quase zero de material”

Os maiores desafios estão na fabricação do tijolo em si. Como a terra varia de local para local, sem padronização do material necessário, o estudo envolvido para fazer cada adobe é personalizado.

A arquiteta Carolina dal Soglio aprendeu mais sobre bioarquitetura depois de conhecer Cobi e, hoje, integra o Adamá.

O tempo de produção dos tijolos também é muito maior: eles estimam que cada pessoa consiga fazer 250 por dia. Consequentemente, o processo de construção de cada casa é mais demorado. “Isso é um problema no mundo em que tudo precisa ser para ontem”, diz Joana.

Mas o grupo defende que o resultado final compensa. O gasto com a mão de obra se equilibra com a economia no material, que é praticamente gratuito, encontrado em qualquer lugar. O risco de problemas com mofo também cai drasticamente, visto que a terra não deixa a umidade parada.

Não à toa, eles contam que países como Estados Unidos e Alemanha têm olarias de adobe. E, por lá, o material é considerado de alto padrão justamente pelas qualidades mencionadas. “É uma moda que está crescendo, essa busca por um ambiente mais saudável”, afirma Carolina.

Por todos esses motivos, talvez a estruturação em formato de coletivo faça sentido, ao menos por enquanto: seria no mínimo contraditório avançar com tudo para cima de um negócio cuja essência está justamente na paciência.

Assim, ajudam não só a popularizar o modelo de construção, mas fortalecem uma rede pronta para atender à demanda quando — e se — a moda pegar. Por enquanto, seguem construindo o que gostariam de ver nesse novo mundo.

DRAFT CARD

Draft Card Logo
  • Projeto: Adamá
  • O que faz: Projetos de bioarquitetura, construções com terra e cursos de capacitação
  • Sócio(s): Carolina Dal Soglio, Cobi Shalev, Dennis Margera, Jerônimo Pereira, Renato Botelho, Joana Pack
  • Funcionários: além dos sócios, contratam por demanda
  • Sede: Florianópolis
  • Início das atividades: 2016
  • Investimento inicial: não houve
  • Faturamento: Em 2018, 4 projetos entregues e 3 casas construídas, além de 330 alunos atendidos nos cursos
  • Contato: (48) 99918-8833, (62) 99919-8170 e Renato Botelho (11) 97333-1326
Veja também:

“Cada empresa é única. Cada líder é único. Para mudar uma empresa, é preciso enxergar a própria incoerência”

- 18 de abril de 2018
Charles Bezerra acredita que as organizações dariam um grande passo se acabassem com as divisões por departamentos e tentassem "enxergar o todo" (foto: Osmar Portilho).

Como a Pipoca, que nasceu no Carnaval, se tornou uma produtora de projetos culturais essencialmente na rua

- 29 de novembro de 2017
A equipe da Pipoca. Em pé: Zé (Rogério Ferreira), Guilherme Pereira, Felipe Menasche, Catherine Nakiri, Marcos Credie. Sentados: Karina Valenzuela e Rogério Oliveira.

Acessibilidade é bom para todos, não só cadeirantes. Assim é o Guiaderodas, app que está ganhando o mundo

- 25 de outubro de 2017
Bruno Mahfuz é cadeirante desde os 17. Ele criou um aplicativo, premiado pela ONU, que informa a acessibilidade dos lugares e também uma consultoria para ajudar a tornar o mundo mais inclusivo.